Números que impactaram os salões de beleza com a pandemia

427

José Augusto dos Santos, presidente da ABSB: “pesquisa mostra que muitos salões   não conseguiram acesso à segunda linha de crédito ofertada pelo Governo Federal”

Com a desaceleração da pandemia, o comércio segue em recuperação. Segundo o IBGE, mesmo com a inflação e o desemprego elevados, o setor, em julho, teve alta de 1,2% em relação a junho e chegou a um patamar recorde, acumulando alta de 6,6%. Porém, são grandes os desafios e o setor de beleza vem buscando maneiras de driblar a crise.

Segundo  pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Salões de Beleza(ABSB), feita entre os dias 1 a 17 de agosto com 100 salões de beleza em todo o país, 44% dos salões pediram empréstimo para manter suas atividades. Portanto, 81% dos entrevistados ainda não conseguiram acesso à segunda linha de crédito ofertada pelo Governo Federal, o Pronampe.

De acordo com  José Augusto dos Santos, presidente da ABSB, a maior circulação de pessoas nas ruas e o avanço da vacinação são condições fundamentais para a recuperação dos negócios.

“Em nosso estudo, 59% dos pesquisados estão com 100% da equipe vacinada com a primeira dose da vacina, enquanto 25% estão com 90% da equipe vacinada. Isso é fundamental para os salões voltarem a funcionar e, assim, arcarem com suas despesas e prejuízos referentes ao período”, afirma.

Mesmo com o movimento positivo, o setor ainda não conseguiu recuperar as perdas do último ano: 37% dos pesquisados não cresceram nada se comparado com junho de 2021, enquanto 20% cresceram apenas 5% no mesmo período. Porém, o aumento da segurança com a vacinação vem contribuindo para uma leve melhora. Prova disso, por exemplo, foi a diminuição de 4% do número de empresários com os aluguéis atrasados em relação à última pesquisa realizada pela entidade, em julho de 2021: 32% da última pesquisa x 28% diminuíram as dívidas em relação ao período de isolamento.

L’Oréal é escolhida como marca parceira

A L’Oréal  foi a pioneira em auxiliar os salões de beleza no início da pandemia em todo o Brasil

A pesquisa também reúne informações sobre a opinião dos empresários do setor em relação às marcas fornecedoras: 36% escolheram a L’Oréal como a melhor marca de pó descolorante e 42% como a marca mais parceira dos salões de beleza. Inclusive, a L’Oréal Produtos Profissionais foi a pioneira em auxiliar os salões de beleza no início da pandemia em todo o Brasil.

Através de uma ação que faz parte da iniciativa Beleza Amiga, o plano foi criado logo no começo da pandemia para minimizar os impactos econômicos e reforçar a higiene e a segurança nos estabelecimentos de beleza.Para isso, algumas medidas foram tomadas, como:  congelamento do pagamento de todos os salões de beleza independentes e cabeleireiros desde o dia 26 de março de 2020; treinamento online para cabeleireiros através da L’Oréal Access, a maior plataforma de educação à distância para profissionais que, desde o início do confinamento, teve um aumento de 42 mil para 122 mil usuários; Movimento Beleza Amiga, formado pela L’Oréal Produtos Profissionais, Trinks e Stone, que se uniram para criar a plataforma de apoio Beleza Amiga #Juntospelosalão para impulsionar a compra de vouchers de R$ 50 que serão abatidos do valor final de serviços prestados por salões de beleza cadastrados para a sua reabertura.

Fundo Imobiliário Biotic inicia captação

Vitor Bidetti, CEO da Integral Brei: “captação dos recursos com  grandes fundos de pensão, fundos soberanos e grandes family offices”.

Já teve início o período de cação de recursos do mega Fundo Imobiiário com credenciais ESG para desenvolvimento do novo Distrito de Inovação e Tecnologia em Brasília – FII Biotic. A primeira fase tem captação prevista de R$ 1,1 bilhão, de um total estimado em R$ 6 bilhões. No evento de foi dado início na etapa de leitura de mercado e início de roadshow.

A gestora Integral Brei venceu a concorrência para estruturar o fundo e fazer sua gestão. Segundo Vitor Bidetti, CEO da Integral Brei, o planejamento prevê a captação dos recursos com investidores profissionais, como grandes fundos de pensão, fundos soberanos e grandes family offices. Quando os empreendimentos começarem a performar, gerando renda, será aberta a captação para pessoas físicas.

Centro de inovação para varejistas

O espaço colaborativo Hipe tem  2 mil m² para 300 posições de trabalho

O varejo brasileiro ganha  o Hipe, um centro de inovação para os varejistas que desejam melhorar seu posicionamento no mercado e potencializar o seu negócio de forma inovadora. Durante uma live de lançamento, ocorrida nesta quinta-feira (30)  também foram  apresentadas as iniciativas Space, com o Ambiente Físico, e Incubadora com o programa de pré-incubação. Também será apresentado o Instituto Hipe Lab, que iniciará suas atividades com o Laboratório Virtual de Autosserviço para o desenvolvimento de pesquisas e novas tecnologias.

Em um espaço colaborativo de 2 mil m² para 300 posições de trabalho, o Hipe está localizado em Curitiba, no bairro Rebouças – coração do Vale do Pinhão – e tem como sponsors a RP Info, especialista em sistemas para gestão e automação para o varejo, e a Siga Cred, administradora de serviços financeiros.

Segundo a CEO do HIPE, Mariane Pocai, com os consumidores cada vez mais ambientados com a tecnologia, é essencial que o varejo se adapte e passe a oferecer uma experiência de compras mais tecnológica, moderna e atenta aos interesses e necessidades do cliente.

“Em um espaço em 3D, tanto os varejistas quanto o público vão poder fazer uma jornada de conhecimento em que poderão identificar quais são os parceiros do Hipe Lab e quais tecnologias eles estão desenvolvendo para melhorar os processos do varejo”, explicou COO do HIPE, Ricardo Pontes. Acesse o site www.hipe.cc e preencha o cadastro com informações sobre a sua empresa ou startup e aguarde a análise e retorno do time Hipe.