O primeiro-ministro do Japão, Kishida Fumio, prometeu doar cerca de 200 milhões de dólares para equilibrar a instabilidade alimentar global causada pela invasão da Rússia na Ucrânia. Atualmente, ele se encontra na Alemanha para as conversações de cúpula com outros líderes do Grupo dos Sete.

Os líderes do G7 se reuniram, na segunda-feira, na Baviera, uma área de resort, pelo segundo dia do encontro com duração de três dias. A insegurança alimentar é um dos principais tópicos em discussão. O dinheiro que Kishida prometeu é destinado a ajudar a Ucrânia, bem como os países do Oriente Médio e da África, atingidos duramente pelo aumento dos preços dos alimentos.

Os líderes também discutiram sua resposta à invasão da Rússia com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, que participa da reunião através de conexão em vídeo.

Os líderes do Grupo dos Sete divulgaram uma declaração delineando como planejam aumentar a pressão sobre a Rússia. Eles disseram que vão proibir as importações de ouro russo como parte dos esforços para deixar Moscou sem receitas. Também disseram que vão trabalhar para atender às “demandas urgentes de equipamentos militares e de defesa por parte da Ucrânia”.

A declaração acusa explicitamente a Rússia de prejudicar a segurança alimentar global. Os líderes do G7 dizem que estão determinados a dar apoio à Ucrânia na produção e na exportação de produtos agrícolas.

Com NHK