A Caixa Econômica Federal obteve, no primeiro semestre de 2007, lucro líquido de R$ 1,7 bilhão.

O resultado supera em 27,6% o lucro líquido obtido em igual período de 2006, que foi de R$ 1,3 bilhão. Entre outros fatores, contribuiu para o resultado a evolução das receitas oriundas das operações de crédito, que registrou crescimento de 6,2% no período, e a captação liquida da poupança de R$ 4,3 bilhões.

Parte do resultado, no montante de R$ 386 milhões, será destinado ao Tesouro Nacional a título de dividendos e juros sobre o capital próprio. Nos primeiros seis meses de 2007, as concessões de crédito comercial cresceram 14% em comparação com igual período do ano passado, atingindo R$ 24,9 bilhões em contratações. No segmento pessoa física, o crescimento foi de 18,3% (R$ 12,9 bilhões). Crédito com desconto em folha (consignação), operações de penhor e cheque especial somaram R$ 10,3 bilhões, com evolução de 79,4% no período.

Nas operações de crédito destinadas às pessoas jurídicas o crescimento foi de 10,1%, totalizando R$ 12 bilhões. Desse total R$ 10,8 bilhões foram destinados às micro e pequenas empresas, o que comprova que esse segmento encontrou na CAIXA um ambiente propício para a realização de negócios. A CAIXA teve, no primeiro semestre do ano, participação ativa na economia do país, fomentando diretamente a geração de emprego e renda devido às aplicações voltadas para o setor produtivo. Os recursos direcionados às operações de investimento registraram evolução de 53%, com volume de contratação da ordem de R$ 898 milhões.

No primeiro semestre de 2007 a CAIXA contratou quase R$ 7 bilhões em empréstimos imobiliários, sendo R$ 2,6 bilhões com recursos da caderneta de poupança. Esses recursos foram suficientes para o financiamento de mais de 235 mil unidades habitacionais e geração de 666 mil empregos na construção civil. O orçamento total para habitação este ano, incluindo o PAC, é da ordem R$ 17,4 bilhões.

Parcela significativa dos recursos para o financiamento habitacional vem da caderneta de poupança cujo saldo, no primeiro semestre do ano, cresceu 23,5% em relação a igual período de 2006. Em 30 de junho último, o saldo das cadernetas de poupança da CAIXA fechou o semestre em R$ 66,7 bilhões.

Na CAIXA os depósitos totais cresceram 14% no período, atingindo R$ 127,6 bilhões ao final do semestre. Na comparação com os seis primeiros meses de 2006, a receita de prestação de serviços cresceu 22,1%, atingindo R$ 3,3 bilhões. Também cresceu 10,4% a despesa de pessoal devido, principalmente, à contratação de funcionários para trabalhar nas novas agências.

O patrimônio líquido da CAIXA em 30 de junho era de R$ 10,5 bilhões, sendo de R$ 237,5 bilhões os ativos totais. O índice de Basiléia, que mede os ativos ponderados pelo risco, variou de 25,7% em 30 de junho de 2006 para 33,4% em 30 de junho último. A qualidade do crédito concedido pela CAIXA melhorou, sendo de 67% as operações classificadas em AA, A e B.