Vice-presidente da CUT denuncia que termoelétricas estão sendo favorecidas

313
Rios e represas em níveis baixos são a causa da crise hídrica que afeta o estado do Paraná

“As hidrelétricas estão mantendo seus reservatórios baixos para acionar as termelétricas, com o objetivo de beneficiar os donos dessas empresas”. O relato é do vice-presidente da CUT, Mário Dal Zot e foi feito durante a audiência pública sobre o tema: A Crise Hídrica e o Papel do Estado, realizada pela Bancada do PT na Assembleia Legislativa do Paraná, na manhã desta quinta-feira (17) em formato remoto. Dal Zot, que atua também no setorial de energia do Partido dos Trabalhadores, afirmou que falta fiscalização para esse tipo de ações deliberadas, que estão contribuindo para o agravamento da crise energética e hídrica no Brasil.

O líder da bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa, deputado Tadeu Veneri, lembrou que “estamos vivendo uma das maiores crises hídricas da nossa história e aqui pretendemos apontar alternativas para que essa crise tenha um impacto minorado. Se é que isso é possível”.

O professor-doutor e pesquisador em ciência física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Jeferson de Souza, falou dos fatores que têm levado o Brasil à essa situação, que chamou de estresse hídrico, que é o que afeta a lei da oferta e da procura, apontando a falta de chuvas, a fenômenos como La Niña e a alta na demanda, que inclui as atividades econômicas, crescimento da população e desperdício. “Mais de 50% da precipitação no Paraná vem da Floresta Amazônica. Por isso, também devemos lutar pela preservação. Em 2021, o volume de precipitação não está tão abaixo da média. Está faltando um melhor gerenciamento dos recursos “, afirmou.

A ativista Daiane Machado, da coordenação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), reforçou a preocupação com a ausência de planejamento e com o que chamou de mercantilização da água, lembrando que a estiagem era previsível, mas questionou sobre como o Estado se preparou para esse momento.  “Pelas propagandas, parece que depende unicamente da população a solução: eu fecho a minha torneira e fica tudo bem. Mas o que o Estado está fazendo?”

 

Projeto quer retirar trens dos perímetros urbanos das cidades

O projeto que tramita na Assembleia quer retirar as linhas de trens que cruzam as cidades nas futuras concessões ferroviárias

Deputados membros da Comissão de Relações Federadas e Assuntos Metropolitanos da Assembleia Legislativa do Paraná aprovaram o parecer favorável da deputada Cantora Mara Lima (PSC) ao projeto de lei 530/2020, que estabelece a retirada das linhas de trens que cruzam perímetros urbanos em futuras concessões ferroviárias no Estado.

De autoria dos deputados Delegado Francischini (PSL), Delegado Jacovós (PL), Marcio Pacheco (PDT) e Evandro Araújo (PSC), o projeto prevê ainda o uso das linhas desativadas por outros modais de transporte ou criação de áreas de uso comum. “A Assembleia Legislativa tem de participar da discussão de retirar os trens de cargas de dentro dos traçados urbanos”, disse Francischini, durante a reunião.

De acordo com a justificativa da matéria, a intenção é “estabelecer melhorias entre as linhas férreas das Regiões Metropolitanas do estado do Paraná bem como a integração de estados e países vizinhos”. Também participaram da reunião os deputados Michele Caputo (PSDB), presidente da Comissão, Galo (PODE) e Arilson Chiorato (PT).

 

Anibelli Neto defende reabertura da Estrada do Colono

O deputado Anibelli Neto apoia o polêmico projeto de reabertura da Estrada do Colono

O deputado Anibelli Neto (MDB) defendeu a reabertura da Estrada do Colono. Como o assunto é controverso e divide opiniões, o deputado sugeriu a realização de um plebiscito envolvendo a população dos municípios que margeiam a estrada.

A Estrada do Colono foi fechada, por decisão da Justiça, em 2001. Um projeto de lei, que tramita na Câmara Federal, prevê sua reabertura. A proposta que autoriza a criação de estradas-parques, o que pode facilitar a reabertura da Estrada do Colono, teve na última semana aprovado o regime de urgência na tramitação. Quando aberta, a Estrada do Colono, um trecho de 17 quilômetros ligava Serranópolis do Iguaçu, no Oeste, até Capanema, no Sudoeste do Paraná.

 

Botão do Pânico ficará disponível em todo o Estado

O botão do pânico foi um projeto criado há cinco anos para questões de segurança

O dispositivo digital de medida de segurança, Botão do Pânico, será expandido para todo o Paraná. A informação foi confirmada à procuradora da mulher da Assembleia Legislativa do Paraná, deputada Cristina Silvestri (CDN), pela desembargadora Ana Lúcia Lourenço, da Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), durante reunião de alinhamento. A expectativa é que esse processo de expansão para toda as 161 Comarcas do Estado ocorra até o final de julho, atendendo, por consequência, os 399 municípios do Estado. Atualmente, 13 cidades realizavam testes com a aplicação digital como projeto piloto.

 

Cobra Repórter pede voto de louvor ao professor de ensino superior mais jovem do país

O deputado estadual Cobra Repórter (PSD) apresentou, na Assembleia Legislativa do Paraná, um requerimento solicitando Votos de Louvor para Tiago Felix dos Santos Porfirio, de 23 anos, que é o mais jovem professor do ensino superior no Brasil segundo o RankBrasil, entidade que registra recordes brasileiros. Tiago é paranaense e concluiu o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio no Colégio Estadual Maestro Andréa Nuzzi, em Cambé. Hoje, ele é docente na Faculdade Catuaí, no mesmo município, onde ministra disciplinas em cursos nas áreas de finanças, marketing e empreendedorismo.