O desemprego na América Latina e no Caribe é maior entre os jovens que tem entre 15 e 24 anos de idade do que entre os adultos.

Marcio Ferreira
da redação

O desemprego na América Latina e no Caribe é maior entre os jovens que tem entre 15 e 24 anos de idade do que entre os adultos. A informação está no relatório “Juventude e Trabalho Decente na América Latina e no Caribe”, que foi realizado em 2005 e divulgado ontem pela Organização Internacional do Trabalho (OIT).

De acordo com o relatório, 17% dos jovens nessa faixa etária estão sem emprego. Quando se analisa o total de desempregados da região, percebe-se que essas pessoas representam 46% dos que não trabalham.

“Na realidade latino-americana, nunca houve tantas pessoas com idade entre 15 e 24 anos. É provável que no futuro essa cifra pare de crescer, visto que as projeções indicam, a partir de 2015, uma taxa menor de crescimento da população”, afirma o documento da OIT, explicando que a larga parcela de desempregados entre os jovens tem relação com a demografia atual da região e pode mudar no futuro.

“A precariedade nos mercados de trabalho da região afeta um de cada dois trabalhadores e, entre os jovens, dois de cada três”, diz a organização. O relatório não especifica os dados por países. “Existiram programas com ótimos resultados, mas com coberturas reduzidas ou iniciativas de amplo alcance, mas sem o impacto esperado. O desafio consiste em articular ambas as dimensões e passar da execução de programas para a definição e realização de políticas de Estado com a participação dos jovens”, destaca a OIT.

Os números do estudo revelam que, na América Latina e Caribe, existem 106 milhões de jovens, dos quais 48 milhões trabalham. Os inativos – pessoas que não trabalham e não estão procurando emprego – também somam 48 milhões. Já 10 milhões estão desempregados.