Vice-prefeito pede para população colaborar. Resultado será útil para melhorar o serviço municipal de imunização, que já supera a meta do Ministério da Saúde.

A Secretaria Municipal da Saúde começará a coletar no próximo sábado (15), em domicílios previamente sorteados e distribuídos entre os diversos bairros da cidade, informações sobre o universo de crianças entre 18 e 30 meses que estão em dia com o calendário de vacinação de rotina. A atividade faz parte do inquérito de cobertura vacinal que o Ministério da Saúde está iniciando nas capitais brasileiras para verificar a efetividade do programa de imunização. Curitiba está entre as primeiras a deflagrar a pesquisa, que é coordenada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Segundo o vice-prefeito e secretário municipal da Saúde, Luciano Ducci, é muito importante que as famílias recebam as equipes e dêem as informações solicitadas. “Elas estarão contribuindo para conhecermos mais detalhes sobre a realidade sócio-econômica das crianças curitibanas que, na maioria dos casos, são vacinadas na nossa rede de unidades de saúde. Por meio delas poderemos tornar ainda mais eficiente o nosso sistema de imunização e corrigir as distorções isoladas que possam existir”, frisa.Segundo levantamento da Secretaria Municipal da saúde, a cobertura vacinal infantil do esquema básico – obrigatório e oferecido na rede pública de saúde – supera a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde. Enquanto o órgão prevê a imunização de no mínimo 95% da população na faixa etária, o índice de bebês vacinados com a BCG (contra a tuberculose) é de 104%. A vacina tetravalente (contra difteria, tétano, coqueluche e infecções determinadas pelo Haemophilus influenza do tipo B) registra 100% de cobertura. Um pouco abaixo desse resultado, VTV (contra sarampo, rubéola e caxumba), Sabin (contra paralisia infantil ou poliomielite) e hepatite B atingem 99% de cobertura. Os dados referem-se ao resultado da imunização em 2006.Levantamento – As visitas para as entrevistas serão feitas apenas aos sábados e domingos, entre 9h30 e 17h. A escolha dessas datas se deve à maior probabilidade de os entrevistadores encontrarem os moradores em suas residências para prestar informações. O trabalho deve terminar em meados de novembro. Até lá, 22 pesquisadores treinados pela Secretaria Municipal da Saúde e identificados com camiseta, crachá e documento de identificação avaliarão a situação vacinal de 1.050 bebês de famílias pertencentes às diferentes faixas sócio-econômicas. Nessa sexta-feira (14), algumas equipes de entrevistadores sairão a campo para uma experiência piloto.Nas residências fechadas, será deixada uma carta informando o nome e o telefone do supervisor da área para que a família faça contato. “A idéia é que as pessoas percebam a importância do inquérito e nos informem sobre o momento mais adequado para elas nos atenderem. As perguntas não tomarão mais do que 10 minutos e o mais importante é que nenhuma criança fique sem ser avaliada”, diz a diretora do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde e supervisora geral do inquérito vacinal em Curitiba, Karin Luhm.Por uma questão de segurança das famílias sorteadas para participar do inquérito, a lista com os nomes e a identificação de cada entrevistador estará disponível para consulta por meio do serviço de atendimento da Ouvidoria da Saúde (0800 644 041) e pelo 156, da Prefeitura.Questões – Além de perguntar sobre as vacinas recebidas pela criança e o serviço de saúde público ou privado onde elas foram aplicadas, que é o foco da pesquisa, o inquérito recolherá dados sobre a situação familiar dos bebês e dos adultos responsáveis por eles, a residência e os recursos nela existentes.

Assim que terminar a fase das visitas domiciliares, as informações coletadas serão enviadas para a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo – a entidade coordenadora do trabalho e cujo Comitê de Ética aprovou o projeto do inquérito. Lá os dados serão compilados e, a seguir, compartilhados com o Ministério da saúde e a Secretaria da Saúde de Curitiba.