Por Isabela Brisola*

Empreender no Direito pressupõe que o profissional tenha um quê de administrador. E aqui, me refiro a quem de fato tenha vontade e um certo perfil para os negócios. É necessário uma boa disposição para a elaboração do contrato social, fazer o registro do escritório na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) local e abrir um registro de CNPJ na Receita Federal. Todos esses passos são fundamentais para quem quer iniciar o seu escritório de advocacia.

Inovar todos os dias é ação fundamental para encarar os principais desafios da carreira aliada ao empreendedorismo. E esses obstáculos são, na verdade, soluções que sustentam o negócio jurídico, como saber conquistar a clientela e ter constância de receitas mensais que mantenham a saúde financeira do escritório.

Compreender e saber esperar os resultados requer habilidades especiais que envolvem inteligência emocional e visão a longo prazo em momentos de decisões. Contudo, o que exige maior atenção, na gestão do escritório que está iniciando, é a parte financeira, em que você precisa ter um lastro monetário para se prevenir de situações inesperadas. É preciso entender que trata-se de um negócio de receita sazonal e que você precisa ter uma reserva para manter a banca aberta, ao mesmo tempo em que se obtém o capital necessário para mais investimentos.

Nessa direção, outra linha de equilíbrio deve estar na vida pessoal. O balanço ideal entre o trabalho e a vida privada deve ser muito bem distribuído.

Quando tive filhos, por exemplo, pude contar com uma rede de apoio previamente articulada e preparada para aquele momento. Além disso, quando eu estava no escritório, dedicava 100% do meu foco às questões profissionais, mas quando era a hora de ir para o descanso, eu realmente saia do escritório! Não levar os problemas para casa é uma condição fundamental de saúde mental e de respeito com a família. Quando chego em casa, me dedico integralmente às crianças e ao meu momento familiar. Essa divisão é muito importante para se ter uma vida sadia no campo profissional, com o casamento e os filhos. Afinal, há tempo para todas as coisas.

Olhar social no Direito Previdenciário faz a diferença

Quem trabalha com o Direito sabe, que independente da área em que atue, há uma responsabilidade com a sociedade sempre embutida. Para quem atua com Previdenciário, podemos multiplicar essa responsabilidade por, no mínimo, três vezes. Digo isso porque faz parte dessa área ter um olhar social, mais próximo e humano às necessidades das pessoas, principalmente os mais humildes.

Por isso, contribuo com a comunidade e tive muitas experiências em visitas a bairros carentes levando informação a uma população leiga. Conheci muitas pessoas que tinham direitos conforme o estipulado pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), dessa forma, colaborei para o acesso aos benefícios que elas tinham já que muitas delas sequer sabiam que existia essa possibilidade.

Trago esse exemplo, porque essa etapa foi muito importante para o início da minha carreira. Com vontade de ajudar a população, contribuí na conquista de rendas mensais para muitas famílias sem um prato de comida na mesa. Isso me alegra muito e até hoje me dá ânimo para alçar voos profissionais. Tudo isso me faz lembrar aquelas máximas que “dar é melhor do que receber” e “quando ajudamos outras pessoas, também colhemos frutos.”

Portanto, você, que pensa em empreender no Direito, não esqueça que além de ter um lado administrador, é necessário ter aptidão e sensibilidade para captar os sinais que seu caminho mostrará. Nem sempre as oportunidades aparecem facilmente e cabe a você enfrentar as situações para descobrir alternativas que façam sua atuação fazer a diferença na vida de alguém. Esse é mais um lado bonito do Direito e está presente nas histórias dos inícios de muitos escritórios de advocacia, pode apostar!

*Isabela Brisola é advogada previdenciária, e há 13 anos atua à frente do escritório Brisola Advocacia, fundado por ela.

Sobre Brisola Advocacia Associados–Focada em direito previdenciário, a Brisola Advocacia Associados foi fundada em 2009 com o objetivo de garantir os direitos dos beneficiários do INSS. Seus principais clientes decorrem da necessidade da aposentadoria por tempo de contribuição, com ênfase na aposentadoria especial. Atendem também outras solicitações relacionadas ao tema, como, por exemplo, benefícios por incapacidade, auxílio-maternidade, pensão por morte, entre outros. O escritório conta com sete advogados e também atende direito civil, direito da família e direito sucessório, além de causas trabalhistas.