Mattel, a maior fabricante mundial de brinquedos, admitiu nesta sexta-feira em Pequim que milhares de produtos da companhia que foram recolhidos das lojas nas últimas semanas.

"A Matell assume completa responsabilidade por esses recalls e pede desculpas especialmente a vocês, o povo chinês e nossos consumidores que receberam os brinquedos", disse Thomas Debrowski, vice-presidente mundial de operações, em um encontro com Li Changjiang, diretor do órgão que fiscaliza a qualidade de produtos industrializados chineses.

"É importante que todos entendam que a vasta maioria desses produtos que sofreram recall tinha uma falha no design desenvolvido pela Mattel, não uma falha na fabricação por parte dos chineses."

A Mattel anunciou o recall de mais de 20 milhões de brinquedos que teriam o potencial de provocar acidentes e fazer mal a crianças, o que provocou pedidos, nos Estados Unidos, de que a quantidade de produtos importados da China fosse limitada.

"Inaceitável"

Os recalls de brinquedos da Mattel se seguiram a alertas envolvendo outros produtos fabricados na China, incluindo alimentos, pastas de dente e pneus.

O governo chinês sempre insistiu que apenas uma pequena parte dos produtos fabricados no país tinha falhas.

Mesma assim, fabricantes chineses, que são contratados por empresas multinacionais como a Mattel para fabricar os produtos, vinham até agora sendo o foco das críticas – especialmente sobre a alta concentração de chumbo na tinta usada em alguns brinquedos.

Para tentar resolver o problema, a empresa americana de brinquedos decidiu suspender seus contratos com algumas de suas parceiras chinesas e estabeleceu auditorias obrigatórias nos produtos vindos da Ásia, além de testes mais rigorosos.

Segundo Debrowski, a Mattel hoje acredita que exagerou no recall de produtos com tinta com chumbo, recolhendo mais brinquedos do que o justificável, e que itens que respeitavam os padrões americanos de qualidade foram tirados das lojas.

Li Changjiang disse que essa admissão de Debrowski é "inaceitável". "Você não pode recolher 10 mil produtos só porque um está aquém do padrão."

A autoridade chinesa, no entanto, prometeu continuar trabalhando com a Mattel para que o problema não volte a se repetir.