Mulheres deixam  mercado de trabalho e  empreender é a solução

597
Daniela Graicar é  fundadora do Movimento Aladas.

Passados já os primeiros quatro meses da pandemia, brasileiros estão finalmente colocando tudo na balança e tentando se recuperar da “tempestade”.  De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), a crise causada pela Covid-19 vem empurrando boa parte da força de trabalho feminina para casa. Mais mulheres perderam o emprego neste cenário – o número é 25% maior em relação aos homens.

Para além das demissões, as mulheres enfrentam mais dificuldades para procurarem vagas e se manterem no mercado de trabalho. Pesquisadores indicam que essa é a primeira vez nos últimos três anos em que a maioria das mulheres fica fora da força de trabalho. O Movimento Aladas, criado por Daniela Graicar nasceu antes da pandemia, mas se mostra ainda mais essencial no cenário atual.

Tudo começou com uma promessa pessoal: “Quando eu completar 20 anos de empreendedorismo, faço questão de ajudar outras mulheres a fazerem o mesmo”, conta a empresária Daniela Graicar, fundadora do Movimento Aladas.

Aladas é uma plataforma digital que oferece cursos gratuitos, conteúdo e muitos vídeos-depoimento de mulheres inspiradoras. “Aladas nasce para unir, encorajar, apoiar e capacitar mulheres que querem abrir seus negócios ou melhorar sua capacidade de gestão”, conta Daniela.

O Movimento lançado em maio traz cursos gratuitos de hard skills (teoria e ferramentas práticas para quem quer empreender) como “Sua mente é empreendedora?”, “Saiba a diferença entre startups e empresas tradicionais”,  “Como validar sua ideia de negócio”, “Monte um time vencedor” e também cursos de aprimoramento de soft skills voltados a desenvolver comportamentos e habilidades, entre os quais estão: “Autoconhecimento é a base de tudo”, “Seja definitivamente produtiva”, “Networking de Valor”, “Comunicação eficaz”.  Os cursos têm duração de cerca de 30 minutos. E em breve as fundadoras darão início às mentorias individuais, tão importantes para que as novas empreendedoras tenham segurança e encorajamento nos caminhos a seguir.

Daniela Graicar é jornalista de formação (PUC/SP) e empreendedora por vocação. Aos 19 anos abriu sua primeira agência de Relações Públicas, seguida de outras cinco, nas áreas de Conteúdo, Eventos, Endomarketing, Mobile Education e Social Media. Lidera, hoje, um time de 70 profissionais da agência PROS e da startup digital Zeit.

Ao lado de Daniela, estão outras executivas com vasta experiência no universo feminino e no mundo do empreendedorismo. O Movimento Aladas já nasce com o patrocínio da Dell Technologies e da 99. Também conta com o apoio do Cubo, IAB Digital e da agência PROS.

Live com Ester Sabino

Lourdes Manzanares conselheira da AHK Paraná
Imunologista Ester Sabino

A imunologista brasileira, responsável por liderar a equipe de pesquisadores que realizou o sequenciamento do genoma do novo coronavírus, Ester Sabino, vai conversar com a conselheira da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha e diretora da indústria de papeis decorativos Interprint do Brasil, Lourdes Manzanares. O bate-papo será realizado no dia 25 de agosto, às 11 horas, no Instagram da AHK Paraná.

Lourdes, que está no Conselho da AHK desde 2014 e há 23 anos atua em empresas alemãs, é a anfitriã desse evento. Ester é médica e professora associada do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Universidade de São Paulo (USP).

Hoje, o Brasil possui 9,3 milhões de mulheres no comando de empresas, segundo informações do Sebrae. O empreendedorismo não só reconfigura a posição da mulher na sociedade como também traz diversidade para os negócios e para as ciências. Participe dessa troca de ideias e experiências, siga o perfil da Câmara no Instagram para acompanhar a live “O espaço da líder mulher em um ambiente de transformação”.

Guia de sobrevivência na internet

Mikie Magnere, especialista em redes sociais

“Devido a pandemia do novo coronavírus, com as pessoas mais tempo em casa e fazendo praticamente tudo pela internet, é natural que as pessoas estejam cada vez mais presentes nas redes sociais. Seja consumindo ou produzindo conteúdo, comprando ou vendendo produtos ou serviços, o fato é que o digital veio para ficar na nossa vida”, afirma Mikie Magnere (https://mikiemagnere.com.br/), especialista em redes sociais.

As transmissões ao vivo pela internet se consolidaram durante a pandemia. Mikie Magnere garante que as lives são um recurso excelente para aumentar o engajamento, ativar gatilhos mentais de urgência e exclusividade, entregar conteúdo de valor, além de ter baixo custo e gerar leads.

Com a virtualização do mundo, muitas pessoas têm se tornado adeptas do cartão de visitas digital. “Apesar do cartão de visitas digital  ser uma tendência no mundo atual, o cartão de visitas impresso ainda tem seu espaço. O cartão físico ainda é uma boa opção para não ser esquecido pelo seu cliente”, recomenda Mikie Magnere. Outra dica da especialista é incluir um QR Code no cartão impresso que direcione para um site ou para outro link que seja interessante para  o  negócio.

ABRINT anuncia nova diretora

Alessandra Lugato  nova diretora da entidade

A ABRINT – Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações fez mudanças em sua área de direção e anuncia Alessandra Lugato como a nova diretora executiva da entidade.  A Direção Executiva, posição criada com a reforma do estatuto realizada em 2018, tem o objetivo de implementar as ações estratégicas definidas pelo Conselho de Administração, juntamente ao restanteda equipe em Brasília. Lugato é cientista política e socióloga graduada pela Universidade de Brasília (UnB) e possui  mais de 10 anos de experiência na área de telecomunicações. Atuou como assessora parlamentar na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Além disso, atuou com a formulação de estratégias em relações governamentais e apoio com abordagem governamental para grandes empresas como  Santander, Itaú e Telefônica. “A ABRINT é um novo desafio para mim como profissional, e de fato, muda-se um pouco o mercado  porque agora não são as grandes operadoras, são os provedores regionais que estão na liderança  da banda larga no Brasil. Então, uma das minhas responsabilidades é mapear esses riscos e oportunidades para atuar sobre eles de forma estratégica”, explica a diretora. Outro desafio importante para a executiva é a implementação de uma gestão estruturada para trazer melhorias de processos internos que resultará em melhorias no atendimento das demandas dos associados e, ao mesmo tempo, aumentará a visibilidade da ABRINT.