As vendas do comércio varejista ampliado – que inclui veículos, materiais de construção, motos e peças – cresceram 10,31% em julho no Paraná em comparação ao mesmo mês de 2006



As vendas do comércio varejista ampliado – que inclui veículos, materiais de construção, motos e peças – cresceram 10,31% em julho no Paraná em comparação ao mesmo mês de 2006, segundo pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Estado fechou o mês com crescimento 15,9 % contra 5,59% registrado no mesmo período do ano passado.
O acumulado do ano chegou a 12,3% contra 2,57% dos sete primeiros meses de 2006. Já o índice e variação do volume de vendas do comércio varejista do Paraná – sem a participação dos combustíveis, peças, veículos e materiais de construção – fechou o mês de julho em 13,3%, acumulando ganhos de 13,1% no ano e 11,6% nos 12 últimos meses.
Em termos de receita e volume de vendas no comércio varejista, a pesquisa revela que no Paraná houve crescimento de 9,8% (8,2% no acumulado do ano e 7,5% nos 12 últimos meses) e de 6,6% (7,2% no acumulado do ano e 6,6% nos 12 últimos meses). O Paraná é o segundo Estado que mais contribuiu para o impacto do resultado global do setor, atrás apenas de São Paulo (15,4%) e na frente de Minas Gerais (10,9), Rio Grande do Sul (9,6%) e Rio de Janeiro (8,5%).
De junho para julho, nove Estados apresentaram aumento no volume de vendas, enquanto que 18 registraram queda. Os principais acréscimos ocorreram no Amapá (2,7%), Mato Grosso (2,6%), Acre (2,3%), Paraná (1%) e Roraima (0,9%). Já as maiores quedas se estabeleceram no Distrito Federal (-4%), Tocantins (-2,4%), Rio de Janeiro (-2%) e Goiás (-1,8%).
Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), o comércio varejista apresentou em julho variação de 0,5% no volume de vendas e 1% para a receita nominal, com ajuste sazonal frente ao mês anterior, acumulando no ano altas de 5,6% e 8,1%, respectivamente. Comparando com o mesmo período do ano anterior, nas séries sem ajustamento, os percentuais de volume de vendas ficaram em 9,2% em julho, 9,7% no acumulado do ano e 8,7% no acumulado dos últimos 12 meses. Para o mesmo período, a receita nominal cresceu 11,9%.