Depois da angustiada tarefa de tentar formar uma equipe ideal, a dúvida mais recorrente é definir o que é ser um bom chefe, se é que ele existe mesmo. 

Por Gilberto Guimarães Depois da angustiada tarefa de tentar formar uma equipe ideal, a dúvida mais recorrente é definir o que é ser um bom chefe, se é que ele existe mesmo.  O que seria o líder adequado para uma equipe de alta performance?  A sabedoria convencional, quando o que parece ser certo, na verdade não é, define que; para os chefes, “ser bom chefe é ser duro, justo e eficaz, e mesmo assim, ser amado”, para os subordinados, “um bom chefe é alguém próximo, amigo e leal, e mesmo assim, eficaz”. Nem tanto ao mar, nem tanto a terra. Se você pretende ser um bom chefe, para boas equipes, lembre-se que toda e qualquer pessoa que vire chefe de alguém deveria se tornar sua principal fonte de inspiração, ser admirado. Isto é apenas um primeiro critério, mas existem algumas reflexões adicionais a serem feitas e tarefas a serem cumpridas:Primeiro; não coloque na equipe mais gente do que necessário, porque bons profissionais gostam quando tem muito trabalho a fazer. Estabeleça padrões e expectativas bem altas, e controle de perto seu atingimento. Nada desmoraliza mais um chefe do que aceitar um trabalho de segunda classe. Reconheça e faça festa quando sua equipe tiver um desempenho excepcional. Faça com que todos saibam como você ficou feliz. Evite a rotina. Crie novos caminhos, novas alternativas, novos desafios. Faça-os sentirem-se desafiados.  Eduque, forme e promova o mais rápido possível. Delegue. Faça-os sentirem-se úteis e importantes. Obrigue-os a pensar e a decidir.Fique rouco de tanto escutá-los. Eles sempre terão bons conselhos, bons palpites e boas idéias. Esteja seguro e convicto que está conseguindo tirar deles tudo que eles podem dar.  Bons profissionais adoram quando se sentem dando o máximo que podem. Faça sempre uma profunda avaliação de si próprio, descubra o que gosta, o que sabe, com quem gosta e com quem sabe. Aprenda a respeitar seus limites. Nada pior que um chefe prepotente por suas inseguranças. Gilberto Guimarães é diretor da multinacional francesa BPI no Brasil, empresa que atua na área de consultoria em RH e reorientação profissional especializada – outplacement – com mais de 200 escritórios pelo mundo. Atua também como professor e consultor da Fundação Getúlio Vargas, da GV Consult e do Ibmec São Paulo. É engenheiro pela Escola Politécnica da USP, com MBA pela FGV e cursos de especialização no IMS – Alemanha. Tem experiência em processos de desenvolvimento e reestruturação, planejamento estratégico e gestão empresarial, tendo sido alto executivo dirigente em empresas de porte como Grupo Saint Globain (Santa Marian, Brasilit) e Grupo Paramount-Lansul, além de ser presidente do Instituto Amigos do Emprego, uma ONG que promove debates e eventos sobre carreira e emprego. Recentemente foi eleito Coordenador Executivo Nacional do PNBE – Pensamento Nacional das Bases Empresariais. http://blog.desabaladacarreira.com.br