Os portos paranaenses exportaram 161.458 toneladas de papel de janeiro a agosto deste ano, alta de 10% na comparação com igual período do ano passado


Patrícia Vieira
da redação

Os portos paranaenses exportaram 161.458 toneladas de papel de janeiro a agosto deste ano, alta de 10% na comparação com igual período do ano passado, quando foram exportados 146.516 toneladas.
A maior exportadora de papel no Paraná é a empresa Klabin, que tem sua principal unidade fabril em Telêmaco Boba, na região de Ponta Grossa. De janeiro a julho de 2007, a empresa já exportou 157 mil toneladas de papel, crescimento de 27% em comparação com igual período de 2006.
Segundo Aldo Bastos, gerente de Supply Chain da Klabin, a empresa exporta pelos portos paranaenses não só a produção da unidade de Telêmaco Boba, mas também a maior parte da produção das outras 16 fábrica que estão espalhadas pelo Brasil. “O porto é geograficamente estratégico e por isso é prioritário para a Klabin. Além disso, o porto tem um diferencial muito importante que o fácil acesso ferroviário e rodoviário”, explica Bastos.

Como o Porto de Paranaguá conta com linhas férreas que vão até os armazéns de retroárea, as cargas de papel que saem de Telêmaco Borba seguem direto e isto acaba agilizando o processo.
Além das linhas férreas o transporte até o porto também conta com estradas pavimentadas em concreto. Já que a metade das cargas de papel chega até o porto pelos trilhos dos trens e a outra metade segue de caminhão.
De acordo com a administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) foram investidos recursos próprios no valor de R$ 24 milhões para concretar 25 quilômetros das principais ruas que dão acesso ao porto.
“O porto vem trabalhando para diversificar as cargas com que trabalha e hoje temos condições logísticas de atender diferentes tipos de clientes, tanto os que utilizam o modal ferroviário quanto o rodoviário para recebimento ou escoamento de produtos”, disse Cláuber Candian, chefe do Departamento de Operações da. Appa.

O principal destino do papel exportado pelos Portos paranaenses é a Europa, onde é usado principalmente para fabricação de embalagens.