Plataforma ajuda na busca por animais perdidos em tempo real

481

A plataforma digital Petspot busca ajudar tutores a encontrar animais de estimação perdidos, com o diferencial de notificar em tempo real o usuário cadastrado no caso de um desaparecimento dentro do raio do CEP informado por ele. Outras pessoas, mesmo que não tenham animais, podem se cadastrar na plataforma com o objetivo de ajudar um pet. E além de notificar animais desaparecidos ou encontrados na rua, o usuário ainda pode divulgar ou saber informações sobre adoções e outros serviços no segmento pet.  É possível também baixar o aplicativo da comunidade, disponível na Apple Store e no Google Play. E não é preciso ter um pet para se cadastrar. Basta amar os animais e empatizar com a causa para acessar e ajudar a criar finais felizes.

Remédio versus cão

Um dos momentos de maior tensão para os pais e mães de pets é quando o animal de estimação fica doente e precisa ser medicado. De acordo com as médicas veterinárias Thais Matos e Jade Petronilho, o ideal é que cães sejam acostumados a serem medicados desde jovens e que a opção seja por produtos palatáveis, que tenham sabor agradável e sejam atrativos. O tutor ainda deve usar a hora da comida para dar remédio para o bichinho. Pode misturar o comprimido na ração ou esconder o comprimido em uma comida mais pastosa ou úmida. Se o remédio for líquido, o tutor vai precisar de uma seringa (sem agulha). A técnica é manter a boca fechada do pet com a cabeça inclinada para cima, levantar delicadamente o lábio e  colocar o bico da seringa e inseri-la o máximo possível pela lateral da boca, entre os dentes e a gengiva, injetando lentamente o remédio. Para evitar que ele cuspa o remédio, o tutor pode fechar a boca e soprar levemente o focinho, isso faz com que o pet queira lamber o nariz, fazendo o movimento de engolir a saliva, isso o ajuda a engolir a medicação.

Plantas pet friendly

Uma tendência que tem crescido cada vez mais entre os moradores dos grandes centros urbanos é o de cultivar plantas e flores nos ambientes internos. As chamadas urban jungles ganharam muitos adeptos nos últimos anos, principalmente durante o período de isolamento social, trazendo uma valorização estética e aconchego para o lar. Mas aqueles que gostam de conviver com a natureza em casa e também são tutores de pets sabem que muitas vezes os bichinhos são curiosos e adoram farejar, explorar e comer as plantinhas. A especialista em flores, Ivonete Canoba dá exemplos de plantas que não causam problemas se ingeridas ou inaladas por animai:  Samambaia americana, Peperômias, Maranta Zebrina, Calathea Trialstar.