Fogo e paixão no visual Chilaze

366

Doña Diabla, inspirada nas atrizes mexicanas dos anos 1930/40 às espanholas contemporâneas, passando pela nossa Carmen Miranda, é o nome da nova coleção do Atelier Chilaze, que, diante de tanto drama e tragédia, sugere um visual de humor passional, como se percebe pela produção da modelo Caroline Francischini.

O estilo do ateliê carioca, comandado por Claudia e Sandra Chilaze, tem visibilidade nacional e brilha no setor de acessórios do Minas Trend, evento de moda em Belo Horizonte. Nessa nova coleção, é uma delícia ver o clima chique retrô proposto pelo diretor criativo, o jornalista Alexandre Schanbl, e suas referências: Dolores Del Rio (1904-1983), Lupe Vélez (1909-1944) Maria Montez (1912-1951), Carmen Miranda (1909-1955) e Carmen Maura, Marisa Paredes e Victoria Abril, musas de Pedro Almodóvar

A vedete, contudo, é “a voluntariosa, implacável e exuberante” Maria Félix, estrela do filme Doña Diabla (1950), que batiza a coleção. E Caroline Francischini, paulista residindo em Londres, bem personifica essa constelação passional, maquiada por Adriana De Bossens e fotografada por Ricardo Penna com produção de moda por Caio Nietzsche.

Diante da pandemia, Claudia Chilaze explica: “É necessário ficarmos todos ligados naquilo que está acontecendo no mundo à nossa volta, claro, mas também é preciso contarmos com uma válvula de escape. Quer coisa melhor que o cinema para isso?”.

E o conceito se traduz em peças que “brincam com o colorido dos adereços usados por essas atrizes espetacularmente donas de si, dentro e fora das telas, naqueles anos”. Colares, brincos, anéis e pulseiras de bolas evocam os adornos que marcaram os anos 1940, como os balangandãs e babilaques da notável Carmen Miranda.

A pesquisa, que acompanha as referências, leva aos primeiros plásticos poluentes e à solução atual: a leve resina feita no ateliê sem descarte, confeccionada a mão sem resíduos ou prejuízo ao meio-ambiente. Afinal, lembra Sandra Chilaze, “a sustentabilidade faz parte do nosso DNA no dia a dia”. Por exemplo, as coloridas bolsas em marcheteria usam resina e madeira de reflorestamento.