Com a ajuda de amigos, Wagner José Alexandre conseguiu comprar o pão, carne e cerveja para vender na inauguração da Pimp Burger, um negócio que rendeu na primeira noite R$ 17 mil

O aporte financeiro inicial em um negócio é sempre muito importante e não faltou essa consciência ao já empreendedor Wagner José Alexandre. Com cerca de R$ 60 mil, o executivo comprou bons equipamentos, investiu na fachada da hamburgueria, comprou mesas e cadeiras e pagou um pessoal para fazer a panfletagem.

Mas um detalhe passou despercebido para a noite de estreia: ele não tinha mais caixa para o principal, os hambúrgueres e as bebidas. O jeito, já com tudo pronto, era recorrer ao crédito e pedir fiado na praça. Com a ajuda do padeiro, do dono do açougue e do fornecedor de bebidas, na base do “pago quando puder”, além dos amigos e familiares que ocuparam a cozinha, o caixa e deram uma força no atendimento ao público, Wagner inaugurou a Pimp Burger e, na primeira noite, faturou R$ 17 mil.

A sacada excepcional de marketing que o fez conquistar este montante foi uma ação promocional de inauguração, com o valor do hambúrguer a R$ 5,00. A fila, naquele dia, deu volta ao redor do estabelecimento e foram ao todo comercializados 854 lanches. Com o valor arrecadado, Wagner pagou os fornecedores e conseguiu fazer caixa para continuar o negócio.

Essa empreitada, que começou em Outubro de 2017, em Curitiba, consolidou-se no ano seguinte e, em 2019, conquistou um faturamento de R$ 3 milhões. Em 2020, com o revés da pandemia, as dívidas ressurgiram e mesmo com uma arrecadação acima de um milhão, o empresário resolveu pedir ajuda de uma consultoria para descobrir como se recuperar das sequelas deixadas por aquele ano. Em 2021, com mais de R$ 300 mil negativos, Wagner se reinventou.

Reformulou o cardápio, revisou todos os fornecedores, precificou corretamente os produtos e passou, mês a mês, a se reerguer. O esforço deu seus frutos e a Pimp Burger recuperou sua força em menos de um ano, a ponto de expandir a operação e sustentar a inauguração de uma segunda unidade em parceria com um sócio e amigo, Moacir Junior, em março de 2022. Agora, mais um ousado passo é dado: o lançamento da hamburgueria no franchising, com pretensão de chegar até o final do ano com 40 unidades, prioritariamente na região sul, onde a Pimp nasceu, e um faturamento de R$ 30 milhões.

Condomínios com serviços padrão hotelaria

(crédito da foto Priscilla Fiedler)

Conceito padrão de hotelaria no serviço prestado aos condomínios, que é a tendência que surge neste segmento.

O setor condominial está investindo cada vez mais na segurança, bem-estar e conforto em todos os quesitos dos seus empreendimentos. E a qualificação profissional dos colaboradores também tem sido um grande desafio para oferecer serviços diferenciados e de alto padrão.

A novidade do momento neste segmento são os condomínios que oferecem serviços no padrão hotelaria, com equipes bem treinadas a partir de métodos padronizados e modernos de trabalho. A qualificação profissional faz toda a diferença no atendimento aos moradores.
E para levar esses serviços diferenciados para conjuntos comerciais e residências no mercado paranaense, a empresa Primee tem buscado inovar e investir na capacitação e treinamento de sua equipe para se diferenciar no mercado, empregando este conceito padrão de hotelaria no serviço prestado aos condomínios, que é a tendência que surge neste segmento.

De acordo com Igor Marçal, diretor comercial da Primee, o investimento em inovação para este segmento é constante em todos os nichos que atendem: portaria, segurança e limpeza. “As pessoas estão cada vez mais exigentes e buscam diferenciais para ter conforto, segurança e bom atendimento.

Ele ressalta  que as pessoas que atuam nessa área hoteleira são profissionais diferenciados. “Quem já trabalhou em uma rede de hoteleira é muito valorizado no mercado, pois é um profissional treinado neste padrão diferenciado, e a Primee está investimento em seu plano de treinamento para que as equipes tenham uma imersão nessa parte de hotelaria para serem profissionais neste alto padrão”, completa Marçal.

Engerey Painéis Elétricos é homenageada

Vereador Sidnei Toaldo entregou a honraria para Fábio Amaral, diretor da Engerey

A Engerey Painéis Elétricos vem se destacando no Paraná pela adoção de práticas inovadoras e sustentáveis. Recentemente, a Câmara de Vereadores de Curitiba concedeu ao empreendimento por conta da ação iniciada pela empresa há cinco anos e mantida desde então. O gesto transforma garrafas plásticas em uniformes: para a confecção das roupas dos 70 funcionários da empresa, 600 garrafas plásticas, aproximadamente, foram usadas. O uniforme combina uma porcentagem em algodão e em poliéster, item produzido a partir da fibra do PET.

A empresa já é conhecida pela utilização de processos ambientalmente saudáveis. Dispensando a papelada, a Engerey faz uso do QR Code para acesso a informações dos painéis elétricos, o que antes era feito (e ainda comum no mercado) por meio de catálogos impressos.

A Engerey  foi homenageada pela Câmara dos Vereadores de Curitiba e na solenidade recebeu o título do vereador Sidnei Toaldo. “É nossa responsabilidade como empresa e cidadãos cuidarmos do meio ambiente e quando tivemos acesso a este fabricante de roupas ecológicas não houve dúvida que era a opção mais correta para a produção de nosso uniforme. Além do mais, a malha é de alta qualidade e o resultado final ficou ótimo”, disse o engenheiro eletricista Fábio Amaral, diretor da Engerey.

Pellets traz qualidade de vida ao produtor

O pellet se tornou um grande aliado da avicultura e dos avicultores

Mercado avícola absorve 50% das vendas do produto pela paranaense Millpar, que obtém a biomassa a partir do beneficiamento da madeira para a construção civil mundial. O pellet se tornou um grande aliado da avicultura e dos avicultores. Ao substituir, na maioria das propriedades, a lenha como fonte de combustível para aquecer os aviários, a biomassa resultante do beneficiamento da madeira trouxe diferentes ganhos aos produtores e à produção.

A Millpar, uma empresa 100% brasileira que exporta para 9 países a partir de suas unidades no Paraná, tem 50% de suas vendas de pellets destinada ao setor. “A avicultura é o maior mercado de pellets para a empresa. Outros 25% vão para os setores de hotelaria, motéis e academias, e outros 25% para serem usados no segmento pet”, explica Gian Carlo Marodin, diretor comercial da companhia.

Neste ano, a geração de energia com pellets ganhou no Brasil mais um estímulo ao seu uso com a primeira normatização da ABNT, criando uma norma técnica que padroniza e certifica a qualidade dos pellets. “A iniciativa estimulará ainda mais a adoção desta fonte de energia em diferentes atividades”, avalia Gian Carlo.

Utilizar pellets nos aviários trouxe melhor qualidade de vida aos avicultores. Para aquecer os aviários com lenha era necessário que o reabastecimento dos fornos fosse feito a cada duas horas, em média, exigindo nos períodos mais frios a presença de uma pessoa no local praticamente por 24 horas. Conseguir cumprir essa árdua jornada no inverno exigia revezamento noite e dia das famílias para manter os aviários aquecidos, mas com temperaturas nem sempre regulares. O pellet eliminou essa rotina e com inúmeras vantagens para a atividade.