malas.jpgLonge vai o tempo em que mala de viagem era uma simples caixa de madeirarevestida de couro, papelão ou algum tecido resistente. A partir de 1937, por ideia de Richard Morszeck, filho do fundador da alemã Rimowa, passou a ser feita de alumínio e, no ano 2000, de policarbonato. Deixou de ser um mero apetrechodesde que deu de aparecer em filmes de ação (Matrix, Homem-Aranha, entre eles), em novelas brasileiras e nas mãos de astros (Brad Pitt, Cameron Diaz, Dustin Hoffman, Eric Clapton, Paul McCartney, entre outros). E para reforçar a imagem de objeto do desejo, desde 2013 a garota-propaganda da marca é Alessandra Ambrósio.

Agora, contracenando  com o modelo alemão Johannes Huebl, a top brasileira se transforma em Greta Garbo, Marlene Dietrich e Bette Davis, divas do cinema dos anos 20, nas fotos de Horst Diekgerdes para o catálogo 2015/016. A nova campanha mundial da  Rimowa, que tem fábrica e nove lojas no país, uma delas em Curitiba (Pátio Batel), teve cenários recriados no Studio Pier 59, em Nova York.

Mas a beleza do casal de modelos não ofusca as estrelas das fotos, ou seja, as malas da centenária marca, cujo nome remete às sílabas iniciais de Richard Morszeck e as de Warenzeichen (marca registrada em alemão).Seu pai, Paul Morszeck, fundador da empresa em 1898, não dispunha dessas tecnologias que notabilizam as malas pelos aeroportos de todo o mundo: odesign dasranhuras (grooves) e as quatro rodinhas com giro de 360º (consta que esse sistema foi patenteado em 1952 pela Rimowa, que vendeu  licença para que a Samsonite também pudesse usar em suas malas).

Pela viagem do tempo, as malas foram ganhando cores, aplicadas tanto no alumínio como no policarbonato. A mais nova delas, tom vinho (ou marsala, como quer a Pantone), está presente na coleção Limbo Carmona Red, em lançamento no mercado. Ah, a cor da paixão remete a uma data sugestiva e bem próxima, Dia dos Namorados.

P.S 1: As folhas de alumínio foram adotadas nas malas porque elas sobreviveram a um incêndio que consumiu a fábrica durante a II Guerra.

P.S 2: Nas fotos do catálogo, há outro astro, o Junkers F13, de fabricação alemã, primeiro avião inteiramente metálico, fabricado até 1939.