Férias de verão: mitos e verdades sobre protetores solares

590

Com a chegada do verão, grande parte da população passa as férias de final de ano – ou até mesmo apenas os finais de semana – na praia, no parque ou na piscina. E a exposição ao sol exige um item considerado imprescindível: o filtro solar, essencial para evitar queimaduras e até mesmo o câncer de pele, visto que, no Brasil, dois terços de todos os diagnósticos de câncer são desse tipo, com cerca de 185 mil novos casos registrados todo ano.

Porém, são inúmeros os mitos e as verdades sobre o produto, o que acaba causando dúvidas na hora da compra e do uso. Questões como o fator de proteção e a quantidade de uso, por exemplo, são divulgadas com informações imprecisas, deixando os consumidores incertos sobre qual produto adquirir. A professora de Cosmetologia do curso de Estética e Cosmética da Universidade Positivo (UP), Ana Carolina Pareja Isa, esclarece essas e outras dúvidas sobre os protetores solares.

  • Quanto mais alto o fator de proteção solar, mais alta a proteção

Mito. A especialista explica que o FPS não tem relação direta com a capacidade de proteção, mas sim com o tempo que a pessoa pode ficar exposta no sol. “Se o FPS do produto é 30, isso significa que a pessoa está 30 vezes mais protegida de queimaduras solares, em relação ao tempo, do que se estivesse exposta ao sol sem filtro solar. Por exemplo, se o indivíduo começa a ficar vermelho após dez minutos no sol de exposição ao sol, com um filtro solar com FPS 30, essa pessoa, teoricamente, pode se expor 30 vezes mais tempo, ou seja, 300 minutos”, explica. Portanto, um protetor com FPS 60 não protege o duas vezes mais do que um filtro com FPS 30, mas sim, o dobro do TEMPO de exposição.

  • Filtro físico é melhor que o químico

Mito. A principal diferença entre os dois é a composição, mas ambos são eficazes na proteção. Enquanto o químico absorve a radiação, deixando o efeito do sol menos nocivo, o físico cria uma barreira, impedindo a entrada dos raios solares – por isso, ele tende a deixar a pele esbranquiçada. “O ideal é que o filtro solar tenha uma composição mista, o que aumenta o fator de proteção. Porém, os físicos são menos irritantes que os químicos, então, são mais indicados para crianças e gestantes”, explica.

  • A quantidade de aplicação ideal no rosto é uma colher de chá

Verdade. A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) recomenda uma quantidade abundante, cerca de 2 mg| cm² de pele. “Para facilitar, utilizamos a regra da colher de chá. No rosto, sugere-se uma colher de chá. Para o tronco, o ideal é usar duas colheres, assim como em cada braço e perna”, orienta.

  • A oxibenzona tem efeito cancerígeno

Mito. De acordo com a professora, a RDC 47 de 2006 apresenta a lista de filtros solares UV permitidos no Brasil, sendo estes cosméticos reconhecidos e registrados como grau II pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), necessitando apresentar teste de eficácia e segurança. “Todos os filtros solares só são aprovados após realizações de testes de eficácia e segurança. Ou seja, sendo utilizados da forma indicada, não há evidências de que causam efeitos cancerígenos”, assegura.

A especialista ressalta a importância do uso correto também no dia a dia. “O filtro solar é um aliado do skincare, sendo o último passo do processo. É preciso aplicar com cuidado uma quantidade generosa, pelo menos duas vezes por dia. Filtros solares com cor são ideais para esse uso, pois o pigmento (óxido de ferro) também ajuda a proteger das luzes do computador”, revela.

Ana Carolina reforça que, mesmo existindo os protetores solares de uso oral, ou antioxidante orais, eles não substituem a necessidade do uso tópico. “O filtro solar deve ser aplicado, no mínimo, de 15 a 30 minutos antes da exposição, devendo ser reaplicado a cada duas horas ou após imersão na água”, orienta.