“Toma Lá da Cá”. Como mudar esse entendimento?

422

Advogado Cleverson Marinho Teixeira : ““Queremos um sistema que não nos tolha a liberdade e se fundamente na verdade, justiça, solidariedade, honestidade”

Ao analisar a atual conjuntura política e econômica que o Brasil está vivenciando, o advogado Cleverson Marinho Teixeira, comentou  que é  “necessário demonstrar a todos – eleitores, políticos, enfim à toda sociedade – que esse sistema não é o que queremos.  Entendemos que os planos, enfim atitudes e atos governamentais devem estar assentados em princípios, sistemas, obras, que contemplem a todos, e não unicamente àqueles que votaram em um representante, que dará seu voto em troca de uma obra que somente beneficiará os que votam nele. Dai a indagação de  como mudar esse entendimento  do “Toma Lá da Cá?”.

Para Cleverson Marinho Teixeira, “os  princípios básicos não distinguem essa ou aquela pessoa, mas devem ser aplicados de modo geral, e não se fundamentam em troca ou favorecimentos. Diferenças de tratamento devem ser concretizadas somente aos necessitados ou desfavorecidos, em razão de problemas nas áreas de saúde, aprendizado, trabalho e outros; enfim, àqueles que têm necessidades porque não tiveram a sorte de ter nascido e vivido num ambiente familiar e de convivência exemplares, de amor, consciência, trabalho, bons exemplos, estudo, aprimoramento, educação ou, ainda, que foram vítimas de causas alheias à sua vontade.”

E enfatiza o advogado: “Queremos um sistema que não nos tolha a liberdade e se fundamente na verdade, justiça, solidariedade, honestidade, participação

plena em assuntos de interesse público, no exercício da cidadania, enfim nos princípios do bem.”

–  “Se  não temos ainda a vacina para o Corona vírus, essa postura é, pelo menos, o remédio para o Brasil e para o Mundo”, conclui.

Análise da Medida Provisória  936

Os advogados especialistas nas áreas trabalhista e empresarial  Dr. Cassiano R. Régis e a Dra. Thereza Cristina  Emed , do  Escritório Regis, Saldanha & Vieira Advogados, realizaram uma live,   para debater a MP 936 . O presidente da Associação Comercial do Paraná(ACP) Camilo Turmina, também esteve presente.  O Advogado, Cassiano R. Régis, é sócio da Régis,

Saldanha e Vieira – Advogados (www.rsevadvogados) e  integra a assessoria jurídica da ACP . A   MP 936/20 editada pelo Governo Federal institui o Programa Emergencial de Manutenção de Emprego e Renda que regula o pagamento de benefícios emergenciais para preservação de empregos,  a possibilidade de redução de jornada e salários e a possibilidade de suspensão temporária do contrato do Trabalho. O advogado  C

assiano  Régis disse, entre outras coisas,  que “a redução de jornada, salário e suspensão temporária do contrato de trabalho têm que ser negociadas e aceitas pelo empregado, mediante convenção ou acordo de trabalho na forma da CLT e que o instituto do Benefício Emergencial nada mais é que uma prestação mensal custeada com recursos da União, pago a título de complementação exclusivamente ao empregado que aceitou reduzir salário e jornada, ou a suspensão temporária do seu contrato.”

AgroPro recebe investimento

A plataforma AgroPro é uma ferramenta inteligente que auxilia agricultores no controle sustentável de pragas e doenças, através do monitoramento

A empresa AgroPro, de Ponta Grossa (Pr), responsável pela plataforma AgroPro Monitor, recebeu investimento do M3 VC5, veículo de investimentos gerido pela TM3 Capital, uma gestora de investimentos sediada em Curitiba, especializada em empresas de tecnologia.

A plataforma AgroPro Monitor é uma ferramenta inteligente que auxilia agricultores no controle sustentável de pragas e doenças, através do monitoramento, análise de dados e decisão, oferecidas pela Inteligência agronômica baseada em algoritmos próprios.

“A ferramenta permite ao produtor rural utilizar defensivos para o controle de pragas de forma racional, estritamente quando necessário, e favorece o emprego de novas técnicas, como o uso de produtos biológicos (ou biodefensivos), gerando assim uma produção de qualidade superior, isto é, com baixo ou até mesmo livre de residuais químicos. A diminuição do uso de defensivos químicos através da aplicação da inteligência agronômica do AgroPro Monitor em campo não se traduz apenas em ganho para a sociedade e ambiente, mas também diretamente ao produtor, que consegue diminuir grande parte de um custo considerável dentro da produção, o custo com defensivos químicos” afirma Vicente Furiatti, um dos fundadores da empresa.

Antecipação de  recebíveis a juros baixos

Ronaldo Oliveira, CEO da Giro.Tech: “Grandes empresas podem ajudar seus fornecedores a enfrentarem a crise causada pelo coronavírus e manter a sua cadeia produtiva funcionando”

A antecipação a fornecedores por meio de fintechs pode assegurar a força que as micro, pequenas e médias empresas precisam para enfrentar a crise devido à pandemia do novo coronavírus. Sem custos para a maioria das grandes empresas e com juros extremamente baixos aos fornecedores, estas operações financeiras contribuem diretamente para a sustentabilidade econômica de todos: as empresas menores, por terem assegurado capital de giro; as grandes corporações, que ao promoverem a antecipação contribuem para a sustentabilidade econômica da cadeia produtiva; e a sociedade, uma vez que atividades e empregos são mantidos.

É o que afirma o projeto “Como fortalecer as pequenas e médias empresas da sua cadeia produtiva em meio à crise da Covid-19”, desenvolvido pela Giro.Tech, fintech com sede em Curitiba e que está sendo apresentado inicialmente para cooperativas agropecuárias e indústrias do agronegócio, mas que vale para todos os segmentos da economia.

“A antecipação financeira por fintech é uma forma solidária das grandes empresas atuarem em sua cadeia produtiva”, afirma Ronaldo Campos de Oliveira, CEO da Giro.Tech.

Mercado autônomo dentro de condomínios

Mercado inteligente dentro de condomínios, sem atendentes, baseado na confiança dos moradores

O market4u, um mercado inteligente dentro de condomínios, sem atendentes, baseado na confiança dos moradores, instalou sua primeira operação em Curitiba. Embora a primeira unidade seja recente, o projeto vem sendo estruturado pela Holding BioGrupo há um ano, com investimento próximo a R$3 milhões.

O plano de expansão, que já era ousado, ganhou força em tempos de isolamento social, por conta da pandemia do COVID-19. Em menos de dois meses, já são mais de 10 condomínios com a operação em funcionamento, e mais de 25 contratos assinados para instalação nas próximas semanas e uma lista de espera de interessados.

A expectativa é que até o final do primeiro semestre, 60 prédios curitibanos com mais de 100 apartamentos contem com o market4u. A empresa pretende também chegar a São Paulo no segundo semestre, com previsão de mais 150 operações na capital paulista ainda neste ano.

“Desde o início estruturamos o modelo de negócio para ter escala, para atender centenas de condomínios. Somos uma espécie de marketplace que aproxima a indústria do consumidor final, colocando suas marcas a poucos passos dos moradores. Além disso, através de inteligência artificial, entendemos as preferências do usuário e oferecemos a ele promoções personalizadas, de acordo com o seu perfil, melhorando cada vez mais nosso mix de produtos”, explica o diretor comercial do market4u, Sandro Wuicik.

Manifesto para  garantir emprego

A Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro) divulgou um manifesto em que defende uma série de medidas para garantir o emprego e a atividade das empresas de TI, neste momento em que a economia sofre os efeitos da pandemia do novo coronavírus. Auxílio governamental para a remuneração dos empregados do setor, ações tributárias, investimentos e manutenção de todos os contratos com órgãos públicos fazem parte do conjunto de pleitos da entidade.

O presidente da Federação Assespro, Ítalo Nogueira, assina o documento, que expressa o posicionamento das unidades regionais, como a Assespro-Paraná. O caráter essencial das atividades desenvolvidas pelas empresas de TI neste período de enfrentamento da pandemia é ressaltado no documento.

“Todos que integram o segmento da tecnologia estão contribuindo para manter a população conectada para assim minimizar os efeitos do isolamento social causada pela COVID-19. O documento ainda apresenta os serviços de TI como essenciais no fornecimento da infraestrutura estratégica utilizada pelas mais diversas ações de governo neste momento, seja nos sistemas de gerenciamento hospitalar, de telemedicina, ou mesmo para a realização da mais diversas reuniões telepresenciais mantidas pelas autoridades nos últimos dias”, afirmou o presidente da Assespro-PR, Adriano Krzyuy.

Abrir sociedades sem sair de casa

Uma nova plataforma tecnológica tornou totalmente remoto e reduziu de 60 dias para 48 horas o processo de abertura de novas sociedades de advogados no Paraná. A ferramenta está sendo disponibilizada pela Ordem dos Advogados do Paraná (OAB-PR) aos seus associados. A partir da RedeSim, que integra diversos órgãos públicos, todo o processo de abertura de sociedades ficou centralizado, permitindo que os advogados façam desde a solicitação perante a junta comercial e até o pagamentos de taxas, junto à prefeitura e OAB, em até 48 horas.

“Antigamente, para um advogado abrir uma sociedade, levava em torno de 60 dias, por conta de toda a burocratização e não integração de sistemas. Com a plataforma integrada, esse tempo caiu para 48 horas, o que é uma agilidade muito grande”, explica Wellington Cesar Ribeiro, gestor de projetos da ACOM Sistemas, uma das empresas responsáveis pelo desenvolvimento do projeto.  O sistema já está em funcionamento desde o dia 13 de março e os advogados interessados em abrir uma sociedade podem acessar o portal  http://www.empresafacil.pr.gov.br/ e solicitar o pagamento das taxas através da plataforma.