“OBRIGAÇÃO DE RESGATAR O SENSO DA JUSTIÇA ATRELANDO-O AO DIREITO”

858
Ana Paula Karpinski e Joaquim Alexandro: “a voz que clama e grita por justiça por todos aqueles que não o podem fazer”

Os advogados Joaquim Alexandro e Ana Paula Karpinski (FOTO) conversaram com o jornalista Luiz Augusto Juk  sobre suas atividades e fizeram um comentário especial alusivo a data de 11 de Agosto, Dia do Advogado.  Joaquim formou-se em 2005 pela PUC-PR, e pós graduando em Direito Homoafetivo  e  Ana Paula, formou-se em 2019 pela Unicuritba e é  Pós Graduanda em Direito Penal e Processo Penal.

O escritório deles está localizado na Avenida Cândido de Abreu n.427  Sala 1110 (Centro Cívico)  telefones Fone 41 3085 7079 e 99171 2388  onde    atua nas seguintes áreas: Cível, Administrativo, Empresarial, Criminal, Família e Sucessões  e Consumidor. O foco é oferecer um atendimento profissional e humanizado, buscando sempre atender as demandas do cliente com agilidade na prestação de serviços advocatícios.

Aqui o comentário de autoria  dos advogados   Joaquim Alexandro e Ana Paula Karpinski, referente  ao Dia do Advogado.

“A comemoração do dia do Advogado surgiu no primeiro império do Brasil nos anos de (1922-1831). E nesta época da nossa história Dom Pedro I, já tendo proclamado a independência do Brasil, quis que tivesse as suas próprias leis.

E sendo assim, em 1824 foi redigida a primeira Constituição brasileira. Mas o que seriam as leis que são esses conjuntos de normas sem que houvesse no país quem as executasse?

Então, o Dom Pedro I criou, no dia 11 de agosto de 1827, os dois primeiros cursos de Direito no país (um em Olinda, no Mosteiro de São Bento, e outro em São Paulo).

Superado o histórico, o Advogado é o profissional que a cada dia precisa se reinventar, se reestruturar, tendo como obrigação árdua o estudo rigoroso das leis e as suas mudanças frente ao comportamento da sociedade, afinal a lei é uma força viva.

Aos novos profissionais da advocacia existem desafios imensos, porém também é um caminho de muitas recompensas. O profissional dos novos tempos antes do exercício precisa ser ouvinte e atento, bem como conciliador em busca de resolver os conflitos a ele trazidos da melhor forma, para essa profissão é preciso muito mais que um diploma e inscrição na ordem dos advogados é preciso empatia, amor, respeito e ética.

Somos nós, os Advogados,  a voz que clama e grita por justiça por todos aqueles que não o podem fazer. Somos nós os Advogados aqueles que confortam  e apoiam o cliente naquele momento de dor, somos  nós que damos a segurança e confiança necessária para que o nosso cliente sinta-se em boas mãos.

Então como diria o nosso maior exemplo de todos os tempos, Rui Barbosa, passou-se o tempo da oração dos moços que dizia:

“De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”

É chegada a hora onde nós Advogados temos a obrigação de resgatar o senso da justiça atrelando-o ao Direito, e exaltando os nossos irmãos de profissão que tanto labutam em conjunto com os serventuários dos judiciários.

É chegado um novo momento em que não só o advogado, mas toda sociedade   deve orgulhar-se dos verdadeiros profissionais íntegros e honestos.”

SAUDAÇÃO DE CLEVERSON MARINHO TEIXEIRA  AO “DIA DO ADVOGADO”

Cleverson Marinho Teixeira: “Prática da Lei, do Direito, da Ordem, da Liberdade, da Verdade, da Justiça, para cuja consolidação é fundamental o exercício advocatício”

O advogado Cleverson Marinho Teixeira (OAB-PR nº 2.555), a propósito do Dia do Advogado, comemorado neste de 11 de agosto, fez uma mensagem onde salienta que “a Sociedade reverencia a profissão do advogado, tendo consciência que a vida coletiva exige a prática da Lei, do Direito, da Ordem, da Liberdade, da Verdade, enfim da Justiça, para cuja consolidação é fundamental o exercício advocatício”.

Cita Cleverson Teixeira que “no mundo antigo foi na Grécia e no império Romano que se consolidaram os grandes aprimoramentos da profissão, com a presença dos Conselheiros, Patronos, Defensores, Intercessores e Jurisconsultos.” E acrescenta: “Na Grécia destacamos personalidades que enalteceram essas funções, como: Aristides, Demóstenes, Péricles e Temístocles, dentre outros, que foram considerados grandes advogados. Na Roma antiga os advogados (“advocati”), cuja oratória era a grande qualidade, como Marco Túlio Cícero (grande orador, jurista de 106 a 42 a.c). Na cidade eterna também mulheres se notabilizaram no exercício da advocacia: Amásia e Hortência, dentre outras.” Finalizando, “Cleverson Marinho Teixeira enfatiza: “O exercício da advocacia a princípio somente era retribuído com honra (“honor”). Aos poucos passou a ser remunerado como tributos à honra (“honorarium”)”.

“GUERREIROS DA JUSTIÇA, COM ADAGA NA MÃO”

O escritório Régis Saldanha &  Vieira Advogados  fez a seguinte mensagem alusiva ao Dia do Advogado: “A todos nós! Guerreiros da Justiça, com adaga na mão, cara suada, paletó com botão desbotado de tanto esfregado nos balcões das Varas, Departamentos e demais órgãos de Justiça; passo nervoso, vida corrida, trabalho árduo por noites afora, enfim, verdadeiro sacerdócio em prol de uma só messe: “combater a injustiça, para que seja dado a Roma o que é de Roma e a Deus o que é de Deus”, conforme Ensinamento Maior deixado pelo nosso Grande Mestre há mais de 2.000 anos! (Texto compilado nas palavras do renomado jurista paranaense, professor João Régis Fassbender Teixeira, primeiro brasileiro a representar o país na OIT).

“SER BOM ADVOGADO NÃO É TAREFA FÁCIL”

Gilmar Cardoso: “Que a Justiça esteja sempre em boas mãos”

O advogado Gilmar Cardoso, autor de artigo sobre o Dia do Advogado, comemorado dia 11 de agosto, fez uma homenagem  “motivada pela coragem que o exercício da advocacia exige na busca cotidiana pela legalidade e Justiça, com a prática diária da ética e do compromisso”

Ao citar que  o Dia do Advogado é comemorado anualmente em 11 de agosto, salienta que “esta data homenageia os profissionais responsáveis em representar os cidadãos perante a justiça e recorda a lei de criação dos dois primeiros cursos jurídicos no Brasil, em 1827. A Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo; e a Faculdade de Direito de Olinda, em Pernambuco, foram criadas por D. Pedro I. Hoje, a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco faz parte da Universidade de São Paulo (USP).  A Faculdade de Direito de Olinda, por sua vez, integra a Universidade Federal do Pernambuco (UFPE).”

Para Gilmar Cardoso, “Ser bom advogado não é tarefa fácil. É preciso se dedicar com afinco ao estudo das leis, dos deveres e dos direitos dos cidadãos. Mas isso não é tudo. É preciso mais para ser um bom advogado. É preciso ouvir. Ter empatia aos problemas do outro, sempre. É preciso insistir. Não esmorecer às negativas. Não se conformar com o estado das coisas. É preciso ser honesto, confiável, ético. É preciso ser justo para buscar justiça.Viva a advocacia, importante instrumento de efetivação de direitos!”

Mais adiante, em se artigo, Gilmar Cardoso deseja  aos colegas advogados “sucesso na empreitada iniciada e na que ainda está por vir, pois o desafio é grande, mas temos em nossas mãos e mente o leme que pode conduzir o barco social nessa tempestade. Ao final, será gratificante fazer assim como Eduardo Couture sugeriu em seu decálogo quando asseverou: “Ama a Tua Profissão – Trata de conceber a advocacia de tal maneira que no dia em que teu filho te pedir conselhos sobre seu destino ou futuro, consideres um honra para ti propor-lhe que se faça advogado”.

-Que a Justiça esteja sempre em boas mãos!”, finaliza o artigo.

Além de advogado Gilmar Cardoso é consultor parlamentar, poeta, membro do Centro do Letras do Paraná e da Academia Mourãoense de Letras.