Importação de petróleo da China bate recorde em 2020 com estocagem e novas refinarias

298

As importações totais de petróleo bruto da China aumentaram 7,3% em 2020, apesar do choque do coronavírus no início do ano passado, com chegadas recordes no segundo e terceiro trimestres, já que as refinarias expandiram as operações e os preços baixos encorajaram o armazenamento, mostraram dados nesta quinta-feira.

Para 2020, o maior comprador mundial de petróleo adquiriu um recorde de 542,4 toneladas de petróleo, ou 10,85 milhões de barris por dia (bpd).

Os fortes fluxos seguiram a grande compra de refinarias, bem como de operadores de armazenamento independentes, depois que os preços do petróleo despencaram para os mais baixos em décadas no início do ano, aproveitando a robusta demanda doméstica enquanto a economia se recuperava rapidamente da pandemia do coronavírus.

As importações de dezembro foram de 38,47 milhões de toneladas, ou cerca de 9,06 milhões de bpd, segundo dados divulgados pela Administração Geral das Alfândegas nesta quinta-feira.

Esse volume caiu cerca de 15% em relação ao ano anterior e também em relação aos 11,04 milhões de bpd de novembro, em parte porque as refinarias independentes ficaram sem cotas de importação após as importações frenéticas anteriores.

Olhando para o futuro, as chegadas devem se firmar novamente após o lançamento de novas cotas que foram 18% maiores do que no ano anterior na primeira rodada de 2021.

“Isso, junto com o aumento do levantamento das refinarias estatais, deve resultar em um grande aumento nas chegadas de petróleo bruto em janeiro-fevereiro em relação aos níveis de dezembro”, disse Chen Jiyao, chefe da consultoria de clientes da China para a FGE.

Fonte: Reuters