Amanhã terça-feira, dia 18 de setembro, a partir das 19h30, no Espaço Cultural NovoLouvre, acontece o coquetel de apresentação livro "Poty: murais curitibanos".


Trata-se de um projeto da arte-educadora Daniela Pedroso em parceria com as designers Elysa Barranco e Luciana Dettmer. O livro retrata algumas das principais obras de um dos maiores artistas plásticos paranaenses: Napoleon Potyguara Lazarotto, mais conhecido como Poty. Suas manifestações são reconhecidas pela grandiosidade de seus murais, que marcam presença em toda a cidade: o vitral da biblioteca da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), as portas "corta fogo" do Teatro Guaira, o conjunto de 18 módulos sobre painel de madeira feita para a primeira unidade do Grupo Positivo, o mural circular do Clube Curitibano e "Paraná" – a fachada do Palácio Iguaçu, entre muitas outras. O artista morreu em 1998, aos 74 anos.

O Espaço Cultural NovoLouvre fica na rua Trajano Reis, nº 36, no Largo da Ordem.

 

Poty nos mínimos detalhes

Poty: murais curitibanos é a nova obra sobre o mais importante artista plástico paranaense. O livro reúne fotografia, design e análise crítica de 41 murais do artista.

 

O artista plástico curitibano, Napoleon Potyguara Lazarotto (1924-1998), mais conhecido como Poty, é homenageado no livro Poty: murais curitibanos. A obra, que surgiu da realização de dois projetos simultâneos entre e a arte-educadora e autora do livro, Daniela Pedroso, e as designers e autoras do projeto gráfico, Elysa Barranco e Luciana Dettmer, reúne fotos de 41 murais do artista, espalhados pela cidade, e textos que descrevem exatamente esses trabalhos. "Escolhemos Poty, por ser um artista com várias obras em Curitiba e por não haver nenhuma publicação específica sobre sua arte em murais", conta Elysa.

 

A obra levou, ao todo, 18 anos até chegar a sua versão final. Teve início com o projeto de graduação em Educação Artística / Artes Plásticas pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), de Daniela Pedroso, em 1988, que é a responsável pela concepção do projeto, pesquisa e texto. "Poty fez parte da minha vida desde a infância. Meus pais eram amigos íntimos dele. Tive uma oportunidade única de pesquisar em seu atelier, efetuar várias entrevistas e ter sua aprovação do material (na época da graduação)", enfatiza a autora do livro. O projeto foi aprovado pela Lei de Incentivo Municipal e, por meio do Grupo Metropolitana, Daniela iniciou a realização da pesquisa e o boneco do livro.

 

Para a realização do projeto gráfico, o professor e orientador das designers no projeto de graduação em Desenho Industrial da UFPR, Fernando Bini, indicou o livro da arte-educadora – até então apenas com textos de análise crítica sobre os murais e algumas imagens cedidas pelo Arquivo da Fundação Cultural de Curitiba e por Rodrigo Ferreira Marques. Aconteceu uma identificação entre as visões das autoras. "A partir disso, encontramos o trabalho da Daniela na biblioteca da UFPR e entramos em contato com ela. Utilizamos o texto em nosso projeto gráfico", explica Elysa.

 

De linguagem fácil e acessível, o livro é o único trabalho que contempla toda a obra pública de Poty, com análise crítica e histórica de cada mural, a partir de indicações do próprio artista, e imagens inéditas e diferenciadas. Poty: murais curitibanos foi apoiado pelo Grupo Positivo, que viabilizou a edição pela Editora Positivo e a impressão pela Posigraf. O prefácio é assinado pelo professor Oriovisto Guimarães, diretor-presidente do Grupo Positivo, que possui um dos painéis registrados no livro, produzido especialmente por Poty para o hall de entrada de uma das duas sedes do Curso Positivo – a primeira unidade da corporação paranaense.

 

Segundo Daniela, um depoimento importante, pois Guimarães teve contato com a obra e, especialmente, com Poty, reconhecendo seu real valor. Mil exemplares foram publicados pela editora, que assumiu todos os custos gráficos da publicação e, por isso, ficou com metade da tiragem.

 

Alguns exemplares podem ser encontrados em todas as escolas da Rede Municipal de Ensino de Curitiba, Biblioteca Pública do Paraná, Universidades e Espaços Culturais de Curitiba, já que Daniela, como autora da pesquisa e arte-educadora, fez doação de parte do material.

 

Layout – Segundo Elysa, a idéia era mostrar em close, em detalhe, as obras de Poty e não somente fotografias padrões usadas em outras produções. "Iniciamos o projeto gráfico produzindo retratos de todos os murais que encontramos na cidade", comenta. No total, foram tiradas mais de mil fotos e, dessas, 250 foram selecionadas e utilizadas na publicação. As autoras do projeto gráfico procuraram dar um olhar diferenciado sobre as obras de Poty, apresentando-as em suas proeminências: relevos, texturas, material, brilho, contraste e composição. O resultado pode ser conferido no livro: admiráveis expressões de arte e design, reunidas em uma só obra.