Os 45 Faróis do Saber, bibliotecas públicas que oferecem nos bairros acervo de 7 mil livros e computadores com acesso à internet, serão também espaços para  desenvolvimento de projetos culturais.


Para incentivar e preparar o time de profissionais envolvidos na nova atividade, a Prefeitura de Curitiba capacitou nesta quinta-feira (23) um grupo de 70 bibliotecárias, atendentes dos Faróis do Saber e pedagogas dos núcleos regionais de educação.  Aproveitar a estrutura dos Faróis do Saber para levar cultura e novos conhecimentos à população faz parte das ações da Rede de Bibliotecas Escolares de Curitiba, criada pelo prefeito Beto Richa em maio deste ano, que incluí 113 unidades e 500 mil livros. “Conhecimento e educação são os instrumentos com os quais promovemos a emancipação e o desenvolvimento das pessoas”, diz o prefeito Beto Richa.  Além dos Faróis do Saber (35 deles anexos a escolas municipais e outros dez em praças), pertencem à rede 67 bibliotecas escolares, uma biblioteca central da Secretaria Municipal da Educação e outras 19 bibliotecas que estão em fase de implantação em escolas e na Rua da Cidadania da Matriz.  Para a criação da Rede de Bibliotecas Escolares, a Prefeitura investiu na compra de livros, na reforma e ampliação de espaços nas escolas, na aquisição de mobiliários adequados e na constante capacitação dos profissionais da educação. Até o início de 2009, a rede contará com 180 equipamentos e acervo de 700 mil livros.  Vocação – Paralelo à ampliação do acesso à informação, os projetos culturais nos Faróis do Saber servirão para atrair um número maior de pessoas às bibliotecas, ao contato com os livros e à informática. “Bibliotecárias e atendentes de Faróis devem ter como vocação o desenvolvimento de leitores. Por esta razão precisam ser leitores de sentimentos e sensações”, disse a diretora do departamento de tecnologias e difusão educacional da Secretaria Municipal da Educação, Maria Marilda Confortin Guiraud.  Durante o treinamento desta quinta-feira, Maria Marilda explicou a importância de os projetos atenderem as características da região onde serão implantados. “Devem ser projetos culturais capazes de modificar as realidades”, disse.  Os projetos deverão ser voltados ao incentivo à leitura e poderão servir como resgate da história do patrono da unidade, comemoração do aniversário do Farol e complementação de assuntos de interesse do público freqüentador do espaço, como arte e esportes.  A capacitação serviu também para a consolidação de novas parcerias para os Faróis do Saber – uma com o Jornal Literário Rascunho, que distribuirá gratuitamente exemplares da publicação, que tem periodicidade mensal, nos 45 Faróis, e outra com a Fundação O Boticário de Preservação à Natureza.  A Fundação O Boticário doou 45 kits da Coleção Biomas, um material comporto por um vídeo e oito livros sobre temas como caatinga; cerrado; ecossistemas costeiros; Floresta Amazônica; floresta com araucária e campos; Mata Atlântica; pantanal, além de manual para utilização do material.  Além de receberem os materiais, bibliotecárias, atendentes e pedagogas dos núcleos de educação assistiram a uma palestra sobre a importância da literatura, com o editor do Jornal Rascunho, Rogério Pereira, e a apresentação artística do professor municipal Daniel Faria.  

Daniel Faria é autor do projeto Conversa, com verso e prosa, um dos projetos que já está acontecendo nos Faróis do Saber e bibliotecas escolares, O projeto faz uma junção da música com a literatura, principalmente com a poesia, para incentivar o interesse pela leitura.