Mercado captou R$ 14,8 bilhões de janeiro a julho, com crescimento de 26,81%. Contribuições de VGBL ultrapassam a marca de R$ 10 bilhões no acumulado do ano.


O mês de julho representou mais uma quebra de recorde de captação para o mercado de previdência privada, excluindo os meses de dezembro que, tradicionalmente, apresentam volume de contribuição acima do esperado por ocasião do esforço das seguradoras em captar mais recursos advindo do 13º. salário. Dados da Fenaprevi (Federação Nacional de Previdência Privada e Vida), que reúne 93 companhias que comercializam planos de previdência privada e apólices de vida,  apontam que, apenas em julho, foram depositados R$ 2,385 bilhões, com crescimento de 31,41% na comparação com julho de 2006, quando foi captado R$ 1,815 bilhão.  O destaque do mês, mais uma vez, ficou por conta do VGBL, que cresceu 41,28%, passando de R$ 1,249 bilhão para R$ 1,765 bilhão entre julho de 2006 e julho de 2007. O VGBL é o produto indicado para o investidor que não declara imposto pelo modelo completo.  O PGBL teve uma captação de R$ 319 milhões, resultado 4,68% inferior ao verificado em julho de 2006, quando o volume de novas contribuições chegou a R$ 334,6 milhões. O PGBL é o plano indicado para quem declara o imposto de renda pelo formulário completo. Já os planos tradicionais – que garantem rendimento do IGPM mais taxa de juros de 6%, mas que praticamente não são mais comercializados pelas seguradoras – captaram R$ 299 milhões em julho de 2007, o que representou crescimento de 30,62% na comparação com o mesmo mês de 2006, quando foram captados R$ 228,9 milhões. Os outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) captaram R$ 2,040 milhões (queda de 5,64% na comparação com julho de 2006, quando foram captados R$ 2,162 milhões).  Em relação à participação no volume de contribuições por tipo de plano, o VGBL lidera o ranking, com 74,01% do total, seguido pelo PGBL, com 13,37% do total, seguindo por planos tradicionais, com 12,53% do total de novas contribuições. Os outros planos tiveram captação irrisória. Por tipo de plano Os dados da Fenaprevi mostram que em julho, os planos para menores registraram o melhor desempenho do período, com crescimento de 84%, consolidando captação de R$ 131,5 milhões contra captação de R$ 71,467 milhões registrada em julho de 2006.  Os planos individuais captaram, por sua vez, R$ 1,944 bilhão em julho deste ano contra R$ 1,403 bilhão no mesmo mês de 2006, com alta de 38,52%. Os planos corporativos  tiveram alta de 22,27% na captação no período. Em julho de 2007, o volume de novos depósitos nessa categoria somou R$ 309,7 milhões, contra volume de R$ 253,3 milhões registrado no mesmo mês de 2006. Os planos individuais confirmaram a liderança em julho na fatia de participação na captação dos recursos de previdência, com 81,51% do total. Os planos empresariais contribuíram com 12,98% do total de captação, enquanto aqueles destinados a menores de idade perfizeram 5,51% do total captado durante julho de 2007.  Ranking A Bradesco Vida e Previdência lidera o ranking de captação em julho, com 38,30% do total, seguida pela Itaú (17,33%), Brasilprev (11,15%), Unibanco (7,89%), Caixa Vida e Previdência (6,93%), HSBC (4,28%), Real Tokio Marine (3,06%), Santander (2,87%), Safra Seguros (2,82%), Capemi (0,81%). As demais empresas somam 4,54% do total de captação no mês.  Acumulado Janeiro a Julho O mercado de previdência complementar aberta encerrou o período entre janeiro e julho com captação de R$ 14,8 bilhões, o que representou um crescimento de 26,81% na comparação com mesmo período do ano anterior. O resultado foi impulsionado pelo VGBL, que cresceu 38,48% no mesmo período e ultrapassou a marca de R$ 10 bilhões.  Segundo a Fenaprevi, o PGBL captou R$ 2,387 bilhões, o que representou uma queda de 3,42% em relação ao mesmo período de 2006, quando o mercado captou R$ 2,472 bilhões. Já captação dos planos tradicionais cresceu 19,88% no período, alcançado o patamar de R$ 2,037 bilhão até julho de 2007, contra R$ 1,699 bilhão captados no mesmo período de 2006. Os outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) captaram R$ 9,740 milhões (queda de 39,5% na comparação com o acumulado até julho de 2006, quando foram captados R$ 16,099 milhões).  Em relação à participação no volume de contribuições por tipo de plano, o VGBL lidera o ranking, com 70,08% do total, seguido pelo PGBL, com 16,11% do total, planos tradicionais, com 13,74% do total de novas contribuições. Os outros planos tiveram participação de 0,07%. Por tipo de plano Os dados da Fenaprevi mostram que, no período entre janeiro e julho de 2007, os planos para menores cresceram 77,98%, consolidando captação de R$ 818,1 milhões, contra R$ 459,6 milhões auferidos no mesmo período de 2006.  Os planos corporativos captaram, por sua vez, R$ 2,348 bilhões no período contra R$ 1,931 bilhão entre janeiro e julho de 2006, com alta de 21,58%. Os planos individuais também tiveram um bom desempenho no período, com alta de 25,36% na captação. Entre janeiro e julho de 2007, o volume de novos depósitos nessa categoria somou R$ 11,657 bilhões, contra R$ 9,298 bilhões registrados no mesmo período de 2006. Os planos individuais confirmaram a julho fatia de participação na captação dos recursos de previdência, com 78,64% do total. Os planos empresariais contribuíram com 15,84% do total de captação, enquanto aqueles destinados a menores de idade perfizeram 5,52% do total captado entre janeiro e julho de 2007.  RESERVAS Em relação a todos os produtos de previdência complementar, o nível de reservas técnicas – recursos acumulados pelos participantes do sistema de previdência complementar – chegou a R$ 108,83 bilhões até julho de 2007, um crescimento de 26,36% na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando esse indicador atingiu R$ 86,129 bilhões. O dado é acumulado desde o início da série.  Segundo o balanço de julho da Fenaprevi, o VGBL passou a compor 45,81% do total de recursos depositados em previdência complementar aberta no país. O PGBL representou 28,31% do total e os planos tradicionais, 25,4% do total acumulado desde o inicio da série. Outros produtos respondem por 0,47% do total de receitas.  CARTEIRA Em relação à carteira de investimentos – que inclui as reservas técnicas, as reservas livres, o capital de seguradoras e outros valores – o mercado de previdência complementar cresceu 27,98% em julho em relação ao mesmo mês do ano anterior. Com isso, a carteira do setor acumulou R$ 116,259 bilhões enquanto, em julho de 2006, o valor verificado foi de R$ 90,841 bilhões. Os dados são acumulados desde o início da série.