OTIMISMO: Furtos e roubos de celular no Paraná com os dias contados

335

Projeto idealizado por Promotoria de Justiça com o intuito de combater furtos e roubos de celulares já está funcionando em Ponta Grossa

Segurança Pública

Já está em funcionamento no sul do Brasil, região dos Campos Gerais, em Ponta Grossa – Paraná, um projeto idealizado pelo Ministério Público do Paraná, por meio da 6ª Promotoria de Justiça da comarca, para combater furtos e roubos de celulares. Quem quiser participar deve acessar página no site da Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Pública e preencher um cadastro com seus dados pessoais e de seu aparelho.

O projeto é desenvolvido em parceria entre MPPR, Secretaria Municipal de Cidadania e Segurança Pública de Ponta Grossa e polícias Civil e Militar. A intenção é contribuir para redução de até 30% dos casos de furtos, roubos e receptação de celulares.

Cadastro – Ao fazer o cadastramento de seu aparelho, o interessado deverá repassar informações pessoais, como nome, e-mail, telefone, endereço e números de documentos. Também deverá preencher o cadastro com dados de seu celular, como marca, modelo e, principalmente, o número do IMEI, único e exclusivo de cada aparelho.

Em caso de furto ou roubo do aparelho, o proprietário poderá informar que ele se encontra em “situação irregular”. Assim, quem for comprar um celular poderá consultar no site e constatar que ele foi furtado ou roubado, evitando adquiri-lo para não ser processado por receptação. Além disso, o proprietário poderá recuperá-lo, caso tenha registrado boletim de ocorrência na polícia e ele seja apreendido.

Prevenção – A proposta da 6ª Promotoria de Justiça de Ponta Grossa foi inspirada em programa semelhante existente em Pernambuco, onde proporcionou redução de 30% no total de furtos e roubos de telefones móveis.

No ano passado, 1,4 mil furtos e roubos de celulares foram registrados em Ponta Grossa, segundo dados da Secretaria Estadual de Segurança Pública. Neste ano, até o final de maio, foram mais 530 furtos e roubos de aparelhos – total que se refere apenas aos casos comunicados à polícia, já que há situações em que as vítimas não chegam a fazer boletim de ocorrência.
Com informações da Assessoria e mppr.mp.br/