EUA: Avanços contra o vírus da peste suína africana

250
Foto ilustrativa: Unidade de Produção de carne suína/leitão – Foto Jonas Oliveira AEN

Cientistas do Serviço de Pesquisa Agrícola (ARS) no Plum Island Animal Disease Center (PIADC) em Orient Point, NY, fizeram dois avanços importantes contra o vírus da peste suína africana (ASFV, na sigla em inglÊs), que causa uma doença letal em porcos.

No ano passado, a equipe de pesquisa desenvolveu várias vacinas candidatas excluindo genes para atenuar (enfraquecer) o vírus. Eles usaram uma técnica chamada “edição de genes”, na qual o DNA pode ser inserido, excluído, modificado ou substituído diretamente no genoma de um organismo vivo. Como resultado dessa pesquisa, a equipe licenciou atualmente quatro diferentes vacinas candidatas contra ASF a parceiros comerciais para desenvolvimento posterior.

Uma recente mudança no status regulatório pode acelerar o trabalho comercial nas vacinas candidatas, disse Douglas Gladue , microbiologista ARS do PIADC. “Três de nossas vacinas candidatas foram removidas da lista Federal Select Agent”, que é uma lista de agentes e toxinas que devem ser trabalhados em instalações com o mais alto nível de biossegurança (BSL3), disse ele. O PIADC é uma das duas únicas instalações BSL3 nos Estados Unidos autorizadas a trabalhar com ASFV. “A remoção da lista de agentes selecionados pode abrir caminho para que nossas vacinas candidatas sejam trabalhadas em outras instalações nos Estados Unidos e em todo o mundo”, disse ele.

Em um segundo grande avanço, após um processo de triagem intensivo, a equipe ARS identificou uma linha celular estável disponível comercialmente para laboratórios de diagnóstico para uso específico em testes de ASFV infeccioso. Até agora, macrófagos suínos frescos (grandes leucócitos) eram as únicas células que funcionariam no processo de teste diagnóstico. Isso exigia que os laboratórios cultivassem continuamente células frescas para que estivessem prontas se e quando uma amostra chegasse para teste.

Agora, no entanto, os pesquisadores afirmam que essa outra linhagem celular, de um macaco verde africano, funciona tão bem quanto os macrófagos e pode ser congelada até que seja necessária, eliminando a necessidade de cultivo contínuo.

Usar a linha de células de primatas comercialmente disponível em vez de macrófagos suínos frescos economizará tempo, trabalho, equipamento e dinheiro. Essas células agora estão disponíveis para laboratórios de diagnóstico, incluindo o Laboratório de Diagnóstico de Doenças de Animais Estrangeiros, parte do Serviço de Inspeção de Saúde Vegetal e Animal do USDA.

Obter o controle da ASFV é de importância crucial para os produtores de suínos em todo o mundo. Embora o vírus não tenha chegado aos Estados Unidos, está presente em partes da Europa, Ásia e África. A doença é quase sempre fatal em suínos, e os surtos resultam em restrições ao comércio e perdas econômicas significativas em todo o mundo.

A equipe de pesquisa está atualmente aguardando notícias sobre o registro de um terceiro avanço importante na luta contra o ASFV.

Fonte: USDA