Alexandre Schlegel

Com a decadência do ciclo do mate e da madeira que tinham em Paranaguá, seu terminal marítimo, condicionando uma série de atividades, que se traduzia nas casas de despachos, agências de navegação, armazéns, trapiches, comissários etc. Um ambiente socioeconômico!

Ainda operando sobre trapiches, o porto começa a receber as primeiras sacas de café, produto da maior importância para a economia brasileira desde que quase todo o mundo se tornou consumidor da infusão do café. De acordo com o anuário estatístico do café – IBC – 1977, com 6,72 milhões de sacas colocando-se em condições de satisfazer o desejo do comércio internacional. Uma vocação já existente!

No ciclo do café em Paranaguá, a valorização imobiliária refletiu-se nos altos preços dos aluguéis de casas, inclusive com aproveitamento dos terrenos baldios por homens interessados que se propunham a construir em terreno alheio por um determinado tempo, fazendo com que devolvessem o imóvel com todas as benfeitorias. Tratava-se de uma inovação em matéria de investimento imobiliário, porque os proprietários dos terrenos não queriam vendê-los, esperando uma maior valorização de seus bens.

Novos hábitos, culturas e tradições foram introduzidos na cidade, com a quebra de velhos padrões tradicionalistas do povo, os recursos mudam os hábitos até hoje, em pleno ano de 2022 será que levam em consideração? O hábito dos chefes de família que todas as manhãs iam ao mercado, onde formavam rodas para o primeiro bate-papo do dia, aos poucos foram desaparecendo. Mesmo antigos hábitos religiosos foram sensivelmente transformados após a vinda de padres americanos que assumiram a paróquia local, por esta razão que política e religião manobram as massas. Tanto a Matriz como a Igreja do Rocio passaram por mudanças substanciais, como a decoração que lembra os templos presbiterianos. Até a tradição da procissão da Virgem do Rocio, com seu andor carregado nos ombros dos fiéis, foi eliminada, pois a milagrosa imagem passou a ser transportada de caminhão, de sorte que muitas promessas ficaram impossibilitadas de ser cumpridas.

A história nos conta, que a escassez de energia elétrica era um dos problemas que a cidade encontrava, impossibilitando sua expansão, outro grave problema seria o desnível acentuado de salários. O café suportava o pagamento de altos salários, o que não se dava com a administração do Porto, a Prefeitura e outros setores nos quais os salários pagos eram relativamente baixos. Devido à má distribuição de renda houve uma tendência ao proletariado urbano, já existia isto, naquela época e hoje?

O fenômeno se deve em parte à fuga da população das zonas rurais para o centro urbano, onde encontravam melhores recursos de assistência social e oportunidades de emprego, pois no meio do mato eram bem mais escassas. Assim vemos uma face de que a justiça não é igual a direito, e o direito é diferente que a justiça, e assim perdura é até hoje!

Temos que parar e olhar para história. Quais foram as consequências do processo de crescimento econômico acelerado? pode causar?

Você se interessou por este assunto? Compartilhe com a sua rede e conosco a sua opinião. Acompanhe as novidades da coluna RMC em foco ou no site www.alexandreschlegel.com

Alexandre Schlegel