Equilíbrio entre carreira e vida: seria uma equação sem solução para os executivos? Para responder a essa pergunta, a professora Betania Tanure.

A professora Betania Tanure, da Fundação Dom Cabral e da PUC-Minas, o professor Antônio Carvalho Neto (PUC-Minas) e a professora Juliana Andrade (Faculdade Pitágoras) realizaram a maior pesquisa do país sobre o tema, entrevistando mais de 1.200 gestores de empresas, durante dois anos. O resultado deste trabalho, patrocinado pelo Banco Real ABN Amro, está no livro "Executivos: Sucesso e (in)Felicidade" (Editora Campus Elsevier), que será lançado na quarta dia 19 de setembro, às 17h30, na sede do Banco Real, em São Paulo.  O evento se dará durante debate com os presidentes de algumas das maiores organizações do país, que falarão de suas experiências na busca deste equilíbrio: Cledovirno Belini (Fiat); Fabio Barbosa (Banco Real); Gilberto Tomazzoni (Sadia); José Tadeu de Moraes (Samarco Mineração) e Pedro Passos (co-presidente do Conselho de Administração da Natura). Participação especial do ministro Henrique Meirelles, presidente do Banco Central do Brasil.Ao longo dos seus 11 capítulos, a obra mapeia todas as situações que levam ao desequilíbrio entre a equação sucesso e (in)felicidade. Além disso, mostram soluções e respondem importantes questões que norteiam a busca do leitor pelo seu próprio equilíbrio. Um livro que ajuda os executivos a colocar, enfim, "as coisas nos seus devidos lugares", como diz, no prefácio, o presidente do Banco Real, Fabio Barbosa.

  "A figura daquele executivo inatingível, fortaleza de sentimentos, indivíduo racional e estratégico, que só se dedica ao trabalho, mas tem, como que por obra divina, uma família perfeita, é lugar-comum", dizem os autores, na introdução do livro, que

 

 

mostra, em detalhes, a realidade da vida executiva. "Não apenas as cores brilhantes, o lado sol do sucesso da vida executiva. Mostra também o lado sombra. Esta face, que se revela fortemente nos dias de hoje, está relacionada ao tempo e à energia dedicados à construção do sucesso profissional, que quase retira das pessoas a possibilidade de investimento verdadeiro em outras dimensões da vida". A intimidade dos executivos foi discutida criteriosamente: na sua percepção do nível global de (in)satisfação; nas entranhas da sua vida pessoal, afetiva e familiar; em seus hábitos; sua saúde e ainda na dimensão da sua vida profissional, compreendendo os prazeres e os dramas das relações com pares, chefes e subordinados, as inseguranças, as competências, as cobranças e as recompensas de diversas naturezas. E a análise dos dados mostrou que existem diferenças estatisticamente significativas de equação entre sucesso e felicidade, de prazeres e estresses, de sintomas físicos e psíquicos e de índices de (in)satisfação por gênero, nível hierárquico, idade e perfil psicológico.