OAB-PR condena manifestações com violência

324
Presidente da OAB Paraná, Cássio Telles

A OAB Paraná repudia os atos de violência e vandalismo realizados durante manifestação em Curitiba na segunda-feira (1º de junho). Para o presidente da OAB Paraná, Cássio Telles, é fundamental que os próprios manifestantes zelem por seu direito de expressão e procurem conduzir esses atos de maneira pacífica. “Os direitos de manifestação, de reunião e de expressão de ideias são assegurados pela Constituição, como um dos pilares da democracia. É a expressão do direito de voz popular. Isso precisa ser preservado e zelado por todos, especialmente por aqueles que exercem essas garantias constitucionais”, afirmou Telles.

Justiça do Trabalho reduz a zero o número de sentenças em atraso

A Justiça do Trabalho no Paraná reduziu a zero o número de sentenças de primeiro grau em atraso, segundo dados do E-Gestão de 27 de maio. Para a corregedora regional do TRT-PR, desembargadora Nair Maria Lunardelli Ramos, a marca não seria alcançada sem o empenho da magistratura de primeiro grau, que apoiou o sistema colaborativo de produção de sentenças implantado pela Corregedoria nos meses de abril e maio. Legenda – Corregedora regional do TRT-PR, desembargadora Nair Maria Lunardelli Ramos

 

Paraná está em primeiro lugar no número de adoções

No último levantamento realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Paraná está em primeiro lugar no número de adoções no país. Os dados mostram que, de maio de 2015 a maio de 2020, foram realizadas 1904 adoções no Estado. Além do Paraná, os Estados com o maior número de adoções foram São Paulo (1724), Rio Grande do Sul (1579) e Minas Gerais (704).

CNJ estabelece condições para retomada dos serviços presenciais do Judiciário

Presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, assinou a Resolução CNJ nº 322/2020, que estabelece as condições para a retomada dos serviços presenciais nos órgãos do Poder Judiciário no contexto da pandemia pelo novo coronavírus. O ato normativo determina que o retorno terá que ocorrer de forma gradual e observadas as medidas mínimas necessárias para a prevenção de contágio pela Covid-19. O restabelecimento das atividades nos órgãos do Judiciário terá início por etapa preliminar e poderá ocorrer a partir do dia 15 deste mês.