O Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento vai concorrer à edição regional do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica.


Ele foi qualificado entre 18 instituições da região e ficou entre as três que serão julgadas no dia 5 de outubro em Porto Alegre. O instituto vencedor vai participar como representante do Sul na etapa nacional, que vai acontecer em Brasília no mês de novembro, para ser eleito o melhor do Brasil.

Essa é a sexta vez que o Lactec participa do prêmio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), órgão ligado ao Ministério de Ciência e Tecnologia. O instituto já foi eleito o melhor do Brasil em 2003 e o melhor da região sul em 2002. A finalidade principal do concurso é incentivar a inovação do setor tecnológico em todo o Brasil.

O diretor-superintendente Aldair Rizzi vê a classificação do Lactec para a etapa regional como o resultado de todo o investimento que vem sendo feito em tecnologia no estado do Paraná. “Nós temos grandes chances de vencer essa etapa. O Lactec tem um acervo tecnológico, baseado em sua capacitação técnica e humana, muito grande. Nós somos concorrentes muito fortes e acredito que podemos representar bem a região na etapa nacional do prêmio”, analisa.

Rizzi lembra que o prêmio é conhecido pelo alto nível das empresas que concorrem. Segundo ele, o fato de ter sido reconhecido para a etapa regional traz uma visão mais apurada sobre o crescimento do setor no Estado. “O Lactec se firma como um instituto de pesquisas muito importante no desenvolvimento tecnológico. O Brasil tem grande interesse sobre o que está sendo feito no Paraná em Ciência e Tecnologia e o Lactec tem papel fundamental na transferência de conhecimento e na produção de inovações que podem solucionar problemas em diversas áreas”, explica.

Aldair Rizzi salienta que as criações e inovações do Lactec em tecnologia credenciaram o instituto a participar do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica. “Alguns projetos se destacam no ponto de vista de inovação, como o medidor pré-pago de gás, a tornozeleira eletrônica para monitoramento de presos e os projetos de energias alternativas, como o de geração de energia através de resíduos eqüinos, todos desenvolvidos pelos nossos técnicos. Nós temos mais de 400 projetos que têm aplicação direta na esfera de produção”.

A capacitação dos técnicos e a estrutura laboratorial também foram decisivas para a classificação do Lactec. Esses pontos são requisitos para o resultado final. “Os laboratórios, sejam de elétrica, mecânica, química, de materiais ou de recursos ambientais são importantíssimos. O Laboratório de Emissões Veiculares é um dos mais modernos da América Latina”, ressalta o diretor-superintendente.

Segundo Rizzi, o Lactec está na frente em uma discussão que vem sendo feita há muitos anos no país para a área de Ciência e Tecnologia: a integração entre universidade, institutos de tecnologia e empresas. “O Lactec é hoje um exemplo bem sucedido de instituto de pesquisa que articula a pesquisa científica, pesquisa tecnológica e produção”, completa.