Autorretrato, álbum digital de Guego Favetti em lançamento

343

Acontece nesta sexta, 4 de junho, às 19h30, a live de lançamento de Autorretrato, álbum digital do cantor e compositor Guego Favetti. Gravado no estúdio Gramofone, em Curitiba, o disco traz dez músicas autorais, quatro delas são inéditas.

“Cantando na noite curitibana, ou em apresentações com meus irmãos no Trio DFavetti, eu sempre fui mais conhecido como intérprete. Mas de depois de 40 anos de carreira, já estava mais que na hora de encarar o desafio de gravar um disco só com minhas próprias composições”, diz Guego, também ativista social contra as injustiças.

O disco conta com as participações dos músicos André Ribas, Luciano Pasinatto, Julião Boêmio, Márcio Rosa, Cesar Matoso, Alvaro Ramos e Vitor Pinheiro.

A canção de abertura é Auto-retrato, parceria de Guego Favetti com o professor Aldo Zarbin, autor da letra. O nome da música é assim mesmo, com grafia antiga e diferente do álbum. E ela “ressalta historicamente a luta de cada segmento social, como os povos latinos, os negros e o movimento anarquista”. A música foi gravada em duas versões. Uma delas acústica, apenas com voz e violão; e outra com arranjo de Guego e Vladimir Urban, tendo a participação da banda curitibana de psicobilly Os Partigianos.

Há mais duas músicas em que Guego divide a autoria: “Sob proteção”, com Cesar Matoso, e “Viola do meu coração”, com Gilberto Ferreira. As demais, “Noites curitibanas”, “A cor do samba”, “Não negaceie minha viola”, “Vozes”, “Terra Terra” e “Eu quero esse canto”, são de autoria apenas de Guego.

Personagem musical

Já soma mais de meio século a jornada de Guego Favetti no Paraná. Vinda de Paim Filho, no Rio Grande do Sul, sua família se fixou inicialmente em Pato Branco. Com o passar do tempo os Favetti foram vindo para Curitiba. Aqui, com seu jeito simples, sem pretensão ou alarde, Guego se tornou personagem da vida musical das noites da cidade.

Seu primeiro trabalho gravado foi o CD “Noites Curitibanas” (1998). Depois  veio “Arretirança” (2005), com seus irmãos Tita e Titi, do Trio D Favetti.  O terceiro CD, “Branco”, data de 2007. Em 2011 foi lançado o álbum duplo “Degrau do Tempo”, que também virou DVD com a gravação do show de lançamento, realizado no Teatro da Caixa.  Em 2017 surgiu “O Troco de Taiguara”, CD com interpretações de Guego e do Trio DFavetti. O disco foi lançado em todo o Brasil pelo selo Kuarup, com shows realizados em Curitiba e São Paulo.

Em 2020 e 2021, por conta da pandemia da Covid, Guego tem se dedicado a realização de lives. Em 15 meses, elas já somam mais de 140. “É a forma que encontrei de resistir nesses tempos tão difíceis, e também de contribuir por meio da minha música para amenizar um pouco a dor das pessoas”, completa o artista.

Autorretrato, que estará disponível nas principais plataformas musicais de streaming a partir de 4 de junho, tem produção musical de Alvaro Ramos, com arranjos do próprio Alvaro, de Julião Boêmio, de Vitor Pinheiro e Vladimir Urban. A produção executiva é de Antonio Carlos Domingues.

O álbum foi viabilizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura, da Fundação Cultural de Curitiba, da Prefeitura Municipal de Curitiba e do Ministério do Turismo.

Anote: Live de lançamento dia 4 de junho de 2021, ás 19h30, em www.facebook.com/guegofavetti