Brasília, capital do adultério. Curitiba fica em sexto lugar

299

Mais uma culpa da pandemia 2020: as traições conjugais virtuais. Segundo a Ashley Madison, plataforma de encontros extraconjugais com mais de 65 milhões de usuários em todo o mundo desde 2002, Brasília lidera o ranking da lista das principais cidades brasileiras para casos extraconjugais cibernéticos durante a quarentena.

A lista das Top 20 Cidades baseia-se em inscrições na Ashley Madison de 21 de março a 1 de julho de 2020 em uma base per capita.  São Paulo é o Estado mais infiel, com cinco cidades na lista, incluindo São Paulo, Guarulhos e Campinas entre as 10 principais. Brasília, segundo a Ashley, lidera porque “é o centro da política do país, e a pressão nesta vertente aumentou de maneira compreensível nos últimos meses. Com a pressão vem a necessidade de lidar com ela, e muitos descobriram que a infidelidade é uma maneira eficaz de fazê-lo”.

Segundo Paul Keable, diretor de estratégia da Ashley Madison, a traição virtual é uma virtude. Justificação: “Com o aumento das taxas de divórcio nos países que iniciaram a reabertura, oferecemos um caminho alternativo para ajudar as pessoas a lidar e, finalmente, ajudar os casais a preservar o casamento depois que a poeira baixar”.

 

Eis a lista das vinte cidades:

 

 Brasília, DF

 Manaus, AM

 São Paulo, SP

 Goiânia, GO

 Campo Grande, MS

 Curitiba, PR

 Guarulhos, SP

 Campinas, SP

 Rio de Janeiro, RJ

Belo Horizonte, MG

Porto Alegre, RS

João Pessoa, PB

São Bernardo do Campo, SP

São Luís, MA

Salvador, BA

Santo André, SP

Duque de Caxias, RJ

Recife, PE

Teresina, PI

Natal, RN

Ilustração acima: tela Susana acusada de adultério, de Antoine Coypel  (1661- 1722).  Acervo Museu do Prado, Madri.