O Senado dos Estados Unidos ratificou os protocolos de adesão da Suécia e da Finlândia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). A câmara alta do Congresso norte-americano, em sua maioria controlada pelo Partido dos Democratas, aprovou a proposta com 95 votos a favor e um contra. O senador republicano dos EUA, Josh Hawley, foi o único contrário à entrada das nações nórdicas na Aliança militar, defendendo que a expansão irá implicar em novas obrigações para os Estados Unidos e argumentando também que o país deve se focar na Ásia para combater a crescente ameaça da China.

O processo de ratificação para a entrada de novos membros a OTAN varia de acordo com cada país, sendo que nos Estados Unidos é necessária a aprovação de dois terços do Senado e a posterior assinatura do Presidente. Nos EUA somente o Senado tem poderes para ratificar acordos internacionais. Para o presidente do Comitê dos Negócios Estrangeiros do Senado dos EUA, o democrata Bob Menendez, o apoio dos Estados Unidos envia uma mensagem forte a favor da liberdade e da defesa coletiva. “A situação atual, após o início da invasão russa na Ucrânia mostra mais do que nunca o papel vital que a OTAN desempenha na proteção da paz”, declarou Menendez.

Até o momento, 23 Estados-membros da OTAN já sancionaram a adesão da Suécia e Finlândia, dentre os trinta necessários, segundo a aliança de defesa.

Com sites