NBA volta com clássico

262

O principal campeonato de basquete masculino do mundo está de volta a partir desta quinta-feira (30). O duelo entre Utah Jazz e New Orleans Pelicans, às 19h30 (de Brasília), marca o reinício da NBA após mais de quatro meses. Na sequência, às 22h30 (de Brasília), será a vez do clássico de Los Angeles, entre Lakers e Clippers, com transmissão da Band. A competição estava suspensa desde 11 de março, quando o pivô Rudy Gobert, do Jazz, foi o primeiro caso positivo do novo coronavírus (covid-19) na liga.

A pandemia é a razão pela qual o torneio volta de maneira inusitada. A começar pela bolha, nas palavras da própria NBA, que foi criada no Walt Disney World Resort, próximo à cidade de Orlando, na Flórida, para viabilizar o término da competição. Trata-se de um ambiente totalmente controlado, onde todas as equipes (jogadores, comissão técnica e dirigentes) estão concentradas desde o último dia 7 de julho, com realização constante de testes da covid-19, e o estabelecimento de protocolos sanitários rígidos para minimizar as chances de contágio. Segundo a liga, nenhum dos 344 atletas testou positivo para o vírus nos exames divulgados na última quarta-feira (29), os últimos antes da reestreia.

É nesse ambiente, também, que os times vêm se preparando, realizando jogos-treino e, desta quinta em diante, voltarão a brigar pelo título da temporada 2019/2020. Serão utilizados três arenas do ESPN Wide World of Sports, parte do complexo da Disney: Visa Athletic Center (uma quadra de treino e uma de jogo), The Arena (duas quadras de treino e uma de jogo) e Field House (uma quadra de jogo). A bolha tem ainda sete ginásios para treinamentos, com diferentes dimensões. Segundo a própria ESPN, a estimativa é que a bolha custe US$ 150 milhões (R$ 772 milhões) à NBA.

Formato adaptado
O formato de disputa foi aprovado pelo Conselho de Administração da NBA em junho, com 22 das 30 equipes que iniciaram a competição. Seguem na briga os 16 times que figuravam na zona de classificação para os playoffs (mata-mata), sendo oito por conferência (leste e oeste), e seis equipes que ainda tinham chance de avançar de fase. Entre as franquias que já estavam fora do páreo antes da paralisação e sequer viajaram para a bolha, estão Golden State Warriors e Cleveland Cavaliers, que levaram quatro dos últimos cinco títulos.

Com AG Brasil