Negócios imobiliários no Paraná ficam abaixo da média nacional

322

“Mas Paraná sinaliza um bom momento para o mercado imobiliário no próximo período com o mercado secundário”

O primeiro semestre de 2021 aqueceu o mercado imobiliário no Paraná, mas essa evolução foi inferior à média do restante do país. De acordo com o PMI (Painel do Mercado Imobiliário), levantamento realizado pela plataforma Kenlo, o estado registrou alta de 74,3% em negócios fechados nos seis primeiros meses do ano, mas a média nacional subiu 110%.

Considerando apenas o Paraná, foram 3.639 negócios fechados no primeiro semestre de 2021 ante 2.088 em igual período do ano anterior. No país todo, a alta foi de 15.434 para 32.477. O levantamento abarca 8 mil imobiliárias e 50 mil corretoras que compõem a base da Kenlo.

“O Paraná sinaliza um bom momento para o mercado imobiliário no próximo período, pois demonstra o grande interesse no mercado secundário, já que estes eventos tem maior probabilidade de conversão dos negócios”, avalia Denise Ghiu, especialista de mercado da área de inteligência do Kenlo.

O Painel do Mercado Imobiliário (PMI), criado pela Kenlo, é uma iniciativa pioneira no Brasil e que proporciona o acompanhamento do mercado de imóveis usados com base em dados obtidos em tempo real, a partir de um ecossistema que contempla todas as regiões do país e que atende a mais de um milhão de proprietários de imóveis.

A Kenlo é uma plataforma que oferece serviços e produtos com a proposta de integrar experiência digital, inteligência de dados e soluções de crédito e seguros para as imobiliárias locais, gerando novas oportunidades e fontes de renda para esse mercado.

Radiestesia Financeira segundo Juliana Villordo

Juliana Villordo: “a falta de dinheiro é um problema relacionado à crenças e energias”

A falta de dinheiro é um problema que atinge milhares de pessoas por todo o mundo. Por isso, entender os motivos que levaram ao desfalque econômico é essencial para poder mudar a realidade financeira de uma pessoa.

De acordo com terapeuta especializada em radiestesia financeira, Juliana Villordo, “a falta de dinheiro é um problema relacionado à crenças e energias. Assim, esse problema não está relacionado à quantidade de ganhos que uma pessoa tem, mas à capacidade de manter e de gerar frutos com os bens que já conquistou. ”

A “Radiestesia Financeira” é uma técnica que tem a capacidade de aumentar a prosperidade financeira de qualquer pessoa. Isso porque, ao reconhecer os porquês dos problemas financeiros, torna-se mais fácil visualizar uma solução. “Do mesmo modo que é necessário estar na frequência correta para poder ouvir uma rádio, sintonizar a sua energia e a do dinheiro é essencial para manter uma vida próspera financeiramente”, enfatiza Juliana. Saiba mais em https://essencialleoleosearomas.com.br/

Vidia busca formar cultura inclusiva

Empreendedores  Thiago Bonini e Eduardo Cerqueira: “contribuir para a evolução de uma sociedade mais justa.”

A diversidade no mundo corporativo vem sendo foco de um número cada vez maior de empresas, e com as startups não poderia ser diferente A Vidia vem dando os primeiros passos para formar uma cultura inclusiva, contribuindo para a quebra de barreiras e estereótipos que prejudicam a evolução do mercado de trabalho e inibem a inovação, ingrediente fundamental para uma startup ou qualquer empresa prosperar.

A Vidia é uma plataforma digital que conecta hospitais particulares com pacientes que necessitam de cirurgias eletivas, mas não possuem um plano de saúde. Seu propósito é dar acesso à saúde de qualidade de forma simples, rápida e sem burocracia. A plataforma é a primeira do País e contribui para a sustentabilidade do sistema de saúde.

Fundada por dois empreendedores do setor de tecnologia, Thiago Bonini e Eduardo Cerqueira, em 2020 a Vidia foi acelerada pela Eretz.Bio, do Hospital Albert Einstein, e foi a mais jovem entre as 12 participantes do programa Scale-Up Endeavor Healthtech. Mais informações no site: https://www.souvidia.com

O objetivo da healthtech é criar uma cultura diversa e inclusiva independentemente de gênero, raça ou orientação sexual, permitindo que cada um seja protagonista da sua jornada profissional.