Vencedoras serão conhecidas em novembro

412

Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação: “abrimos pela primeira vez as inscrições para empreendedoras da área metropolitana”

O prêmio é bianual e organizado pela Agência Curitiba para valorizar mulheres empreendedoras que se destacaram em diferentes áreas de negócio.

O processo de seleção das vencedoras teve inscrição de mais de 300 empreendedoras. Destas, 89 se classificaram para a próxima etapa, em que as avaliadoras vão julgar projetos e apresentações das propostas.

A fase classificatória foi finalizada e levou para a próxima etapa 89 empreendedoras de Almirante Tamandaré, Colombo, Curitiba, Pinhais, Piraquara, Quatro Barras, Rio Branco do Sul e São José dos Pinhais.

“Seguindo a determinação do prefeito Rafael Greca de buscar sempre a integração e o fortalecimento dos municípios da região, neste ano abrimos pela primeira vez as inscrições para empreendedoras da área metropolitana”, diz a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, Cris Alessi.

A cerimônia de premiação, em 11 de novembro, será no Memorial de Curitiba, com a divulgação das três primeiras colocadas em cada uma das cinco categorias.

Outra novidade da premiação deste ano foi ampliação do número de categorias, de três para cinco. Além das categorias Microempreendedora Individual (MEI), Ideia Empreendedora e Micro e Pequena Empresa, a edição 2021 também vai congratular as mulheres que se destacarem em iniciativas de Startup e de Impacto Socioambiental.

Para a definição das vencedoras, as inscritas participam de capacitações on-line e são avaliadas em diferentes etapas.

Lançado em 2015, como uma das ações do Programa Empreendedora Curitibana para inspirar o desenvolvimento de novos negócios liderados por mulheres e fomentar a economia local, o Prêmio Empreendedora Curitibana capacitou mais de 850 mulheres nas suas três primeiras edições.

Mulheres líderes em tecnologia e TI

Patricia Pomies: “Estamos comprometidos em ajudar a eliminar a lacuna de gênero em nossa indústria”

A Globant, empresa nativa digital que oferece soluções de tecnologia inovadoras, anunciou o lançamento de sua edição anual do Women that Bu ild Awards , que destaca as profissionais que geram impacto positivo no setor de TI. A empresa lançou a iniciativa com várias mulheres líderes, tocando o sino de abertura na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), celebrando as mulheres que tiveram um profundo impacto no setor.

“Estamos profundamente comprometidos em ajudar a eliminar a lacuna de gênero em nossa indústria. As edições do Women that Build Awards são uma peça fundamental para dar visibilidade às mulheres que estão liderando essa mudança”, disse Patricia  Pomies, Diretora de Operações da Globant. “Precisamos de mais exemplos femininos a seguir, que motivem mulheres e meninas a ingressar no setor de TI. Esses prêmios são a nossa forma de oferecer inspiração e um chamado para construirmos juntos um futuro mais diverso e justo”. Para saber mais sobre os prêmios, visite: womenawards.globant.com ou escreva para women-awards@globant.com. As finalistas serão anunciadas no dia 3 de dezembro. Para mais informações, acesse: https://www.globant.com

Nova Chief Financial Officer da Movile

Andrea Spinelli: “sonho  de impactar positivamente a vida de 1 bilhão de pessoas com os aplicativos e soluções de todas as empresas investidas do Grupo”

A Movile, investidora estratégica que desenvolve negócios de tecnologia como iFood, MovilePay, PlayKids, Afterverse, Sympla e Zoop, anuncia Andrea Spinelli como nova CFO (Chief Financial Officer)  da empresa, que tem sede em Campinas.  Com mais de 20 anos de atuação no mercado, a executiva agregou ampla experiência à frente dos departamentos financeiros de outras empresas de tecnologia como Facebook, Microsoft e Oracle, além do segmento de entretenimento com atuação na Netflix. À frente da área financeira da Movile, Spinelli espera contribuir para realizar o sonho grande de impactar positivamente a vida de 1 bilhão de pessoas com os aplicativos e soluções de todas as empresas investidas do Grupo. “Após uma longa experiência em multinacionais, resolvi assumir como CFO na Movile para apoiar a expansão de uma empresa nascida no Brasil a ganhar o mundo. Quero participar desse sonho grande e preparar empreendedores para desenvolver a economia e a sociedade”, afirma Spinelli.

Evolução das mulheres na tecnologia

A DGS Brasil , empresa pertencente ao Grupo Dedalus, com sede da Itália e escritórios no Brasil, provedor líder de soluções tecnológicas para a área da saúde na Europa e uma das maiores do mundo, destaca liderança feminina em cargos de gestão. Atualmente, 33% do quadro de funcionários é representado por mulheres, porém elas são maioria – 60%, dos cargos de liderança.

De acordo com Juliana Martins Martinho, Head de RH para América do Sul e Norte, faz parte da estratégia da empresa promover um ambiente de trabalho que estimule o crescimento do colaborador. “Queremos estimular o crescimento de todos os nossos funcionários, mas sabemos que devemos estar atentos aos vieses sociais e agir para garantir espaço qualificado para todos, independente de suas diferenças. Vivenciamos um processo de transformação contínuo no mercado e no Grupo Dedalus, e atrair mais mulheres para esse nosso mundo de tecnologia faz parte da nossa estratégia, afinal, nossos valores são voltados às pessoas, à diversidade”, ressalta a executiva. Com sede na Itália, possui atuação global em mais de 30 países e cerca de 5,5 mil colaboradores, que atendem mais de 6 mil hospitais e 5,3 mil laboratórios No Brasil, a empresa possui escritórios em Barueri (SP) e no Recife (PE).

A multinacional, traz apoio e suporte para fortalecer as carreiras femininas. “Quando assumi este cargo, imaginei que seria desafiador me impor e ser respeitada durante as reuniões e encontros, mas isso nunca aconteceu. Aqui existe muito respeito e todos têm o seu espaço, por isso sinto que ser mulher nesta área, não me atrapalha em nada no meu dia”, reforça Natália Horta, Coordenadora de Comunicação e Marketing da DGS Brasil.

Segundo pesquisa da Women in Tech, do Reino Unido, apenas 1 (um) em cada 6 (seis) especialistas em tecnologia no país é mulher. No Brasil, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), aponta que 20% dos profissionais de TI são representados pelo público feminino.