O ex-juiz Sergio Moro vai ser candidato no Paraná. Só não definiu a qual cargo vai concorrer

Dois anos e dois meses depois de deixar de ser ministro da Justiça e quase três meses após sua filiação ao União Brasil, o ex-juiz Sérgio Moro convocou uma entrevista coletiva, nesta terça-feira (14) para anunciar seu futuro político dentro de sua legenda. Mas na verdade não anunciou nada. Moro disse que ainda vai definir para qual cargo vai se candidatar no União Brasil, mas que até lá fará visitas por todo o estado do Paraná para conhecer as necessidades da população paranaense. Sérgio Moro conversou com a imprensa no Espaço David Carneiro, no centro de Curitiba, tendo ao seu lado sua esposa Rosângela Moro; o presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar; o presidente estadual da legenda, deputado federal Felipe Francischini; o deputado federal Junior Bozzella (SP); a senadora Soraya Thronicke (MS); o vice-presidente do União Brasil, Antônio de Rueda e o deputado federal Ney Leprevost.

Contra o PT

Sérgio Moro citou em seu pequeno discurso que, após sua candidatura por São Paulo ter sido negada pela justiça eleitoral por não aceitar o domicílio eleitoral, vai ser candidato no Paraná, mas que ainda não definiu a qual cargo concorrerá. “Não concordo com a decisão do tribunal de São Paulo, mas a acato porque assim as coisas devem ser”, disse ele. Moro diz que também tem forte ligação com São Paulo e que seu primeiro ato como ministro da Justiça foi transferir os líderes da facção criminosa PCC para presídios federais, interrompendo o comando das ações criminosas que eram planejadas dentro dos presídios paulistas. O deputado federal Ney Leprevost, em mais de uma vez durante o tempo em que fez uso da palavra, citou que Moro será candidato ao Senado, corrigindo-se depois ao dizer que poderia ser deputado federal também. “Volto ao meu estado de forma radiante em poder participar de mais um capítulo importante da história do Brasil”, disse Moro. Ele se posicionou claramente contrário à candidatura de Lula e do PT, que seria “um atraso para a vida do país com ideias requentadas de pensamentos dos anos 60 e 70”, mas não criticou a política do atual presidente Jair Bolsonaro de quem foi ministro até abril de 2020, apenas dizendo que acha que o Brasil merece mais do que a polarização entre as duas forças políticas que se apresentam como favoritas a chegar à presidência da República.

Moro disse que a decisão de mudar o domicílio eleitoral para São Paulo foi um pedido da direção do União Brasil e que sua esposa Rosângela manterá o domicílio eleitoral em terras paulistas, podendo concorrer a um cargo nas próximas eleições.

Maior operação

Moro esteve acompanhado pela esposa Rosângela e peal direção nacional e estadual do União Brasil na coletiva de imprensa

Ao falar aos presentes ao encontro desta terça-feira, Moro citou sua participação na Operação Lava-Jato e que enfrenta até hoje muita resistência por ter afrontado grandes empresários brasileiros ao desvendar o esquema de corrupção que estava entranhado na alma da máquina federal, mas que segundo o ex-juiz, “foi institucionalizada de forma mais contundente pelo governo do então presidente Lula”. Ele chamou a Lava-Jato da “maior operação contra a corrupção da história do país” e que para qualquer cargo que se candidate vai manter o combate à corrupção como o ponto principal de sua atuação.

Sérgio Moro declarou apoio à pré-candidatura de Luciano Bivar à presidência da República para “vencer a polarização da política brasileira”, destacou o ex-juiz. O ex-ministro disse que hoje “se perde muito tempo com brigas ideológicas e que o país não vai andar nem para a direita, nem para a esquerda, o que o país precisa é andar para frente”.

No aspecto mais prático, Sérgio Moro diz que a partir do próximo ano o Brasil precisa de uma reconstrução de sua economia, defendendo a política neoliberal, ele acha que só com atitudes inovadoras é que o país ficará forte economicamente outra vez. Moro destacou a proposta do Imposto federal único defendida pelo pré-candidato do União Liberal, Luciano Bivar, como uma forma de reduzir a carga tributária e torná-la mais justa para todos os brasileiros.

Sobre sua passagem rápida pelo Podemos, Moro disse que o assunto já é superado e que saiu de lá e ingressou no União Brasil para “construir a resistência contra os extremos”, disse ele.

A entrevista coletiva de Sérgio Moro reuniu muitos políticos do União Liberal como os deputados federais Ney Leprevost e Felipe Francischini; os deputados estaduais Plauto Miró, Mauro Moraes e Luiz Fernando Guerra, além dos vereadores Serginho do Posto e Mauro Ignácio.

VOLTA A SER ESTADUAL

O deputado federal Ney Leprevost (foto) fez dois anúncios durante sua participação na entrevista coletiva do ex-juiz Sérgio Moro. Primeiro: ele confirma que será presidente do União Brasil de Curitiba e litoral a partir do dia 30 de junho e coordenará as reuniões, em cada município de sua atuação, de Sérgio Moro com lideranças locais. Segundo: ele não disputará a reeleição para a Câmara Federal e voltará a disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa. Segundo Ney, o pedido foi dos eleitores, que o querem mais por perto.

BATALHÃO EM SANTA FELICIDADE

O vereador Mauro Ignácio (União) anunciou avanços na instalação de um batalhão da Polícia Militar (PM) no bairro de Santa Felicidade. Ele contou que, na semana passada, participou de reunião na Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), na qual a pasta assumiu a responsabilidade pelos projetos complementares à obra, após a Casteval ter doado o projeto arquitetônico ao Estado. “É muito importante esse investimento em segurança, que é um clamor constante da população”, ressaltou o parlamentar. Ignácio estima que as obras possam começar nos próximos anos e destacou o empenho de Pedro Vidal, do Conseg São Braz, e da comunidade, na conquista do batalhão da PM. Segundo o parlamentar, é uma obra estimada em R$ 20 milhões, que faz parte de um plano de investimentos da gestão Ratinho Júnior na área.

VIOLÊNCIA NOS ESTÁDIOS

Em plenário, o vereador Sidnei Toaldo (Patriota) lamentou o ocorrido no entorno do estádio Major Antônio Couto Pereira, durante a partida, válida pelo Campeonato Brasileiro, entre Coritiba e Palmeiras, no último fim de semana. “Medidas devem ser tomadas para conter essas brigas generalizadas que vêm ocorrendo, não só em Curitiba, mas em outras cidades. A Câmara Municipal pode intervir em conjunto com o Ministério Público e a Secretaria de Segurança Pública; o país não precisa mais de cenas como essas e Curitiba pode dar o exemplo”, alertou Sidnei Toaldo.

MEDIDAS DRÁSTICAS
“Quero me somar ao Sidnei”, emendou o vereador Alexandre Leprevost (Solidariedade), “pois precisamos nos unir para combater a violência entre as torcidas nos estádios”. Lamentando que “uma minoria de marginais” empurre os jogos a serem organizados no formato de torcida única, o vereador defendeu “medidas drásticas para com esse negócio [de guerra entre torcidas]”. Dizendo “não ter medo de torcida nenhuma”, defendeu que “esporte é lazer, é entretenimento”. “Não podemos admitir isso em Curitiba”, afirmou.

EXPLICAÇÃO POR MULTAS

O vereador Professor Euler (MDB) questionou o Executivo sobre os critérios estabelecidos para aplicação de multas por radares em pontos distintos da cidade. O parlamentar trouxe a plenário mais de dez multas aplicadas a um único cidadão no mesmo radar. ”Temos locais em Curitiba que já aplicaram mais de 13.000 multas, sendo que em muitos desses locais não existe sinalização e em outros ela é feita de forma confusa ao motorista”, disse. Com vídeos, o parlamentar mostrou situações, como duas placas com informações contraditórias na mesma via, para justificar sua fala.

CIDADÃO BENEMÉRITO

O ex-prefeito de Ponta Grossa, Otto Santos da Cunha, é o mais novo Cidadão Benemérito do Paraná. A honraria foi entregue na noite da última segunda-feira (13) em uma sessão solene realizada de forma conjunta entre a Assembleia Legislativa do Paraná e a Câmara Municipal de Ponta Grossa, por solicitação do deputado Plauto Miró Guimarães (União). O título foi aprovado pelos deputados e deu origem à lei 21.032/2022.

EX-PREFEITO

A solenidade foi presidida pelo deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD), primeiro secretário da Assembleia, que destacou as ações realizadas por Otto Cunha à frente da prefeitura de Ponta Grossa, nos anos de 1983 e 1989 enfrentando as adversidades da economia. “Nosso sempre prefeito Otto Cunha é um dos grandes personagens da política paranaense. A história registra que fez uma gestão exemplar na Prefeitura de Ponta Grossa. Trilhou um caminho em direção ao bem comum e a favor do interesse público”, destacou ele.

FALANDO AOS VEREADORES

Com a sessão suspensa, a deputada federal Aline Sleutjes (Pros) esteve no plenário da Câmara Municipal e falou brevemente aos vereadores sobre seu trabalho parlamentar em Brasília e se colocou como pré-candidata do partido ao Senado. “Estou na política há 23 anos, comecei em 1999, quando fui candidata a vereadora. Política é missão, é a chance de fazer a vida das pessoas melhor”, afirmou. Ela enumerou os cargos em que foi pioneira em ocupar, ao ser a primeira deputada federal mulher eleita pela região dos Campos Gerais, a primeira presidente da Comissão de Agricultura da Câmara Federal e depois vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara e no Congresso, quando foi relatora do orçamento da Saúde durante a pandemia.

RESSARCIMENTO

A Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados vai realizar Audiência Pública nesta quarta-feira (15) para que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) dê explicações sobre os valores que serão devolvidos ao consumidor, via tarifa de energia, de tributos pagos a mais pelas distribuidoras. A audiência foi solicitada pelo deputado Filipe Barros (PL-PR), 2º vice-presidente da Comissão de Minas e Energia, e espera-se a presença da diretora-geral substituta da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Camila Bomfim, que foi convidada para falar sobre o tema, apresentando explicações de como este ressarcimento deverá ocorrer.

TRANSPARÊNCIA NAS ESCOLAS

Comissão de Educação, Cultura e Turismo concluiu a análise dos cinco projetos de lei que constavam na pauta do colegiado. Uma dessas propostas, já apta para a inclusão na ordem do dia, é a que pretende instituir a política de transparência nas escolas municipais, uma iniciativa do vereador Denian Couto (Pode). A ideia é divulgar informações como os valores repassados a cada escola da rede municipal de educação; a assiduidade dos professores; e o número de alunos, de servidores, inclusive o de funcionários públicos afastados, e de aulas ministradas. A relatoria positiva ao trâmite foi da vice-presidente do colegiado, Amália Tortato (Novo).

HOMENAGEM A DELEGADO

O deputado estadual Cobra Repórter (PSD), entregou ao delegado Matheus Laiola uma Menção Honrosa da Assembleia Legislativa do Paraná pelo inovador trabalho em prol da causa animal em todo o estado, em especial pelos animais de estimação. O deputado também já entregou a homenagem ao delegado Alysson Tinoco, da Polícia Civil do Paraná (PCPR), que atua na cidade de Colorado, também pela atuação em defesa dos animais. “Sou um defensor da causa animal e tenho procurado criar leis e projetos para esta área. Também acompanho o trabalho realizado pelo delegado Matheus Laiola, que é titular da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente do Paraná, que é um defensor implacável dos nossos animais. Por isso, aprovei na Assembleia Legislativa uma homenagem para ele”, reforçou.

CARREIRA NO DETRAN

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Paraná analisou na sessão desta terça-feira (14) uma série de mensagens do Poder Executivo enviadas para apreciação dos parlamentares paranaenses. Entre as propostas aprovadas está o projeto de lei 249/2022, que trata do subsidio do Quadro Próprio dos Servidores do Detran do Estado do Paraná (QPDE). Os deputados aprovaram o parecer favorável do relator, deputado Marcel Micheletto (PL). A proposição tramita em regime de urgência e será apreciada na sessão plenária antecipada ainda nesta terça-feira.

REORGANIZAR CARGOS

A legislação proposta estabelece a forma de ingresso, estágio probatório, institutos de desenvolvimento na carreira, estrutura de remuneração, prevendo os cargos em comissão e funções de gestão pública. Dessa forma, o projeto de lei pretende reorganizar as carreiras do Detran-PR, alterando a estrutura de remuneração. Com isso, visa solucionar distorções de valores atualmente pagos, criando uma nova modalidade de retribuição pecuniária através de subsidio.

CARREIRAS ATUAIS

Atualmente, a autarquia é composta por três carreiras: Analista de Atividades de Trânsito; Técnico de Atividades de Trânsito e Auxiliar de Atividades de Trânsito (sendo esta última em extinção). De acordo com o governo, os custos decorrentes da presente demanda serão inclusos nas Leis Orçamentárias Anuais e não afetará as metas de resultados fiscais sendo seus efeitos compensados nos períodos seguintes.

DESOCUPAÇÃO

Em tom de denúncia, Carol Dartora (PT) recriminou a ação de reintegração de posse em curso no Campo de Santana, após 400 famílias terem ocupado uma área no bairro, na qual foi criada uma barreira policial que impediu a entrega de alimentos e cobertores às pessoas. “Um membro do MTST [Movimento de Trabalhadores Sem Teto] foi preso por questionar a barreira”, acusou a parlamentar. Carol Dartora disse que a questão está em disputa judicial, com o Ministério Público do Paraná e a Defensoria Pública do Paraná condicionando a reintegração ao cadastramento das famílias e oferta de alternativas habitacionais.

 

COMPARTILHAR
AnteriorTURBULÊNCIA ECONÔMICA
PróximoRejeição