Os Portos do Paraná estão se preparando para entrar numa nova fase em relação à qualidade de seus serviços.

Desde julho deste ano, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) vem formando auditores internos que vão atuar como multiplicadores dos conceitos de qualidade e serão responsáveis pela elaboração dos procedimentos que as normas exigem.

A orientação do superintendente da Appa, Eduardo Requião, é que os processos sejam certificados pela ISO, organização internacional de padronização com sede em Genebra na Suíça e que cuida da normatização em nível mundial. “Quando assumimos a administração dos portos paranaenses, priorizamos a infra-estrutura logística e a gestão dos recursos humanos. Agora, chegou a vez da qualidade e a produtividade, que serão nossos focos, sem abdicar dos outros projetos em curso”, declarou.

Um convênio firmado com o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) resultará em um diagnóstico de alguns processos que a Appa dará prioridade para buscar a certificação ISO em diferentes séries, como a 9.001 (gestão da qualidade), a 14.001 (gestão ambiental), a 18.001 (segurança e saúde) e a 22.001 (segurança alimentar).

Para o diretor administrativo-financeiro da Appa, Daniel Lúcio Oliveira de Souza, a qualidade dos produtos ou serviços não é apenas diferencial competitivo, mas uma exigência dos consumidores ou usuários de qualquer atividade. “Nos portos isto não é diferente. A escolha por um porto depende da qualidade operacional, da infra-estrutura e do gerenciamento de uma instalação portuária. É neste novo contexto que os Portos do Paraná se inserem”, salientou.

No Brasil, as normas ISO são editadas e adaptadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e as empresas certificadoras são reconhecidas pelo Instituto Nacional de Metrologia (Inmetro), “o que dá credibilidade às certificações realizadas dentro destes padrões”, completou Souza.