Mecanismo da ONU reporta crimes graves em Mianmar

284

Uma equipe internacional composta por juristas está alertando para o fato de que crimes e violações graves ao direito internacional continuam a ocorrer em Mianmar.

O Mecanismo de Investigação Independente para Mianmar (IIMM na sigla em inglês) reportou suas conclusões ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra na segunda-feira. O IIMM foi criado pelo conselho em 2018. Desde então, seus membros vêm investigando abusos aos direitos humanos em Mianmar, incluindo a opressão sobre os cidadãos pelas forças de segurança.

O chefe do IIMM Nicholas Koumjian disse que sua equipe coletou mais de 219.000 itens de informações desde o golpe militar dado em fevereiro.

Koumjian declarou que “as evidências mostram que as forças de segurança agem de uma forma coordenada em diversas regiões, sistematicamente perseguindo certas categorias de pessoas, como jornalistas e profissionais da saúde”. Adicionou que dezenas de milhares já foram detidos sem passar pelos devidos processos legais.

Koumjian também disse que a equipe tem utilizado fontes abertas de informação, como também fotos e vídeos coletados da população. Adicionou que o IIMM irá continuar a fazer todo o possível para coletar evidências dos crimes internacionais mais graves.

O chefe do IIMM declarou: “Existem pessoas dentro de Mianmar que nos fornecem informações e eu tenho certeza de que possuem mais informações do que são capazes de nos enviar, mas que no momento não estão seguros em Mianmar”. Disse que o IIMM precisa tentar encontrar formas de manter essas pessoas seguras.