O presidente do grupo financeiro Goldman Sachs, John Waldron, reforçou o que já disse recentemente o CEO do J.P. Morgan, fazendo um alerta sobre os tempos difíceis que o mundo vai enfrentar à frente em meio a uma série de choques que abalam toda a economia do mundo. Waldron citou como fatores preponderantes a guerra entre Rússia e Ucrânia, a inflação mundial e até mudanças mais profundas na economia mundial em decorrência dos dois primeiros fatores. Perguntado como via o futuro de sua própria empresa neste panorama sombrio, John Waldron disse que ela tem capacidade de de ainda gerar lucros elevados durante a crise. “Qualquer que seja o ambiente econômico, vamos nos sair bem”, disse ele.

DÓLAR DEIXADO DE LADO

Poderemos estar presenciando a queda do “império americano” como senhor absoluto da economia mundial. A moeda americana já não é a maior reserva de muitos bancos centrais pelo mundo. Com a queda na cotação do preço do dólar no mercado internacional e sua redução na importância do comércio mundial, muitos países reduziram sua quantidade de dólares guardados e estão trocando por moedas de outros países como Canadá, Austrália, China e até Suécia.

PERDA DE IMPORTÂNCIA

Um dos países que vai reduzir bastante sua reserva em dólar é Israel. Isto demonstra quanto os Estados Unidos estão deixando de ser importantes no comércio entre os países. Os americanos podem perder o posto de primeira economia do mundo para a China em 2031, segundo previsões feitas por economistas de todo o mundo. Aqui no Brasil, o dólar vem sendo cotado abaixo dos R$ 5, ficando na casa dos R$ 4,80 nesta semana.

CAI VENDA DE CARROS

A Fenabrave (Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores) divulgou seus dados sobre vendas de veículos para o mês de maio, nesta quinta-feira (2). O emplacamento de veículos comerciais, caminhões e ônibus recuou 0,82% em maio para 187.069 unidades licenciadas na comparação com maio do ano passado. A queda na venda de veículos em 2022 em relação a 2021 chega a 17,01% nos primeiros cinco meses deste ano. “A demanda tem sido atendida, mas o setor automotivo não venceu, completamente, a crise de abastecimento global. Embora os problemas sejam pontuais, é possível que haja espera, a depender do modelo”, afirma José Maurício Andreta Jr, presidente da Fenabrave, em comunicado à imprensa.

CRESCIMENTO DE PRODUTIVIDADE

Um estudo do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) chamado de “Produtividade total dos fatores na agricultura: Brasil e países selecionados” acompanha a produtividade agrícola de 13 países do mundo de 2000 até 2020. O maior crescimento de produtividade é do Brasil, quer ficou no primeiro lugar com um avanço de 3,18%. O valor fica abaixo da média registrada de 1975 a 2020, quando o crescimento fica em 3,79%. Em segundo lugar na lista vem a Índia com crescimento de 2,93%. Estão na lista ainda: China, Chile, Canadá, Estados Unidos, Austrália e Argentina. Nos demais países, o levantamento vai apenas até 2019. O Brasil ainda pode crescer mais, já que vem surgindo um novo ponto forte na produção de grãos, a confluência dos estados Maranhão, Piauí, Bahia e Tocantins, chamado de Matopiba.

EVOLUÇÃO DE PREÇOS

Entre 2000 e 2020, mostra o estudo que foi divulgado nesta quinta-feira pelo Ipea, a taxa média de crescimento do produto na agricultura brasileira atingiu 3,76% ao ano, enquanto o avanço dos insumos foi de 0,56% ao ano. No caso dos insumos, houve incrementos médios de 0,18% em terra e de 1,22% em capital, mas recuo de 0,84% ao ano no fator trabalho.

FALTA DE FISCAIS

Em nota emitida, o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) apontou risco de queda nas exportações de carne de aves e suína partindo do Paraná por falta de auditores fiscais federais agropecuários para suprir a demanda do Estado. Lideranças tanto da suinocultura quanto da avicultura pontuam que o risco existe, e que prejudica desde a ponta produtora até as agroindústrias que precisam de agilidade no processamento para cumprir contratos.

PELO MENOS MAIS 30

“A fiscalização da produção agropecuária do Brasil está em alerta com a carência de auditores fiscais federais agropecuários (affas) no Paraná, maior exportador de aves do país, e segundo em suínos, de acordo com a Delegacia Sindical Estadual do Paraná. A Delegacia Sindical estima que seriam necessários pelo menos mais 30 servidores para atender à demanda no estado, o que poderá comprometer a exportação de carnes de aves e suínos do país”, apontou o Anffa Sindical no comunicado. Segundo o presidente da Associação Paranaense de Suinocultores, Jacir José Dariva, desde o início de maio a operação padrão por parte da categoria foi retomada, o que faz com que os frigoríficos “abatam apenas o necessário”.

CRESCIMENTO DO PIB

O Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 1% no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior. O dado foi divulgado nesta quinta-feira (2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o IBGE, o PIB totalizou R$ 2,2 trilhões, em valores correntes, no primeiro trimestre do ano. Na comparação com o primeiro trimestre de 2021, a economia do país cresceu 1,7%. Os dados também mostram um crescimento de 4,7% no acumulado de 12 meses.

SERVIÇOS EM ALTA

O setor de serviços impulsionou o crescimento do primeiro trimestre deste ano, na comparação com o quarto trimestre de 2021. O setor cresceu 1%. A indústria teve variação de 0,1%. A agropecuária recuou 0,9% no período. Sob a ótica da demanda, a alta do PIB no período foi puxada pelo consumo das famílias, que subiu 0,7%. O consumo do governo variou 0,7%, enquanto que a formação bruta de capital fixo, isto é, os investimentos, caiu 3,5%. No setor externo, as exportações de bens e serviços cresceram 5%, enquanto as importações caíram 4,6%.