MAIS PEDÁGIO

501

Poucos são os temas que unem oposição e situação a atuarem contra o governo, um deles é o pedágio no Paraná. Considerado caro e abusivo pelos usuários, o pedágio no Paraná é algo que faz os deputados, que pretendem estender seus mandatos, se preocuparem com a opinião de seus eleitores.

Nessa semana os holofotes sobre o pedágio se reacenderam diante de um novo modelo aqui no Paraná, um modelo híbrido. É a proposta do governo federal abraçada pelo governador do Paraná Ratinho Junior que trilha os mesmos caminhos do governador Jaime Lerner ao implantar mais praças de pedágios no Paraná em rodovias federais e estaduais.

A proposta contempla quinze novas praças de pedágios além das 27 que o Paraná já tem, totalizando 42 praças de pedágios. O novo modelo proposto pelo governo transformará 2,5 mil quilômetros de rodovias pedagiadas em 3,8 mil quilômetros, ou seja, 1,3 MIL quilômetros a mais de rodovias pedagiadas.

EM PÉ DE GUERRA

No próximo sábado (23), a partir das 9h, a APP-Sindicato realiza assembleia estadual extraordinária on-line para deliberar sobre novas ações buscando o atendimento das reivindicações da categoria, entre elas o novo calote da data-base anunciado neste mês pelo governador. A greve não está descartada.

RATINHO NEM AÍ

Indiferente aos apelos de professores, pais e alunos, Ratinho Júnior (PSD) assinou decreto autorizando a retomada das aulas presenciais nas escolas públicas estaduais. O texto foi publicado ontem pelo Diário Oficial do Estado. As aulas estão suspensas desde março do ano passado, após o início da pandemia do Covid-19.

REINÍCIO

As aulas devem ser reiniciadas no próximo dia 18 de fevereiro. Em dezembro, a Secretaria da Educação havia divulgado que elas seriam retomadas em formato híbrido, com parte dos alunas assistindo às aulas de forma presencial nas escolas, enquanto o restante dos estudantes acompanha, simultaneamente, a mesma aula de maneira remota. A intenção é que haja um revezamento semanal entre os estudantes dentro do próprio sistema.

AGENDA PESADA

O presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão, se reuniu nesta quarta-feira com procuradores/as do Ministério Público do Paraná (MPPR) para tratar de assuntos relacionados com a defesa dos direitos de professores(as) e estudantes da rede pública estadual. Processo seletivo simplificado (PSS), escolas cívico-militares e mudança na matriz curricular com redução da carga horária das disciplinas de humanas estiveram entre os temas abordados.

REQUIÃO EM CAMPANHA

Quem duvida que Requião quer voltar ao governo do Paraná deve olhar com atenção a sua presença nas redes. Ele está em campanha. Aberta e no estilo de sempre. Pau nos adversários, promessas ao povo. Devemos admitir, diante da indigência no cenário político, Requião ganha força e capacidade de convencimento.

SEM BRIO E SEM VACINA

A realidade é desesperadora e todos sabem que se depender do governo Bolsonaro será difícil imunizar a população e evitar a perda milhares de vidas. Paralelamente, alguns Estados seguem suas tratativas com laboratórios para tentar comprar mais doses. O Paraná, infelizmente não está nessa lista, pois o governo ratinho Jr é totalmente alinhado a Bolsonaro.

NEM UMA DOSE

A vacina Sputnik V, que apresentou eficácia de 91,4% contra a covid-19, passa a imunizar nos Emirados Árabes Unidos. É aquela vacina russa que o governo nativo de Ratinho Jr prometera produzir às pencas no Tecpar e até agora nada. Nem uma dose.

ANGÚSTIA

A angústia com o atraso nos insumos motivou a pesquisadora da Fiocruz, Margareth Dalcolmo, a fazer um discurso emocionado enquanto recebia uma homenagem da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Ela, que está desde o começo da pandemia atuando tanto na pesquisa quanto no cuidado de pacientes com covid-19 e agora participa dos esforços para produzir a vacina da Oxford/AstraZeneca em sua instituição, vê “absoluta incompetência diplomática do Brasil” diante do problema.

POUCO, MUITO POUCO

É pouco, diante das nossas necessidades. O governo da Índia liberou as exportações comerciais de vacinas contra Covid-19, com as primeiras remessas sendo enviadas para o Brasil e Marrocos na sexta-feira, disse o chanceler indiano à agência Reuters. A farmacêutica Astrazeneca concordou com a destinação de 2 milhões de doses prontas.

IMPRESCINDÍVEL

Os professores entendem que qualquer discussão sobre o retorno das atividades presenciais nas escolas, em meio à pandemia de Covid-19, passa pela garantia de medidas efetivas de segurança e saúde, a começar pela imunização da comunidade escolar. Assim, antes de reabrir as unidades de ensino, defendemos como imprescindível a criação de um plano de retomada das atividades presenciais nas escolas, que leve em consideração vacinas, segurança e infraestrutura adequada.

CHUNCHO DA CLOROQUINA

O Ministério das Relações Exteriores intermediou a compra de cloroquina da Índia pela empresa Apsen Farmacêutica. O presidente da Apsen é Renato Spallicci, um fervoroso apoiador do presidente Jair Bolsonaro.  A troca de mensagens obtida pela agência revela um pedido de 100 quilos de sulfato de hidroxicloroquina por US$ 155 mil (cerca de R$ 821.500), matéria prima para a produção do medicamento Reuquinol. Nas mensagens entre autoridades indianas e o embaixador brasileiro em Nova Deli, Elias Luna Santos, aparece claramente como compradora e beneficiada da transação a Apsen Farmacêutica, do bolsonarista Spallicci.

AH, O LEWANDOWSKI

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta quinta-feira o pedido da Rede Sustentabilidade para o afastamento do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, devido à condução da política de enfrentamento à pandemia de Covid-19. Na decisão, o ministro justifica que cabe ao presidente da República nomear e exonerar ministros.

            ALTO RISCO

O Centro de Prevenção e Controle de Doenças Europeu (ECDC), ligado à União Europeia (UE), anunciou nesta quinta-feira que as mutações do novo coronavírus encontradas no Brasil, Reino Unido e na África do Sul representam um “alto risco” para a Europa em razão de sua maior transmissibilidade em relação às demais linhagens do patógeno. Trata-se da declaração mais contundente das autoridades europeias desde que a mutação britânica se tornou prevalente em áreas da Inglaterra, em dezembro.

CETICISMO

Levantamento do instituto Paraná Pesquisa realizado em todo o País para o site Diário do Poder e esta coluna, revela um certo ceticismo dos brasileiros em relação a vacinação em prazo curto. A maior parte dos entrevistados (20%) acredita que a vacina contra a covid-19 só estará disponível para eles “daqui a mais de quatro meses”. Um percentual muito próximo (18,8%) representa os cidadãos está que apostam em um prazo de um e dois meses. E 13,4% apostam em até quatro semanas.

NÃO SE ENGANAM

Há ainda os brasileiros, apenas 5% dos entrevistados, que não alimentam qualquer expectativa de vacinação contra o novo coronavírus. Os mais otimistas, que apostam em vacinação nos próximos quinze dias, são 6,8% do total, enquanto 14,9% não sabem quando isso ocorrerá.

MAIS DE 60 DIAS

Para 10,9%, o prazo de acesso à vacina será de mais de dois meses, mas menos de três meses. Já 10,1% apostam entre três e quatro meses.

MOSCA CHINESA

O serviço secreto escalou um asiático como “mosca” (o agente que fica colado ao presidente, nos EUA ou aqui). Tem pinta de chinês. Mais um gesto estudado de Joe Biden, este para agradar a China. Após o embaixador chinês dizer a Rodrigo Maia que são técnicas e não políticas as dificuldades para liberar os insumos para vacina, caiu a ficha: tudo não passou de fake news. Ou factoide, como esta coluna preveniu.

DIFÍCIL DESAPEGAR

Prestes a deixar a presidência, Rodrigo Maia fala como se fosse mandar na pauta da Câmara, caso o seu preposto Baleia Rossi se eleja. Avesso a investigações, nos seus estertores a Maia ameaça uma “CPI do Covid”.

FURA-FILA SERÁ PUNIDO

Presidente do TCE do Amazonas, Mário Mello exigiu a lista de vacinados para apurar se afilhados do governador e do prefeito de Manaus estariam furando a fila da vacinação. Se isso aconteceu mesmo, não sairá barato.

ATAQUE DE NERVOS ADIADO

Os diplomatas brasileiros adoraram o texto do presidente Jair Bolsonaro saudando, na medida certa, o presidente americano Joe Biden. A demora nesse gesto os deixou à beira de um ataque de nervos.

EXEMPLO DE QUÊ?

Ex-bolsonarista, Alexandre Frota (PSDB-SP) apresentou projeto para obrigar deputados federais e senadores a se vacinarem contra a covid-19. Para o deputado, parlamentares devem “dar o exemplo”.

MEU BRAÇO PRIMEIRO

Após Justiça e MPSP, a Semesp (entidade das “mantenedoras de ensino superior”) pede ao governo paulista pelo suposto direito dos profissionais de educação de “furar a fila” da vacinação. Que vergonha.

FRASES

“As vacinas chegarão com um atraso que gera em nós uma enorme expectativa.”

Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fiocruz