VENDAS EM ALTA

243

A Via Varejo, grupo que controla as Casas Bahia, anunciou que teve aumento nas vendas no Natal de 2020 em relação às do ano anterior. As vendas cresceram 20,2% em relação ao Natal de 2019. O principal ponto para elevação das vendas foi o crescimento do comércio eletrônico. Entre 19 e 25 de dezembro de 2020, o crescimento das vendas do comércio eletrônico foi de 125,2% em relação a 2019.

CALÇADOS

O setor de calçados aposta num aumento de vendas do setor em 2021. A Associação Brasileira de Indústrias de Calçados (Abicalçados) informou que em 2020 o setor produziu 650 milhões de pares no Brasil e que chegará a 774 milhões em 2021. A queda de 2020 para 2019, por conta da pandemia, chegou a 28%.

DUMPING

A preocupação dos produtores de calçados são os produtos importados da China, Vietnã e Indonésia, que chegam ao mercado brasileiro com ‘dumping’, que vem sendo barrado com uma sobretaxa de pouco mais de US$ 10 por par de calçado que vem da China. Os fabricantes querem que o governo brasileiro renove a sobretaxa, que vence em março.

BANQUEIRO DO ANO

O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, recebeu o título de banqueiro central do ano pela revista britânica “The Banker”. O motivo é que poucos países foram mais afetados economicamente pela pandemia do que o Brasil, mas mesmo assim a retração da economia não foi tão grande como se esperava.

AÇÕES IMPORTANTES

A revista “The Banker” explicou a escolha do presidente do BC brasileiro: “A autoridade monetária respondeu à crise adotando medidas efetivas e sem precedentes para assegurar que a liquidez não secaria no sistema financeiro e adotou ações específicas adicionais para que as companhias, especialmente as pequenas empresas, pudessem continuar a operar”, detalhou a publicação.

AS MAIORES

O jornal Valor Econômico publicou em revista independente do diário a lista das 200 maiores empresas brasileiras em 2020. Nós resumimos a lista às dez maiores, que são as seguintes: 1 – Petrobras; 2 – Bradesco; 3 – JBS; 4 – Itaú/Unibanco; 5 – Banco do Brasil; 6 – Caixa Econômica Federal; 7 – Vale; 8 – Raizen; 9 – Santander e 10 – Ultrapar.

SOJA

Os produtores brasileiros de soja não podem reclamar do momento. O produto cresceu de valor em 36% em 2020 na Bolsa de Chicago. E se depender da demanda da China pelo produto, a soja vai continua em alta em 2021. A soja brasileira não estará fortemente presente no mercado internacional apenas se a safra americana “explodir” neste ano, algo que não está sendo esperado.

ALTA EM 2021

A China lidera a importação global do grão, e os EUA são os segundos maiores exportadores. O Brasil encabeça produção e embarques. Além de terem sido beneficiados pela alta dos preços, os sojicultores brasileiros contaram com o câmbio favorável para obter margens polpudas e ampliar investimentos.

FUSÃO GIGANTE

Está surgindo mais uma gigante mundial na fabricação de veículos. Os acionistas da Fiat/Chrysler e da Peugeot aprovaram a fusão das empresas, que resultará na Stellantis, o quarto grupo automobilístico mundial em número de veículos vendidos e terceiro em volume de negócios, atrás apenas da japonesa Toyota e da alemã Volkswagen. O novo grupo detém 400 mil funcionários e marcas emblemáticas na fabricação de veículos, tais como: Maserati, Alfa Romeo, Opel, Dodge, Jeep, além de Fiat e Peugeot.

MERCADO IMOBILIÁRIO

O mercado imobiliário brasileiro esperava um ano tenebroso em 2020, por conta do coronavírus. Após um segundo trimestre com fortes incertezas, o setor se recuperou e fechou o ano otimista. De janeiro a novembro as operações de financiamentos com recursos da caderneta de poupança somaram R$ 106,5 bilhões, o melhor resultado desde 2014.  Foi um aumento de 52% em relação ao mesmo período de 2019. Os juros baixos incentivam o investimento em imóveis.