Na primeira vez que o Museu da Solidariedade Salvador Allende, de Santiago do Chile, expõe fora de seu país, Curitiba recebe 130 das duas mil obras que compõem o acervo, depois de passar por São Paulo com grande receptividade do público.

A mostra Estéticas, sonhos e utopias dos artistas do mundo pela liberdade fica à disposição do público a partir de hoje, dia 31, até 25 de novembro, no Museu Oscar Niemeyer.

"O objetivo da exposição é apresentar uma coleção de arte que se formou de maneira singular e também mostrar a produção de vanguarda dos anos 60 de Europa, EUA e Brasil", diz o curador Emanoel Araújo, diretor do Museu Afro Brasil, que desde 2004 está envolvido com a reformulação do Museu da Solidariedade em Santiago.

A mostra tem nomes fundamentais da arte moderna, como Picasso, Miró, Frank Stella, pintor, gravurista e escultor americano e Alexander Calder, famoso por seus móbiles. A Espanha está representada também por Lucio Muñoz e pelos integrantes da Equipo Crônica, Juan Antonio Toledo, Rafael Solbes e Manolo Valdés. Da Catalunha há trabalhos de Joan Miró e de José Balmes, nascido em Barcelona, mas naturalizado chileno. Amigo de Allende e um dos primeiros artistas a doar um quadro para o Museu da Solidariedade, Balmes fundou com os novos compatriotas Gracia Barrios, Alberto Pérez e Eduardo Martínez Bonati o Grupo Signo.

Ainda integram a exposição representantes da Finlândia (Jorma Hautala), França (Pierre Soulange), Inglaterra (William Hayter), Cuba (René Portacarrero), Uruguai (Joaquín Torres-García), Venezuela (Carlos Cruz-Díez) e da Argentina (Julio Le Parc). Além do pintor e escultor húngaro de origem francesa Victor Vasarély, e os brasileiros Lygia Clark, Sergio Camargo, Antonio Henrique Amaral e Franz Krajcberg.

Confira: o MON fica na Marechal Hermes, 999, fone 3350-4400. Abre de terça a domingo, das 10h às 18h. Ingressos a 4 e 2 reais.