Débitos com o município de Curitiba já podem ser parcelados

485

Advogado Rodolfo Stadtlober: “Todo o processo pode ser  feito pela internet  onde é possível fazer as simulações de pagamento”

Os contribuintes que estiverem com débitos perante a Prefeitura Municipal de Curitiba, poderão efetuar parcelamento em até 36 prestações, com abatimento de até 100% dos juros e da multa moratória. Quem chama atenção para a informação é o advogado Rodolfo Stadtlober integrante do escritório  Régis, Saldanha e Vieira Advogados que tem o advogado João Carlos Régis, Assessor Jurídico da Associação Comercial do Paraná (ACP) como um dos titulares.

De acordo com Rodolfo Stadtlober, este procedimento consta da  Lei Complementar nº 125/2020,que foi sancionada pelo prefeito Rafael Greca, no dia 7 de dezembro último,  que criou  o Programa Covid-19 de Recuperação Fiscal de Curitiba (Refic Covid-19).  “Desta forma a lei complementar permite que IPTU, ISS, Taxa de Coleta de Lixo e outros débitos atrasados, tributários ou não, possam ser pagos com até 100% de abatimento de juros e da multa moratória no caso de quitação em parcela única. As dívidas podem ainda ser refinanciadas em até 36 vezes, com descontos menores”, enfatiza o advogado.

Salienta ainda, que de acordo com o programa aprovado, “os débitos precisam ser vinculados a uma indicação fiscal, inscrição municipal ou número fiscal, inscritos ou não em dívida ativa. Todo o processo pode ser  feito pela internet, que possui o banner Refic-Covid-19, onde é  possível fazer as simulações de pagamento (à vista ou parcelado) e ainda emitir o Documento de Arrecadação Municipal (DAM) disponibilizado juntamente com o termo de adesão ao programa.”  O prazo de adesão vai até 29 de janeiro de 2021, pelo site https://refic2020.curitiba.pr.gov.br/default.aspx.  Quem desejar orientação para fazer o procedimento também  pode acessar @rsevadvogados.

Reativação do aeroporto Cruzeiro do Iguaçu

Encontro de Lineu Tomass, Assessor de Relações Institucionais da Paranacidade com  Claudio Quadri,   presidente do Consórcio Procaxias

Lineu Tomass, Assessor de Relações Institucionais da Paranacidade, em reunião recente com o prefeito Claudio Quadri ,  do município  Capitão Leônidas Marques, que também é presidente do Consórcio Procaxias composto por dez prefeituras. Lineu  informou a ele  que o processo de concessão da pista de pouso e terreno,  por parte do Governo do Estado,  só depende agora de um projeto de lei na Assembleia Legislativa que autorize tal concessão. O município Cruzeiro do Iguaçu  fica na região Sudoeste do Paraná, as margens do Rio Iguaçu e próximo a cidade de Dois Vizinhos.

“Projeto eleitoreiro e até de interesse comercial”

Advogado Cleverson Marinho Teixeira: “transformaram o tema em projeto eleitoreiro e até de interesse comercial”

O advogado Cleverson Marinho Teixeira, ao comentar para a coluna CAPITAL & NEGÓCIO, a propósito  da demora do Governo Federal em implantar um Plano Nacional de Imunização (referindo-se à vacinação do Covid-19)  disse que “realmente deveria haver um plano único para o Brasil decidido pelo consenso de todos os responsáveis: presidente e governadores. Porém transformaram o tema em projeto eleitoreiro e até de interesse comercial, que infelizmente muitos colaboram para continuar dessa forma.”Mais adiante Cleverson Marinho Teixeira,  salienta que “ primeiro é necessário saber em que vacina ou em quais vacinas confiar. Esse deveria ser o debate do momento, principalmente na imprensa. A Anvisa está se dedicando a isso. Os Estados que tem institutos capacitados deveriam colaborar nas pesquisas. Espírito para isso não há. Cada um quer chegar em primeiro lugar, como se fosse corrida de Fórmula 1, ou de  Grande Prêmio Eleitoral”.

Oi Fibra conquista 2 milhões de clientes

Bernardo Winik vice-presidente da Oi: “Estamos felizes que os nossos esforços para ampliar o acesso à banda larga por fibra estejam sendo reconhecidos pelo mercado”

A Oi acaba de atingir a marca de 2 milhões de clientes de sua internet de alta velocidade, a Oi Fibra. O resultado foi alcançado apenas 8 meses depois de a companhia ter registrado, em abril, o primeiro milhão de clientes do serviço, com um volume de aquisições sem comparação no mercado de internet de altíssima velocidade. Este foi um dos temas da coletiva à imprensa, da qual a coluna CAPITAL & NEGÓCIO participou contanto com a presença de diretores da Oi. A fibra ótica é o principal pilar do plano de transformação da companhia, com soluções para fins residenciais, empresariais e corporativos. “A situação que o mundo está atravessando este ano, por conta da pandemia, mostrou de forma definitiva como a agenda da conectividade de alta qualidade e disponibilidade é essencial para todos, sejam empresas, sejam pessoas, sejam entidades públicas e governo. A Oi tem consciência de sua responsabilidade e do papel que ela pode ter para o avanço digital do país, incluindo as diversas frentes de impacto em saúde, educação, economia, segurança, comunicação, informação ou entretenimento. Estamos muito felizes que os nossos esforços para ampliar o acesso à banda larga por fibra estejam sendo reconhecidos pelo mercado e que a companhia esteja no caminho certo da execução de seu plano de transformação”, salientou  Bernardo Winik vice-presidente da Oi que participou da coletiva.

Paraná no ranking das maiores do Sul

O conjunto das empresas paranaenses desponta com a maior soma de receitas, de patrimônios e de lucros

O ano de 2020 tinha tudo mesmo para dar certo, não fosse a pandemia que abalou as estruturas econômicas mundo afora. Os resultados das empresas sediadas no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul demonstram que em 2019 elas estavam acelerando, como revelam os principais indicadores do ranking 500 Maiores do Sul, lançado por Amanhã e PwC Brasil na terça-feira (8). Seguindo uma tendência da última edição, o Paraná consolida supremacia em relação ao Rio Grande do Sul em indicadores importantes do ranking 500 Maiores do Sul. O conjunto das empresas paranaenses desponta com a maior soma de receitas, de patrimônios e de lucros. Desse modo, as paranaenses também detêm o maior Valor Ponderado de Grandeza, principal critério de classificação do ranking desde sua criação, em 1991.  Desenvolvido por PwC Brasil e Amanhã, o VPG resulta de uma ponderação dos três grandes números de um balanço: patrimônio (com peso de 50%), receita (40%) e lucro líquido (10%). Em relação ao prejuízo, as maiores empresas paranaenses não conseguiram repetir o feito da edição anterior, de 2019, com base em balanços de 2018 – na ocasião, figuraram com o menor acúmulo de perdas. Na edição de agora, com balanços de 2019, o valor em vermelho acumulou R$ 890 milhões, cerca de quatro vezes maior que as perdas somadas pelas catarinenses deficitárias (R$ 240 milhões) mas menos do que perderam as gaúchas (R$ 1,1 bilhão).

Receita médica digital no Paraná

O uso da receita digital de medicamentos vem crescendo em todo o Brasil, desde a regulamentação da telemedicina em caráter de emergência. No Paraná não tem sido diferente. O volume de prescrições feitas digitalmente no Estado cresceu em 170% de janeiro até novembro deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. O número de médicos que passaram a usar a plataforma da Memed, healthtech pioneira e líder no mercado em prescrição médica digital no Brasil, também cresceu 82% no período. Além disso, são quase duas mil farmácias e drogarias dispensando medicamentos eletronicamente no Estado. Ainda de acordo com os dados da Memed, Curitiba, capital do estado, lidera a lista das cidades que mais emitiram prescrições eletrônicas no período de janeiro a novembro de 2020, representando um volume de 30% do total; seguida por Londrina, Maringá, Pato Branco e Tibagi, entre outras.  Desde janeiro, 648 mil receitas médicas foram emitidas em todo o estado. Dos quase 24 mil médicos que atuam no Paraná (os dados são da Demografia Médica de 2018), 23% – cerca de cinco mil médicos –  já utilizam a plataforma.

Automação Food Service

Eduardo Ferreira, CCO da Acom: “a expectativa é que a demanda pelos produtos da Acom aumente ainda mais”

O setor de Food Service foi um dos mais impactados pela pandemia em 2020. O cenário também teve impacto nas empresas que trabalham junto a restaurantes, bares e comércios alimentícios, como a Acom Sistemas, empresa curitibana que desenvolve sistemas de gestão e tem o ERP Everest – destinado a bares e restaurantes – como o seu “carro chefe”.

Eduardo Ferreira, CCO da Acom, conta de sua empresa percebeu que a parceria com outras empresas de tecnologia era fundamental para que suas soluções chegassem aos clientes e fossem implementadas em tempo reduzido, a ponto de garantir ganhos imediatos aos restaurantes, que estavam enfrentando fortemente a crise. Contando com a reabertura do mercado, “a expectativa é que a demanda pelos produtos da Acom aumente ainda mais. Projetamos um crescimento de 15% para o ano que vem”. Enfatiza.  Hoje, a empresa atua fortemente no Paraná e em São Paulo, mas a meta para 2021 é expandir os negócios em direção ao Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Setor serviços “puxa” recuperação

O segmento de petshops de pequeno porte apresentou o pior desempenho nas categorias analisadas em novembro, segundo informações do índice “GYRATrends”, indicador criado pela Gyra+, plataforma online de concessão de crédito. O setor teve uma queda de 8,3% comparado aos dados de outubro. Varejo de equipamentos de telefonia (-1,8%) e comércio de peças para veículos (-0,5%) foram as outras áreas com números negativos. Por outro lado, o setor de serviços mecânicos foi o que teve o melhor desempenho, com alta de 9,7%, seguido pelo de vendedores ambulantes de alimentos, com 9,5%, padarias e confeitarias e obras de alvenaria, ambas com 9,3%.
“A recuperação na atividade das pequenas empresas no Brasil, durante o mês de novembro, foi puxada pelo setor de serviços, com expansão de 5,57% na média mensal dos últimos 12 meses, evidenciando recuperação seguindo a reabertura mais acentuada da economia”, analista Rodrigo Cabernitte, CEO da Gyra+.

Semana Paraná Inovador

Sucesso dos negócios. Este foi um dos apontamentos feitos no My Inova Day 2020, evento que abriu a Semana Paraná Inovador promovida pelo Governo do Estado em conjunto com entidades do setor, que realizam conferências virtuais até sábado (12).  Organizado pela Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-PR), o My Inova Day reuniu durante um dia inteiro especialistas em dois fóruns, um voltado à Indústria 4.0 – que abordou temas como o uso da robótica e o futuro dos ativos industriais –  e outro ao empreendedorismo (Talentos 4.0) – que falou sobre educação, negócios e trouxe experiências positivas do setor empresarial mundial.

Do ponto de vista empresarial, uma das conclusões dos palestrantes foi: quem apostou anteriormente no setor, hoje colhe bons frutos e sente menos o impacto trazido pela pandemia de Covid-19, por exemplo. “Quando o coronavírus chegou, já existia um tsunami silencioso chamado de transformação digital. Porém, tudo isso foi acelerado, tornando a tecnologia um ícone deste momento pós-pandêmico. Quem não tinha percebido, acabou percebendo que as organizações precisarão ainda mais da tecnologia para a tomada de decisões. A inteligência artificial já é realidade e deve predominar de tal maneira que a coleta automatizada de perfis, preferências, hábitos e processos vai conjugar a formatação de produtos e experiências”, disse o vice-presidente de Relações Internacionais da Federação Assespro, Robert Janssen.Antes da pandemia, o My Inova se chamava My Inova Summit e tinha duração de até três dias. O evento compõe a Semana Paraná Inovador, que segue até o dia 12, abrangendo temas como a capacitação de pessoal para o mundo digital e cibersegurança.O conteúdo do evento ficará disponível na página do YouTube da Assespro-PR, no link: https://www.youtube.com/user/assespropr