A cervejaria AmBev teve lucro líquido de R$ 448,7 milhões no segundo trimestre, queda de 7,2% sobre o mesmo período do ano passado.

A companhia computou despesas operacionais de R$ 443,8 milhões de reais no segundo trimestre, alta de 82,4% sobre o mesmo período do ano passado. Enquanto isso, a provisão para imposto de renda e contribuição social mais que dobrou, para R$ 294,8 milhões.

O incremento de despesas operacionais foi gerado por impacto negativo de R$ 84 milhões gerado por variação cambial de investimentos no exterior e ágios referentes principalmente às aquisições da Quinsa (na América do Sul) e Labatt (na América do Norte), informou a AmBev.

Apesar da queda no lucro, a geração de caixa da empresa medida pelo Ebitda totalizou R$ 1,848 bilhão nos três meses até junho, contra R$ 1,586 bilhão há um ano. A margem cresceu para 40,8% ante 39,3% registrado no segundo trimestre de 2006. A receita líquida avançou 12,1%, para R$ 4,525 bilhões, para vendas totais 4,9% maiores em volume.

O custo de produtos vendidos subiu no total 15,8% na comparação trimestral de um ano para outro, com destaques para a unidade sul-americana Quinsa, cujos custos com cerveja dobraram e com refrigerantes saltaram 86 por cento. No Brasil, os custos de produtos vendidos cresceram 16,1%, puxados por refrigerantes e malte.