Mês de junho é dedicado a campanhas de prevenção e combate à doença. Segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a cada 100.000 pessoas no mundo, de 4 a 600 delas desenvolvem o problema

O simples hábito de coçar os olhos que milhares de pessoas tem pode desencadear um grave problema na visão: o Ceratocone. A doença é caracterizada pela mudança na estrutura da córnea, que se torna mais fina e curvada, lembrando o formato de um cone, daí o nome. Ela ocorre pela junção de dois fatores: genético (fragilidade da estrutura da córnea) e impacto do ambiente (principalmente o hábito de coçar os olhos). O primeiro sinal são alterações na visão. Se não tratada adequadamente, a doença continua a evoluir até precisar do transplante. De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a cada 100.000 pessoas no mundo, de 4 a 600 desenvolvem o Ceratocone.

Para conscientizar a população sobre os perigos da doença, em 2018 a campanha Junho Violeta foi instituída pelo oftalmologista Renato Ambrósio Junior, professor Adjunto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Desde então, o mês é dedicado à disseminação de informações sobre o Ceratocone. A preocupação em conscientizar a população sobre o problema encontra fundamento nos números. Segundo a Sociedade Brasileira de Ceratocone, entre os mais de 23 mil transplantes realizados por ano no Brasil, mais de 13 mil são de córnea.  O Ceratocone é apontado como a principal causa de transplantes de córnea.

O Ceratocone surge entre os 10 e 25 anos de idade, mas pode progredir até os 40 anos ou estabilizar-se com o tempo. Os principais sintomas são: queixa de diminuição da visão na infância e adolescência, mudança frequente de óculos, hábito crônico de coçar os olhos, alergias (rinite alérgica, sinusite), olhos sempre vermelhos e inflamados, diminuição súbita da visão com dor, fotofobia e lacrimejamento, e aumento frequente da miopia e astigmatismo.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é feito através de exame biomicroscópico com lâmpada de fenda, com atenção para localização do afinamento da córnea, estrias de vogt (linhas de tensão verticais na córnea posterior) e anel de fleischer (depósitos epiteliais de ferro na base do cone). Outros exames utilizados para esse diagnóstico são retinoscopia (reflexo em tesoura) e, principalmente, pela topografia (ou tomografia) corneana, que pode demonstrar um aumento de curvatura associado a astigmatismo irregular.

Após diagnosticado, alguns tratamentos podem ser feitos, como o uso de óculos e lentes de contato, cirurgia para correção ou, em último caso, o transplante da córnea. Existem atualmente três tipos diferentes de cirurgia de Ceratocone. A escolha do procedimento vai depender do caso e da evolução da doença, como explica a oftalmologista e diretora do Hospital de Olhos do Paraná, Dra. Luciane Moreira. “ Temos o implante, no qual é implantado um anel que vai regularizar a curvatura da córnea, quando os óculos e as lentes de contato não conseguem mais. Temos também o Crosslinking, que é uma intervenção para fortalecer as moléculas de colágeno da córnea e evitar que ela continue se curvando e afinando. Por último, existe o transplante de córnea, que é usado em casos mais graves na qual a doença está em estágio mais avançado”, explica a médica.