O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de Curitiba teve queda de 0,09% em agosto comparado ao resultado de julho. No acumulado do ano o índice ficou em 2,70%


Patrícia Vieira
da redação

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC), de Curitiba teve queda de 0,09% em agosto comparado ao resultado de julho. No acumulado do ano o índice ficou em 2,70% e nos últimos 12 meses em 4,69%. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes).
Com o resultado de agosto o Ipardes estima que no ano de 2007, a inflação no país fique em 4,5%.  
Em agosto, o grupo alimentos e bebidas (1,23%), apresentou a maior variação positiva, influenciado pelos itens: tomate (30,18%), leite em pó integral (12,55%), leite pasteurizado (5,55%), alcatra bovina (5,16%), pão francês (3,37%) e refeição (0,82%).
O grupo Transporte e Comunicação teve alta de 0,19%, as principais influência foram: automóvel de passeio e utilitário usado (-2,94%), gasolina (4,18%), passagem de avião (15,29%) e seguro voluntário de veículo (9,76%).
Os artigos de residência tiveram leve alta de 0,03%. Mas os consertos de móveis  tiveram queda 6,00%.
O grupo vestuário (-3,20%), foi a segunda maior influência no ÍPC de agosto. Os itens que mais contribuíram com o resultado foram: agasalho feminino (-16,78%), blusa feminina (-7,46%), agasalho infantil (-14,88%), camisa masculina (-4,16%) e sapato feminino (-4,42%).
    O grupo de saúde influenciado pela queda de preços dos medicamentos registrou deflação de 1,28%. Por item, as principais contribuições para o resultado geral foram: antigripal e antitussígeno (-10,74%) e analgésico e antitérmico (-8,06%), serviços de psicólogo e fisioterapeuta (-3,84%) e tratamento dentário (-1,59%).
 Já o grupo de habitação teve variação negativa de 0,12%, o principal destaque foi a queda na tarifa de energia elétrica residencial, que foi de 0,58%.
As despesas pessoais apresentaram queda de 0,08%. As maiores influências foram: excursão turística (-10,77%) e ingresso para futebol (-25,80%) e, com alta, brinquedos e jogos (6,26%).