Como, um dia, fatalmente, os poços de petróleo secarão, muitos dos países produtores do ouro negro estão canalizando seus petrodólares para outra atividade bastante rentável: o turismo.


E muitas cidades estão lucrando com isso. Uma delas é Dubai, a maior dos Emirados Árabes Unidos, cuja capital é Abu-Dhabi. Na verdade, Dubai é um dos sete emirados que compõem a federação, tem 1,5 milhão de habitantes e logo terá a mais alta torre do mundo, o edifício Burj Dubai, com mais de 700 metros de altura. Deverá estar concluído em 2009, ao custo de US$ 8 bilhões.

O Burj terá em seus primeiros 37 andares um hotel com a assinatura do famoso estilista Giorgio Armani; 64 pavimentos serão destinados a 700 apartamentos de luxo e muitos outros a escritórios. No entorno, haverá um conjunto com previsão para 30 mil residências, nove hotéis, parques e outros itens, numa área de dois milhões de metros quadrados.

Outras atrações de Dubai serão as três ilhas em forma de palmeiras – uma delas já está pronta -, que conterão hotéis de luxo e zonas residenciais. A pequena aldeia de pescadores e caçadores de pérolas, que se desmembrou em 1830 de Abu Dhabi, virou cidade pelas mãos da família Al-Maktoum e cresceu com seus sucessores, avança para o mar e oferece aos seus moradores e aos milhões de turistas que ali aportam anualmente um cenário capaz de deslumbrar o mais experiente dos viajantes.

Pois Dubai é um dos destinos escolhidos pela operadora Raidho Turismo, de São Paulo, especializada em Europa, Ásia, África e Oriente Médio, para seus pacotes do Reveillon 2007/2008, que são comercializados pelos bons agentes de viagens. São oito dias e seis noites, com saída em 26 de dezembro e preços a partir de US$ 4.208,00 (aéreo e terrestre) por pessoa, em apartamento duplo. Para informações: www.raidho.com.br ou (11) 3383-1200.