Novo pacote

296

O governador Ratinho Jr prepara um novo pacote de estímulo à economia que deve ser anunciado entre julho e agosto. A informação foi antecipada pelo chefe da Casa Civil, Guto Silva. O pacote deve incluir medidas de apoio a empresários, à manutenção de investimentos privados no Estado e de incentivo às compras de pequenos comerciantes pela população.

“Estamos finalizando este pacote com ações para fazer a economia circular. Nosso grande desafio é sair da crise com rapidez”, explicou. Segundo ele, o governo está fazendo um trabalho muito forte junto aos empresários para que os investimentos que estavam previstos possam ser mantidos.

“O que estamos desenhando agora são ações de continuidade de atração de investimentos, com menos burocracia, mais segurança jurídica para que os investidores continuem colocando recursos no Paraná, e de financiamento ao setor produtivo, facilitando o acesso ao crédito para os pequenos negócios”, disse.

Comércio e serviços

Uma grande preocupação do governo são os setores de comércio e serviços, que empregam muitas pessoas e foram bastante afetados pela crise do novo coronavírus. Por isso, as novas medidas a serem anunciadas deverão conter incentivos para que a população compre do pequeno comerciante e que a escolha recaia em produtos paranaenses. “Olhamos para toda essa cadeia de desenvolvimento para formular o novo pacote de estímulo à economia. E a determinação do governador Ratinho Junior é simplificar, desburocratizar os financiamentos para alcançar o microempresário”, reforçou.

Fila

Nos últimos dois meses, a prioridade dada a pacientes infectados pela Covid-19 fez com que entidades de saúde reduzissem em 70% a realização de cirurgias eletivas (câncer, coração e outras). Na rede pública do país, 100 mil intervenções deixaram de ser feitas. Na rede privada, a redução foi da ordem de 50%, especialmente através de planos de saúde.

Desempregadas

Atriz, cantora e veterana travesti Jane di Castro acaba de fazer uma live solidária às colegas trans que estão desempregadas e precisando de cestas básicas. Os shows foram cancelados e a live teve o nome de “LGBTIX Corona – A nossa bandeira nos une”. Jane se exibiu a convite do grupo Arco-íris. Jane, apesar da idade, tem emprego: é zelador de um prédio em Copacabana.

Cabotagem

Os ministros da Economia e da Infraestrutura estão dando os últimos retoque no BR do Mar, programa de estímulo à cabotagem. O mais provável é que a proposta seja levada ao Congresso sob a forma de Medida Provisória e não projeto de lei. A MP deverá permitir às companhias de navegação o uso de embarcações produzidas no exterior, mediante o compromisso de encomendar barcos em estaleiros nacionais na relação de um para um.

Velho PT

Lula surpreendeu até mesmo os aliados ao recusar a assinar manifesto em favor da democracia lançado no fim de semana passado. Lembrou o velho PT que, em 1985, proibiu seus deputados de votarem em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral que pôs fim à ditadura e em 1988, voltou contra a Constituição recém-aprovada.

Lá e cá

O ex-presidente Jimmy Carter, 95 anos, conclamou americanos poderosos a sair nas ruas para combater o racismo. “O silêncio pode ser tão mortal quando a violência’. As manifestações, nos últimos 14 dias, que seguem até hoje pelo menos, quando George Floyd for sepultado representam enorme grito contra a violência. No Brasil, tão pacífico, 59 negos são assassinados a cada dia.

Olho no melão

Seis meses depois que o governo chinês autorizou a compra do melão brasileiro, como resultado de demoradas negociações bilaterais, as exportações não decolaram. Primeiro, teve a pandemia lá, depois a pandemia aqui. Trata-se de motivo de preocupação para os governos do Ceará e Rio Grande do Norte, onde o cultivo do melão tem forte peso na agricultura familiar.

Raio-X

O número de computadores, notebooks, tablets e smartphone em uso no Brasil chegou a 424 milhões ou dois dispositivos por habitantes, segundo pesquisa da FGV. A base ativa é composta principalmente por smartphones que representam 56% do total. O crescimento em relação ao ano passado não foi muito grande. Eram 420 milhões de dispositivos.

“Peneira”

Bolsonaro criou por decreto o Sinc – Sistema Integrado de Nomeações e Consultas, uma espécie de “peneira eletrônica” que possibilita o controle e análise de candidatos a cargos em comissão e funções de confiança. Alexandre Cabral que ficou um dia no Banco do Nordeste escapou do Sinc graças a uma manobra do padrinho Fernando Bezerra.

Novo imposto

A política de desoneração da folha começou a ser adotada em 2011 com a substituição da cobrança de uma alíquota de 20% de contribuição previdenciária sobre a folha de salários por um percentual de faturamento. Desde então, a União abriu mão de mais de R$ 100 bilhões em arrecadações e reduziu os setores beneficiados. Paulo Guedes, da Economia, quer criar novo imposto para compensar a perda de receita com a desoneração da folha. Seria uma nova versão da antiga CPMF. Detalhe: Bolsonaro é contra, mas começa a amolecer. Quem viver, verá.

Mais lucrativo

O setor elétrico é, desde 2008, um dos mais lucrativos e o que mais pagam dividendos no Brasil, segundo a Consultoria Econométrica. Nesse período, distribuiu um montante acumulado de R$ 145 bilhões em dividendos e juros sobre o capital próprio. Em 2018, só perdeu para os bancos e em 2019 ficou em terceiro lugar.

Apoio

Abraham Weintraub está sendo rejeitado pelo Centrão. E não mais pela amarração de cargos, que ele já entregou. É porque essa turma do “É dando que se recebe” acha que a companhia do maluco atrapalha os negócios. Além dos seguidores que fazem qualquer coisa, como carregar o ministro nos ombros, ele só tem o apoio dos filhos de Bolsonaro e de outro aloprado, o terraplanista Olavo de Carvalho.

Garcia 2022

Enquanto João Doria faz confronto diário com Jair Bolsonaro, o chefe da Casa Civil, Rodrigo Garcia faz articulação política cotidiana e discreta, nos bastidores. Ele também é responsável pelo plano de reabertura gradual das atividades econômicas do Estado. E para 2022, ele já tem um projeto para o DEM e PSDB unidos: um tucano do centro como protagonista e outro do DEM para sucessão governamental (leia-se: João Doria e  Rodrigo Garcia, respectivamente).

O guru no sufoco

Luciano Hang, sétimo maior bilionário brasileiro, dono de uma fortuna de R$ 2,2 bilhões está fazendo uma crowfunding para arrecadar dinheiro para o ex-astrólogo Olavo de Carvalho, guru da família Bolsonaro, que teve a receita de seus cursos bloqueadas pela justiça. Ele foi condenado a pagar R$ 2,8 milhões a Caetano Veloso, que venceu um processo contra ele e Olavo não removeu de suas redes “mensagens que relacionam o cantor à pedofilia”, ou seja, descumpriu decisão judicial. Olavo pediu ajuda aos Bolsonaro e não houve resposta satisfatória. Até por receio das ligações levantadas pelo inquérito das fake news.

Sem saída

Os primeiros dias do crownfunding não tiveram grande resultado. Nesses dias, Olavo de Carvalho mandou Bolsonaro enfiar a medalha que tinha concedido a ele naquele lugar, tem (ou tinha) prestígio no governo e não só entre o pessoal de sua seita, como Ernesto Araújo e Abraham Weintraub. Em março de 2019, em Washington, o ministro Paulo Guedes classificou o filósofo como “líder da revolução liberal no Brasil”.

Luta pelo poder

O grupo de psiquiatras da Universidade Federal de São Paulo que estuda Bolsonaro por seu comportamento acha que sua psicopatia obedece a uma lógica peculiar de luta pelo poder. Ele nega números porque não admite seu desgoverno na pandemia. A ruína é visível na Saúde. O presidente teme a conta política dos mortos. Os 37 mil já superam a população somada de quatro cidades paulistas onde viveu (Glicério, Ribeira, Sete Barras e Eldorado), antes de ser premiado com inscrição na Aman, em Resende (RJ).

Novo tiro

O deputado Eduardo Bolsonaro é o novo embaixador da Sig Sauer no Brasil. O 03 estaria atuando para viabilizar o desembarque da indústria de armamentos de origem suíça no país. A porta de entrada seria uma joint venture com a Imbel, acompanhada por incentivos fiscais para instalação de uma fábrica. A parceira pode até fazer sentido para a estatal brasileira, vinculada ao Exército. As duas tem problemas financeiros. A Imbel, e  2019, mostrou que depende de recursos do Orçamento federal para fecha suas contas. No ano passado, a União desembolsou R$ 152,2 milhões para cobrir custos da estatal.

Frases

“Deu-se! Ufa!”

Regina Duarte após exoneração.