Bicicleta como transporte sustentável para cargas em Curitiba

453

Victor Ferraz: “O foco em uma logística diferente de distribuição é o segredo que levou à criação da EcoBike Cargo”

Um meio de transporte simples e econômico. Esta é a proposta da startup EcoBike Cargo, como alternativa a vans e demais veículos automotores usados no transporte de cargas. Liderada por Victor Ferraz, a empresa baseada em Curitiba enxergou no uso comercial de bicicletas de carga um negócio lucrativo, que se valia dos conceitos da entrega last mile para melhorar a logística de distribuição de mercadorias e objetos para empresas, principalmente no centro da capital paranaense.

Listada no começo do ano pela Liga Ventures entre mais de 16 mil projetos e startups que estão se destacando pelo valor que agregam aos setores de mobilidade, logística e transportes, a EcoBike Cargo conta com bicicletas cargueiras Long John para o deslocamento de itens para e-commerces, distribuidores, embarcadores e varejistas, atendendo a mais de 100 pedidos diários com uma equipe de entregadores especializada. A capacidade de carga é de até 100 Kg, com até 420 litros de volume.

Segundo Victor Ferraz, dono da EcoBike Cargo, a empresa ganhou espaço em pouco tempo de atuação na cidade pois oferece um modelo de serviço que atende às expectativas exatas de um nicho de clientes muito específico. “Nosso foco é o mercado de entregas B2B, ou seja, que atende empresas e não diretamente o consumidor final”, afirma.

“Depois de muitos estudos, nós identificamos que os centros tradicionais de distribuição não conseguiam atender às demandas de companhias da cidade. Dito de maneira mais simples: aquilo que chega a Jundiaí, em São Paulo, não pode vir parar nas mãos de quem está em Curitiba sem que algumas horas ou até dias sejam perdidos”, explica.  A estrutura sustentável e tecnológica da empresa — sem poluição do meio ambiente e com um roteiro baseado no zoneamento inteligente da capital paranaense — tornou-se o diferencial no setor por conta da redução do valor de fretes, a colaboração para a redução do trânsito de utilitários e para a diminuição da poluição das zonas em que o trânsito representa um gargalo operacional.

Para o futuro, a startup pretende expandir as operações para um barracão de maiores proporções em Curitiba e avalia o início das atividades em outros grandes centros do sul como Porto Alegre e Florianópolis, sem falar nas capitais do sudeste. “Nossa meta é fazer com que mais pessoas possam aproveitar um serviço rápido, inteligente e comprometido com o bem-estar do mundo, sem poluição do ar ou sonora e, menos ainda, perda de tempo e produtividade por conta do caos urbano promovido pelo excesso de carros”, afirma.

Novos cursos da UniAmérica Campus Nutrimental

O campus Nutrimental é o primeiro localizado em uma unidade fabril

Já estão abertas as inscrições para o vestibular agendado da UniAmérica – Campus Nutrimental. Inaugurado no ano de 2019 dentro da unidade fabril da Nutrimental, em São José dos Pinhais, o campus chega ao terceiro ano de operação ampliando a oferta de cursos para 13 modalidades. Além de Administração, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Produção e Nutrição, a UniAmérica contará em 2021 com turmas de Ciências Contábeis, Gestão de Recursos Humanos, Processos Gerenciais, Gestão Financeira, Marketing, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Engenharia de Software, Mídias Digitais e Pedagogia.

O campus Nutrimental é o primeiro localizado em uma unidade fabril. Fundada no ano de 2001 em Foz do Iguaçu, a UniAmérica foi a primeira da América Latina a oferecer cursos superiores semipresenciais integrados ao mercado de trabalho, com foco em modernizar a educação e ampliar a empregabilidade. “O objetivo da UniAmérica é integrar a teoria com a prática, trazendo aos estudantes cases reais de mercado e ampliando suas experiências profissionais já durante a graduação”, explica Renata Virgínia Moura, gestora pedagógica da UniAmérica.

Por meio do portal: desafios.uniamerica.br, a instituição convida a comunidade a cadastrar demandas de empresas, de um grupo de pessoas ou mesmo da cidade inteira. Os professores então selecionam os desafios e apresentam aos estudantes, que elegem os problemas para os quais gostariam de apresentar soluções. Dessa forma, os alunos atuam como protagonistas do aprendizado, compondo um portfólio de soluções aos longos dos anos de curso.

As inscrições para o vestibular agendado já estão abertas e seguem até fevereiro pelo portal: https://uniamerica.br. A prova consiste em uma avaliação dissertativa, realizada de forma online. As aulas terão início no dia 7 de fevereiro de 2021.

Oportunidade para o agronegócio no exterior

Rogério Marin,  diretor da Tek Trade: “Oportunidade para o agronegócio brasileiro no comércio exterior”

Com a guerra tarifária intensa entre os países China e Estados Unidos, produtores agrícolas brasileiros têm uma oportunidade ainda maior de exportação. “O Brasil é um dos principais produtores de proteína animal e vegetal do mundo e a China, por sua vez, tem a maior população mundial, com 1,4 bilhão de pessoas. Com a lacuna comercial deixada pelos Estados Unidos, produtos como soja, milho, carnes de aves e bovinos podem ser supridas pelos produtores brasileiros. Tanto que os chineses já estão adquirindo as safras do ano que vem”, explica o diretor da Tek Trade, uma das maiores empresas do ramo de importação e exportação de Santa Catarina.

Entretanto, o especialista afirma que é necessário também que o Brasil passe a importar mais para que, passado o protecionismo no comércio mundial, o país possa se consolidar em outros mercados. “O Brasil ainda exporta e importa muito pouco. Quase 23,5% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro é relacionado ao comércio exterior. É importante ao pequeno, médio e grande negociar com o mundo. Isso significa também importar insumos e fertilizantes como ureia, por exemplo, para ser mais competitivo ao exportar. Também significa menos risco cambial já que você estará comprando e vendendo em dólar”, explica. “Na área agrícola, por exemplo, também existem produtos específicos com alíquota zerada de importação. Ou seja, de produtos que não tem similar nacional equivalente. É mais comum para máquinas e motores agrícolas, por exemplo”, esclarece.

Eleita a nova Diretoria da Faciap

Fernando Moraes (direita), é o  novo presidente a partir de 4 de janeiro. Ocupa o lugar de Marco Tadeu Barbosa

O empresário londrinense Fernando Moraes é o novo presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap). A chapa liderada por ele, que contempla o Conselho de Administração e o Conselho Superior, foi eleita por aclamação nesta sexta-feira, 11 de dezembro.

O empresário londrinense Fernando Moraes é o novo presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap). A chapa, que contempla o Conselho de Administração e Conselho Superior, foi eleita por aclamação nesta sexta-feira, 11 de dezembro, para o biênio 2021-2022. A partir de janeiro, Fernando Moraes assumirá a vaga ocupada pelo maringaense Marco Tadeu Barbosa.

Rede paranaense de “strip malls”

uma alternativa ainda mais competitiva para alocar  operações

Muitos empresários começaram a considerar os centros de comércio e serviços de bairro, ou strip malls, como uma alternativa ainda mais competitiva para alocar suas operações. Posicionados estrategicamente em vias de grande fluxo, esses empreendimentos tiveram sua origem no mercado americano e sua principal finalidade é atender ao público residente na região de influência e os passantes, para suprir demandas cotidianas, principalmente de conveniência, serviços e alimentação.

Entre os principais atributos entendidos pelos lojistas e consumidores, estão o fato de os pontos ficarem em locais abertos e resultam em maior visibilidade para as marcas, além de facilitar a operação com delivery, que se mostrou fundamental após a pandemia, por exemplo.

Luis Napoleão, CEO da Invescon, empresa idealizadora da rede Express Mall, detentora de cinco empreendimentos em operação e outros quatro em desenvolvimento, localizados em Curitiba e Região Metropolitana, lista algumas considerações que precisam ser avaliadas por empreendedores na hora de identificar um novo ponto. “Os empreendedores, geralmente, não consideram os custos relacionados à manutenção do estacionamento, áreas externas e segurança em lojas de rua. Já nos strip malls esse custo é explicito, porém com um impacto menor, uma vez que será rateado no condomínio com os demais lojistas. Já as lojas de shoppings também rateiam despesas e possuem uma cobrança condominial, contudo, esse custo nos shoppings é muito mais alto, resultando, nas maiorias das vezes, em um valor muito superior ao próprio aluguel”, avalia.  Saiba mais sobre a Invescon em: www.invescon.com.br