Centro de Controle Operacional – Muralha Digital. Local onde são monitoradas as imagens das câmeras de vigilância distribuidas pela cidade. Foto: Daniel Castellano/SMCS
Todos os sistemas de videomonitoramento de segurança da cidade interligados em um mesmo local. Esse é o conceito da Muralha Digital, o cerco de segurança implantado pela Prefeitura de Curitiba que tem ajudado a reduzir crimes na capital.

Em um ano e meio de funcionamento, houve redução de até 40% nas ocorrências de crimes em alguns pontos monitorados pelas câmeras da Muralha Digital, instaladas no Centro e nos bairros, em terminais de ônibus, escolas, praças, parques, Ruas da Cidadania e também nos radares de trânsito da cidade.

Um desses locais é a Praça do Redentor (Praça do Gaúcho), no bairro São Francisco. Antes da instalação do equipamento, no primeiro semestre de 2020, foram registradas no local 259 ocorrências. O número caiu após a instalação das câmeras da Muralha Digital, com 167 registros no mesmo período em 2021 e 147 em 2022.

Nos cemitérios municipais, a redução de um ano para o outro foi de cerca de 30%. Em 2020, foram 126 ocorrências, e em 2021, o número caiu para 89 registros.

Esse poderoso banco de dados e tecnologia de ponta estão reunidos no Centro de Controle Operacional (CCO) da Muralha Digital.

“Trouxemos para dentro da Muralha Digital o conceito de que a cidade nunca dorme. É a tecnologia da informação aliada à segurança para que nossas equipes da Prefeitura atendam a população”, afirma o secretário municipal de Administração, Gestão de Pessoal e Tecnologia da Informação (Smap), Alexandre Jarschel de Oliveira. A Smap é responsável pela gestão tecnológica do programa da Prefeitura.

O secretário municipal de Defesa Social e Trânsito, Péricles de Matos, explica que toda essa tecnologia auxilia na tomada de decisão dos gestores públicos municipais. A secretaria é quem monitora as imagens reproduzidas no CCO e coordena as ações executadas a partir delas.

Com SMCS